De Crítica a "socialistas"-neoliberais Fina a 18 de Junho de 2014 às 10:35

Tarde demais?
(ou crítica a "socialistas"- neoliberais, 'mercados', alta finança, e seus capatazes e avençados...)

•«Se há uma crítica que podemos fazer aos socialistas em geral é que a esquerda socialista na Europa, durante muito tempo, foi demasiado
complacente com os interesses financeiros globais - e com o discurso tecnocrático da União Europeia a partir de Maastricht -
e foi complacente com os grandes grupos empresariais.

Pagámos um preço elevado por não termos combatido de forma consistente as desigualdades.

Os estados não se impuseram aos mercados e isto gerou uma situação de desconfiança dos cidadãos.» (Alberto Martins)

-------------

Os «velocímetros» da Pordata
(ou como manipular através de estatístisticas )

Não é de hoje nem é algo que prime propriamente pela incongruência. Na página da Pordata continua a investir-se em PROPAGANDA SUBLIMINAR,
tendo em vista - sob a capa de uma aparente neutralidade científica - sugestionar os visitantes para a voragem e desperdício de recursos orçamentais que o Estado, esse malandro gordo, desvia da «economia real» para esturrar em serviços públicos de educação e saúde.
Tecnicamente, é tudo bastante simples:
fazem-se cálculos, ao segundo, da despesa anual por sector e apresenta-se uma espécie de «velocímetros», cujo ritmo de rotação facilmente capta a atenção de quem consulta a base de dados da Fundação Pingo Doce.

Por uma questão de diversificação de indicadores e de refrescamento da página, fica aqui uma sugestão:
apliquem agora estes velocímetros, por exemplo,
ao aumento da dívida pública,
ao número de famílias que deixam de poder pagar a casa,
à evolução do crédito malparado, ou
ao aumento de pedidos de ajuda alimentar recebidos por instituições e cantinas sociais.
É bem possível que obtenham resultados igualmente «interessantes».

Postado por Nuno Serra , Ladrões de B, 18/6/2014)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres