3 comentários:
De Delvin Sergio a 20 de Junho de 2017 às 14:37
Solicite todos os tipos de empréstimos urgentes com participação de 3% no Delvin Loan World Wide.

Inscreva-se agora em: delvinsergio@gmail.com
Whatsapp: +2349038521315


De «A si, eu vou encontrá-lo !» a 10 de Fevereiro de 2015 às 14:26
------ "Não me deixe morrer" sr. ministro!

Menos números
(e + atenção e apoio às Pessoas)

Paulo Macedo juntou-se ao silencioso cortejo de governantes em agonia política. Bastou uma simples quanto terrível frase
("não me deixe morrer" , diz doente com hepatite C ao ministro da Saúde )
para que isso acontecesse. Isto depois de um mandato bem gerido - interna e mediaticamente - até ao momento em que
deixou de poder antecipar as consequências de alguns actos técnicos, financeiros e administrativos que, pela natureza deles, porventura lhe escaparam.
Todavia, politicamente está ao leme desses mistérios insondáveis da burocracia. E a burocracia não pode ser nunca um fim - e, em certos casos dramáticos, "o" fim - mas, antes, um meio ao serviço de qualquer coisa concreta e, sobretudo, das pessoas.
"Quem salva uma vida salva o mundo inteiro", lê-se no Talmud.
No tempo político que lhe resta à frente do ministério da saúde, sugiro-lhe delicadamente que reflicta mais nisto do que nos números.

(-João Gonçalves, Portugal dos pequeninos)
-----------

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Sociedade/Saude/Interior.aspx?content_id=4380643&page=-1
...
...José Carlos Saldanha, doente com hepatite C, interrompeu a audiência.
"Não me deixe morrer", "acabem com isto por favor", gritou durante a intervenção da deputada Carla Cruz, do PCP.
Este doente diz ter oferecido a Paulo Macedo metade do custo do tratamento, não tendo recebido qualquer resposta da parte do Ministério da Saúde.

José Carlos Saldanha pediu depois desculpa aos deputados pela sua intervenção, não sem antes avisar Paulo Macedo:
"A si, eu vou encontrá-lo".

Fora da sala, o doente explicou aos jornalistas que se encontra à espera de autorização para tratamento.
"Não me contive mais. O senhor ministro tem de fazer a sua parte.
A doença é silenciosa, mas nós não nos vamos calar".
...
...

-----Valores vs canalhas
Quanto vale a vida de um canalha?

06/02/2015 por João José Cardoso , Aventar

Por exemplo, admitamos que um ano vida de uma pessoa normal vale 1 QALY, e que uma pessoa com hepatite C vê a qualidade de vida reduzida em 50%, ou seja, 0.5 QALYs. Se o tratamento para a hepatite C permitir recuperar esses 0.5 QALYs durante 30 anos, então o valor desse tratamento será de 0.5 vezes 30, 15 QALYs.

Mais uma vez tenho de agradecer ao Mário Amorim Lopes o imenso favor de demonstrar que o neoliberalismo mata, e muito. Não tanto como os fascismos, dizem, porque não mata a eito e com milícias, assassina com folhas de cálculo e uma religião a que chamam economia. Como os mortos ficam mortos na mesma, e a lógica ditatorial (é óbvio que um regime neoliberal é insustentável em democracia) não varia tanto como isso, lá vai cumprindo o seu papel sucessório, arquitectado pelos hayekes e pelas randes deste mundo.

Quanto à pergunta: eu acho que a vida do Mário Amorim Lopes não tem preço. Mais que não seja, perder um idiota tão útil seria um desperdício.

-----------------

Ah tal não somos a Grécia.
E com efeito, nota-se.
Eles trabalham para reconquistar a soberania e aqui baixam-se as calças.
Quanto à cassete da austeridade, é de ver a reportagem – surpresa, surpresa! – do canal 1 alemão sobre os ganhos da Alemanha com a crise do euro.


------ Apontar e dizer que o ia encontrar !

Havia necessidade? Governo de cobardes!
(05/02/2015 por Noémia Pinto )


Bastou o homem apontar-lhe o dedo e dizer que o ia encontrar.
O medicamento já está a caminho.
Shame, shame, everybody knows your name!

---- http://aventar.eu/2015/02/05/havia-necessidade-governo-de-cobardes/


De Farmacêutica lucra q.se farta ! a 10 de Fevereiro de 2015 às 16:40
Terá sido obra do Opus Macedo?


«As ações da Gilead Sciences, empresa de biotecnologia que fabrica o medicamento mais eficaz contra a hepatite C (Sofosvubir) caíram mais de 10% na passada quarta-feira, apesar de os resultados financeiros divulgados terem excedido as expectativas dos analistas.
A razão do mau comportamento dos títulos foi a divulgação de que a empresa vai fazer uma forte redução no preço de venda do Sovaldi, nome comercial do Sofosbuvir.

A empresa, baseada na Califórnia, assumiu num comunicado que vai fazer já este ano nos Estados Unidos "um grande ajustamento" no preço dos medicamentos Harvoni e Sovaldi, ambos contra a hepatite C, que vão custar menos 46%.
Os analistas esperavam um desconto de no máximo 30%.
A previsão de margens de lucro mais estreitas causou o mau comportamento das ações, apesar da expectativa da Gilead ser de, só este ano, tratar mais de 250 mil pacientes com hepatite C.» [Expresso]


Comentar post