Menos Estado, pior sociedade

 Não é tão disparatado quanto isso    (-por josé simões, DerTerrorist) 

 

Antes era assim (gangs, intolerância, crime organizado, ... - porque o Estado sob desgoverno neoliberal se demitiu das suas funções). Não foi porque lhe apeteceu que Romain Gravas filmou assim o clip dos Justice. Antes era assim. Depois vieram os muçulmanos e com eles veio o Islão e ofereceram segurança às pessoas nas ruas. Onde o Estado se tinha demitido. Também acontece em Inglaterra, em Birmingham e nalgumas zonas de Londres, por exemplo. Onde o Estado se demitiu. O mais curioso é que alguns dos que "entram no clip dos Justice" patrulham agora as ruas, em milícias em defesa da segurança pública, com a guarda de Alá.   Porque o Estado se demitiu e não cuidou dos seus cidadãos. Depois de 1789. Aqui o Estado também se demite mas de uma forma mais simpática. É desmantelado em favor  (das privatizações, das 'reformas estruturais' e da Adm.Pública, da austeridade, ... e) da conversa da treta da implantação no terreno e da proximidade com as pessoas das IPSS, controladas pela Igreja Católica. Deus também é grande. Aqui. Onde o Estado se demite.



Publicado por Xa2 às 07:41 de 16.01.15 | link do post | comentar |

6 comentários:
De a Direita, o Fisco e as Famílias. a 16 de Janeiro de 2015 às 18:37
Um Robin dos Bosques ao contrário: a direita, o fisco e as famílias

«Se há coisa que esta reforma fiscal garante é que um filho de um rico vale mais do que o filho de um pobre. Olhemos para a política de natalidade desta maioria, que começou em 2011. É a emigração, o aumento do desemprego, o corte dos salários, o aumento do horário de trabalho, o corte dos feriados, a diminuição dos direitos laborais, a dificuldade do acesso à saúde, a degradação do acesso à educação... Tudo isto, senhora deputada, afecta as famílias portuguesas.
(...) O CDS e o PSD degradaram objectivamente a vida das famílias portuguesas nestes três anos e não é com pequenas migalhas, que são sobretudo para as famílias de mais altos rendimentos, que vão corrigir o mal que fizeram. (...) O que é que o CDS diz às mais de 30 mil famílias que perderam acesso ao Rendimento Social de Inserção? O que é que o CDS diz às mais de 40 mil crianças que perderam o acesso ao RSI? (...) Diz que vai continuar a piorar a vida dessas famílias. Porque neste orçamento dizem que vão cortar mais 100 milhões de euros em prestações sociais, que vão afectar sobretudo crianças e famílias.
(...) Quando nós olhamos para o IRS, senhora deputada, há mais de 50% de portugueses que não pagam IRS. E portanto uma política de natalidade centrada no IRS logo à cabeça exclui 50% das famílias. E dos 50% dos portugueses que pagam IRS, o que o CDS lhe tem a dizer é: nós apoiaremos tanto mais quanto mais dinheiro tiverem.»

Da intervenção de João Galamba na Assembleia da República, na quarta-feira passada, em resposta à declaração política do CDS/PP sobre a reforma do IRS e o apoio à família (via Câmara Corporativa).

(-por Nuno Serra, 16/1/2015, Ladrões de B.)


De Aforro e Estado vs bancos privados a 20 de Janeiro de 2015 às 14:38
Pão partido aos pequeninos ou os Certificados de Aforro, o Estado e a Banca

(15/1/2015,https://oeconomistaport.wordpress.com/2015/01/15/pao-partido-aos-pequeninos-ou-o-as-nossas-poupancas-o-estado-e-a-banca/ )

Como os juros descem, um membro do governo da área das Finanças anunciou que o Estado desceria o juro dos Certificados de Aforro.
Com mais ou menos atraso, foi o que sempre aconteceu: os juros desse instrumento acompanham os juros do mercado comparável.
Só descerão os juros dos novos certificados, e por isso estamos perante um ótimo de Pareto (ninguém perde) e por isso causava dó (ou provocava gargalhadas loucas) uma entrevista a um membro do governo comparando essa descida de juros a um despedimento em massa.

Perante a notícia da baixa de juros do Estado-Banco, o Engº Faria de Oliveira apareceu em nome dos bancos a implorar que o Estado não os concorrenciasse mais na obtenção de poupanças:
como os juros descem, a banca também descerá os seus.
Porque o Governo não diz para que juro descerá os ditos certificados e por isso parece querer algo da banca ou concorrer com ela.

Para transformar a cena num quadro de Salvador Dali, o dito membro do governo achou por bem teorizar sobre a credibilidade financeira dos Estados:
«Também é importante do ponto de vista do Estado, enquanto emitente, poder referir que tem capacidade de captação junto do mercado doméstico. Os investidores estrangeiros valorizam isso».

Já chegámos à finança burkinaBé. Esta teoria burkinabense dispensa o Estado português de conceber e aplicar (implementar, em português vagamente contemporâneo)
um instrumento de poupança financeira a longo prazo para o pequeno aforrador que , sem concorrenciar a banca comercial que financia a dívida pública, aumentasse e segurasse a poupança nacional.
É que este instrumento exigia matemática que os nossos financeiros públicos, treinados no privado, não dominam – e talvez nem saibam que existe.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO