O aviso do Banco de Portugal

Imaginemos que os salários na Administração Pública são repostos, gradualmente, até 2019. Imaginemos o mesmo para as pensões de reforma acima de mil euros. Imaginemos que não há despedimentos de funcionários públicos. Imaginemos que as prestações sociais, as despesas com Saúde e as despesas de consumo do Estado vão subindo apenas ao ritmo da economia real e da inflação. Imaginemos que não se mexe mais nos impostos. Imaginemos que a economia cresce entre 1,5% e 2% em termos reais - e que vamos pagando a dívida com dinheiro que levantamos nos mercados. Este cenário não é propriamente um sonho. É verdade que não tem "austeridade nova". Mas mantém a velha. Implica a manutenção de cortes (se o Tribunal Constitucional deixar), embora gradualmente mais pequenos, nas pensões e nos salários. Significa a manutenção de uma carga fiscal muito alta, do IVA ao IRS.  
 
Representa a cristalização de tudo o que foi feito até aqui na Saúde e nas prestações sociais. É, no geral, um cenário pior do que qualquer coisa que o PS, por exemplo, esteja disposto a assumir publicamente. No entanto, o mesmo cenário significaria o incumprimento grosseiro dos compromissos orçamentais assumidos por Portugal na Europa. O Banco de Portugal fez as contas e apresentou-as na semana passada: seria preciso juntar medidas no valor de 6,7 mil milhões de euros (4% do PIB) para o país chegar a 2019 com um défice estrutural de 0,5% do PIB, como define o tratado orçamental europeu. É metade do enorme esforço aplicado nos últimos três anos. Mais do que cobrir a recta final da presente legislatura, o horizonte de análise do Banco de Portugal abrange a totalidade da próxima. Por outras palavras: esta é uma medida indicativa da restrição que, com a informação que temos hoje, o próximo Governo terá que cumprir. Para a administração do Banco de Portugal, liderada por Carlos Costa, o exercício destina-se precisamente a ilustrar com números aquilo para que muitos alertam com palavras: os próximos anos serão de forte aperto orçamental. O interesse que trabalhos destes têm para a política portuguesa é filtrar os debates estéreis sobre o lugar de Portugal na zona euro. Nada como citar do texto publicado pelo banco central, na parte em que é um recado directo a partidos e instituições: "O reconhecimento por parte dos agentes políticos e sociais dessa mesma restrição é fundamental para que o debate sobre opções de política se situe no terreno do realizável e seja, por isso, um debate consequente." Trocado por miúdos: ninguém em Portugal está em condições de prometer uma inversão significativa de caminho. Mais útil seria travar o debate político em dois planos: quais são as melhores opções políticas dentro desta restrição e quais são os pontos que queremos negociar na Europa (e como) para ampliar a restrição, torná-la menos apertada. Tudo o resto é, essencialmente, conversa - e desilusão potencial mais à frente, para quem ainda se consiga iludir.

[Fonte: Diário Económico de 16/6/2014]

 



Publicado por [FV] às 12:40 de 03.07.14 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Neoliberais e alienados sabujos... a 3 de Julho de 2014 às 18:40
Do liberal ao liberal estalinista

(ou do Capataz / fantoche do capitalismo selvagem apoiado por neoliberais e alienados ! )

(-por oJumento, 3/7/2014)

Se pudesse vasculhar a minha memória como se fosse o Google e procurasse por “investimento estrangeiro” a primeira referência seria à desistência da Nissan de instalar uma fábrica de baterias em Portugal. Se procurasse por criação de emprego a primeira referência diria respeito à redução dos salários. Se procurasse por crescimento económico iria parar à humilhação infligida por Vítor Gaspar ao então ministro da Economia Álvaro Santos Pereira, quando este propôs medidas para o crescimento e teve como resposta “não há dinheiro” e ao insistir ouvi Gaspar perguntar-lhe “qual das três palavras não percebeu?”.


Passos Coelho acreditava que depois de uma poda rigorosa da economia portuguesa nem seria necessário adubar a árvore porque nasceriam viçosos rebentos por todo o lado. Os patos-bravos da construção passariam a construtores de automóveis e os donos de restaurantes falidos ressurgiriam como startups na indústria electrónica. Os crescimento era uma consequência de uma economia com um Estado reduzido e com rigor orçamental e não o resultado de qualquer veleidade económica.



O Gaspar fugiu, o sôr Álvaro saiu humilhado pelas portas traseiras, para o lugar do idolatrado professor bastou uma licenciada da Lusíada e o Álvaro foi substituído na Horta Seca por uma santinha milagreira que em pouco tempo fez mais milagres do que a santinha da Ladeira. O país passou a ser um caso de sucesso, a santinha anunciava o milagre da exportação e do crescimento e até o Lambretas já anda armado em santinha e anuncia o milagre da descida do desemprego sem criação de empregos ou a redução dos carenciados apesar da multiplicação da miséria.



Agora, Passos Coelho revela-se um ultraliberal de influência estalinista, o liberal proibia a palavra crescimento e excomungava quem propusesse medidas que o visassem, agora decide que é o momento de crescer como se o crescimento fosse um comboio com hora para a partida e ele fosse o chefe da estação. Dantes bastava a desvalorização fiscal dos trabalho para que a economia crescesse, agora quer um acordo nacional para a criação de emprego, como uma missa presidida por Cavaco e com sacristões como Passos e Seguro seja o melhor princípio para uma procissão destinada a pedir emprego a Deus.



O mesmo Gaspar que fala na diferente qualidade das medidas orçamentais esquece que o crescimento não se mede apenas em taxas, também se pode questionar a sua qualidade. Um crescimento resultante da exportação de produtos refinados ou de produtos de baixo valor acrescentado e usando matérias primas importadas não só cria pouco emprego como gera poucos excedentes capazes de sustentar o investimento.



Passos Coelho começou por acreditar em Gaspar e desprezou o investimento e destruiu sectores que suportavam o tecido social, o resultado foi o desemprego e a fuga de projectos como o da Nissan. Depois acreditou na santinha da Horta Seca e começou a inventar milagres. Agora que as eleições se aproximam e receia a queda tenta convencer que o combate ao desemprego que ele provocou depende de um dos tais compromissos de que o ti Cavaco tanto fala.



Enquanto acreditou em Gaspar o líder do PSD foi um militante do ultra liberalismo, agora que as eleições se aproximam e “está à rasca” revela-se um estalinista, ele que mandou parar o crescimento decide agora que o crescimento deve retomar a marcha. Passos Coelho acha que a economia portuguesa é um comboio daqueles que lhe terão oferecido no natal quando era gaiato. Só que já está demasiado crescidinho e ao dar ordens de marcha à economia mais parece o velho Estaline a brincar na sua dacha com uma miniatura do Expresso do Oriente.


De Bocage a 3 de Julho de 2014 às 16:42
Isto não impediu que na AR os nossos queridos deputados tenham votado, sem quaisquer votos contra nem abstenções, um aumento nos seus vencimentos para o corrente ano de 2014 (cerca de 5%, passando dos cerca de 9.803,00€ para os 10.293€) e ainda aprovaram uma subvenção de 18.261,459€ para propaganda eleitoral...
ou como diria Du Bocage:
"A vida é filha da puta
A puta, é filha da vida
Nunca vi tanto filho da puta
Na puta da minha vida"
Amen.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO