O PAPA DA VERDADE

Por:Daniel Oliveira, no Expresso de 26/12/2014

Pensar-se imortal e imune à crítica foi a primeira das 15 doenças que o Papa Francisco enumerou num discurso que ficará seguramente na história da Igreja Católica. O excesso de atividade sem reflexão, outra. A petrificação moral e emocional, que transforma os homens em meros burocratas que tudo planificam para se sentirem confortáveis longe dos riscos da liberdade. A descoordenação e a separação entre "capelinhas". Aquilo a que chamou de "Alzheimer espiritual" de quem perde progressivamente as suas capacidades e fica cada vez mais dependente das suas próprias paixões, caprichos e circunstâncias. A vã-glória, tão evidente na opulência que se vivia naquela sala ou nos jogos de poder do Vaticano. A hipocrisia que permite uma esquizofrenia existencial. A má-língua e os boatos a que se dedicam os conspiradores, o endeusamento do chefe a que se dedicam os carreiristas. A indiferença perante o sofrimento dos outros. Ou a falsa severidade, tão castigadora e presente na Igreja Católica, que não compreende a generosidade do otimismo e do humor. O egoísmo e a vontade de acumular bens materiais, títulos, honrarias. A tendência para viver em círculos fechados. O exibicionismo, sempre associado ao exercício do poder.
Nada do que o Papa disse à Cúria é característica especialmente presente na Igreja Católica. As 15 doenças que apontou são 15 doenças do poder. A megalomania, a insensibilidade, o funcionalismo, a vaidade, o carreirismo, a pequenez, a falsidade, o egoísmo... Nada disto são "pecados" especialmente presentes nos ministros de fé que estavam à sua frente. Na realidade, para ser honesto, não são defeitos do poder. São algumas das coisas que definem a natureza humana.
O que teve então de tão importante o discurso do Papa Francisco perante os burocratas do Vaticano, que se agarram às honrarias do seu poder, tão transitório como as suas vidas? Ele disse-o falando daquelas pessoas e dele próprio. Na realidade, não disse mais do que dizem diariamente todos os padres, bispos, cardeais e homens de fé: que eles próprios são pecadores. Só que desta vez, falando de pecados concretos bem visíveis na Cúria, estava a falar a sério. Não se tratava apenas de um burocrático pedido de perdão sem sentido. E é curioso como a verdade do que disse, que cada um daqueles cardeais há de ter repetido vezes sem conta, maquinalmente, já sem querer dizer nada, por ter querido dizer qualquer coisa causou tão evidente incómodo.
O que o Papa Francisco tem de extraordinário não é o seu talento mediático. É a forma sofisticada como usa, no espaço público, as verdades mais simples.
Como já lhes incomodara ver, há uns dias, o Papa pedir a bênção ao excomungado patriarca ortodoxo. Como os incomodou a sua tolerância para com todos os excluídos, sejam divorciados ou homossexuais. Mais excluídos da igreja do que de muitas sociedades que parecem compreender melhor a compaixão do que os padres que a apregoam. Como os deixa desconcertado o seu sentido de humor, que o torna banal e o faz descer do trono. Coisa reservada a quem pode ir buscar autoridade ao seu exemplo.
O Papa Francisco, modelo moral e político para um ateu como eu, não disse nada sobre os homens da Cúria que não pudesse ser dito sobre quaisquer outros homens em qualquer outro lugar. O incómodo constrangido da plateia e o animado espanto do mundo apenas nos mostram como, na sua igreja, há tantos que não percebem os sermões que maquinalmente repetem. E como, apesar de tudo o que dizem, acreditam viver acima do bem e do mal.
O que o Papa Francisco tem de extraordinário não é o seu talento mediático. Essa era a arma de João Paulo II. Não é a sua sofisticação intelectual. Essa era a arma de Bento XVI. É a forma sofisticada como usa, no espaço público, as verdades mais simples. É a forma como está a despir a Igreja que dirige, sem no entanto se socorrer do ódio ou do rancor destruidores. Reduzindo cada um daqueles velhos à sua (à nossa, à dele) insignificância mortalidade. Retirando a pompa a tudo o que diz. Este Papa propõe uma bondosa derrota ao conservadorismo religioso. Não é por causa dos "costumes" ou até por alguns gestos a bem do ecumenismo. Nem sequer é por causa das coisas que diz sobre o mundo e o papel que tem para construir soluções. Quer os católicos mais concentrados na coerência da sua fé do que nas exibições de poder do Vaticano. Parece óbvio mas é absolutamente revolucionário.

Nota:
- Coloco hoje este texto que li no final do ano passado a propósito de uma «romaria» que os habitantes da Covilhã decidiram fazer a Évora...
Não serão todos certamente, mas a notícia deixa-me socialmente preocupado. Espero que um «conhecido» meu que anda à anos a afirmar que "pior que os nossos governantes é o nosso povo", não tenha razão. São este os meus sinceros votos para 2015.



Publicado por [FV] às 18:52 de 04.01.15 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Melhorar e Responsabilizar Escolhas a 6 de Janeiro de 2015 às 10:02
O excesso de atividade sem reflexão, outra.
A petrificação moral e emocional, que transforma os homens em meros burocratas que tudo planificam para se sentirem confortáveis longe dos riscos da liberdade.
A descoordenação e a separação entre "capelinhas". ...
A vã-glória, tão evidente na opulência que se vivia naquela sala ou nos jogos de poder ... .
A hipocrisia que permite uma esquizofrenia existencial.
A má-língua e os boatos a que se dedicam os conspiradores, o endeusamento do chefe a que se dedicam os carreiristas.
A indiferença perante o sofrimento dos outros. ...
O egoísmo e a vontade de acumular bens materiais, títulos, honrarias.
A tendência para viver em círculos fechados.
O exibicionismo, sempre associado ao exercício do poder.
... 15 doenças do poder (e da 'natureza humana'):
A megalomania, a insensibilidade, o funcionalismo, a vaidade, o carreirismo, a pequenez, a falsidade, o egoísmo...
... e há tantos que não percebem os sermões que maquinalmente repetem.
E como, apesar de tudo o que dizem, acreditam viver acima do bem e do mal.
...
... afirmar que "pior que os nossos governantes é o nosso povo", ... não é bem assim mas aproxima-se:

-----: Melhorar a Cidadania e Responsabilizar as Escolhas Políticas -----

- o povo 'ESCOLHE' os seus governantes, logo é (co-)responsável pelas (más) escolhas e pelas não-escolhas, pela desresponsabilização de eleitores e eleitos, e pela persistência no erro dessas escolhas;
- porém, o povo 'escolhe' sob CONDICIONalismo .. da 'oferta' de candidatos/listas/partidos,
.. sob (sobre)exposição mediática e propagandística,
.. sob MANIPULAÇÃO (actualmente menos prática do que) intelectual/ educacional/ política ou sua falta - FALTA essa que foi/é consentida e promovida pelo/s poder/es económico-políticos que nos regem há décadas e séculos (de atraso).
.. Mas +de 40 anos em democracia e com acesso a leituras, reuniões e contactos diversos ... obriga a que não se possa desculpar/ não se admita desresponsabilizar também e muito o próprio povo/eleitores deste país e estado.

Zé T.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO