2 comentários:
De coisas sérias a 3 de Outubro de 2016 às 12:17
19 de agosto de 2016, http://barbearialnt.blogspot.pt/

--- Coisas sérias ("sérias")

Agora falando de coisas sérias. Coisas sérias, percebem, não de umas insignificâncias como
. pôr 19 gandulos à manjedoura da Caixa Geral de Depósitos, ou dos quatro mil milhões que a CGD precisa para recuperar dos gandulos que de lá saíram,
. ou de outras irrelevâncias como a de admitir que os não eleitos burocratas europeus se metam neste assunto e mandem estudar os candidatos ao acesso ao pote,
. ou do espiolhar das contas bancárias de quem ainda faz a asneira de depositar dinheiro nos bancos portugueses,
ou do rasgar da Concordata sem negociar primeiro novo acordo com a Santa Sé, como fez Salgado Zenha com o divórcio num tempo em que ainda havia políticos com vergonha na cara.
...
...


De sapo a 31 de Agosto de 2016 às 23:03
O contribuinte têm de ter acesso à lista de caloteiros da CGD... e de quem concedeu tais créditos!!!
.
.
Uma opinião um tanto ou quanto semelhante à minha:
Banalidades - jornal Correio da Manhã (antes da privatização da transportadora aérea):
- o presidente da TAP disse: "caímos numa situação que é o acompanhar do dia a dia da operação e reportar qualquer coisinha que aconteça".
- comentário do Banalidades: "é pena que, por exemplo, não tenha acontecido o mesmo no BES".
.
.
.
EXPLICANDO MELHOR:
- Já chega do discurso: mudar as 'moscas' para que tudo fique na mesma!
- Há que trabalhar na prevenção!!!... Leia-se: MAIS CAPACIDADE NEGOCIAL para o contribuinte/consumidor!
.
--» Um político não se pode limitar a apresentar ideias de governação... TEM TAMBÉM DE PASSAR INFORMAÇÃO de forma a que o contribuinte/consumidor esteja dotado de um elevado poder negocial.
.
Ora, de facto, a democracia é uma forma de dotar o contribuinte/consumidor de algum poder negocial...mas, todavia, no entanto... esse poder negocial deverá ser aprofundado (ver Exemplos I e II).
.
.
.
Exemplo I:
O CONTRIBUINTE TEM QUE SE DAR AO TRABALHO!!!
---»»» Democracia Semi-Directa «««---
-» Isto é, votar em políticos não é (não pode ser) passar um cheque em branco... isto é, ou seja, os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a ‘coisa’ terá que passar pelo crivo de quem paga (vulgo contribuinte).
-» Explicando melhor: em vez de ficar à espera que apareça um político/governo 'resolve tudo e mais alguma coisa'... o contribuinte deve, isso sim, é reivindicar que os políticos apresentem as suas mais variadas ideias de governação caso a caso, situação a situação, (e respectivas consequências)... de forma a que... possa existir o DIREITO AO VETO de quem paga!
[ver blog « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ »]
.
EXEMPLO II:
CONCORRÊNCIA A SÉRIO!!!
Não há necessidade do Estado possuir negócios do tipo cafés (etc), porque é fácil a um privado quebrar uma cartelização... agora, em produtos de primeira necessidade (sectores estratégicos) - que implicam um investimento inicial de muitos milhões - só a concorrência de empresas públicas é que permitirá COMBATER EFICAZMENTE A CARTELIZAÇÃO privada.
[ver blog « http://concorrenciaaserio.blogspot.pt/ »]
.
.
.
P.S.
Mestres/elite em economia têm enfiado patifaria atrás de patifaria ao contribuinte:
- nacionalização do BPN, nacionalização do NOVO BANCO, nacionalização e venda do BANIF, capitalização da Caixa Geral de Depósitos, etc, etc, etc.
Ora, por muitos mestres/elite em economia que existam por aí... quem paga (vulgo contribuinte) não pode deixar de ter uma palavra a dizer! Isto é, que paga não pode abdicar do seu legítimo Direito de defender-se!


Comentar post