Patriotas, nacionalismo, propaganda e interesses sem fronteiras

     Os   patriotas        (-por L.J., ANaturezaDoMal, 12/1/2014)

 . Diane Arbus chamou-lhes Patriots. E eles trazem na lapela  o distintivo do Thanksgiving ou do 4th july e nas mãos o pavilhão das estrelas e das riscas. Não parecem muito dotados, mas a distribuição dos dons é provavelmente semelhante entre os patriotas e os não patriotas.  Devia dizer “menos patriotas”.
    A ideia de patriotismo é tão forte, tão consensual, que é difícil encontrar alguém que dela se exclua.  Os marxistas antigos eram internacionalistas pois, para eles, o colectivo que transportava a superioridade moral era a classe operária. Mas o PCP, mesmo nos tempos da iluminação soviética, sempre teve o cuidado, algumas vezes obsessivo, de reclamar as suas propostas como patrióticas.
    O nacionalismo é a ideologia que declara a nação como a unidade politica “natural”.  (Já estou a ficar farto de tantas aspas, mas isto é matéria para pinças)   Historicamente floresceu com o iluminismo e o romantismo (séc.XIX), paradoxalmente contra a anexação das guerras napoleónicas (finais do séc.XVIII) e depois nos territórios (ou colónias) do Império austro-húngaro reconstruído. 
    Deu origem aos estados-nação com a bandeira , o hino, a língua nacional, o panteão, o dia da nação, as Ordens honoríficas e mais tarde a selecção nacional de futebol. No século XX, a ideologia nacionalista foi aproveitada pelas ditaduras de extermínio.  Esteve na origem das guerras mais letais da história e permitiu o recrutamento dos jovens para uma morte colectiva e programada.
     Na Europa actual, aparentemente sem fronteiras, o Estado-nação, com homogeneidade de história, tradições culturais, língua, não existe.* Mas os demagogos e os políticos ambiciosos estão sempre a aproveitar uma vulgata simplificada da” história da nação” para unificar os interesses diferentes das populações, enquanto prosseguem, silenciosos e opacos, politicas económicas transnacionais.
     O patriotismo e o nacionalismo fazem continuamente apelo a ideias irracionais e contêm subjacente uma ideia falsa : a de que existe, na entidade politica nacional apenas uma história, uma cultura, uma religião, uma língua, uma raça. E atrás dessa ideia falsa, uma ideia mortífera: a nossa é a melhor.
     Danilo Pabe, um rapaz que cresceu na Jugoslávia em decomposição sangrenta e se exilou em Inglaterra, foi recebido como um respeitável foreigner e hoje, 20 anos depois, é um fucking Eastern European immigrant, o que mostra a persistência das ideias xenófobas e racistas, mesmo quando cobertas pelo banho de chocolate da “cultura da tolerância”.
     Eu não sou patriota nem nacionalista nem faço distinções subtis, embora saiba que existam. Interessa-me mais insistir na multiplicidade de culturas, línguas, referências culturais e históricas, religiões, existentes no mesmo território. Como de formas de relacionamento amoroso e de famílias, mas isso, como diria Danilo Pabe, é outra história.   Se alguma vez me virem trair esta declaração, fotografem, por favor, ponham-me na mão uma bandeira e debaixo da foto uma palavra simples, que de algum modo lembre a Diane Arbus.   --La hija del Este, Clara Usón, Seix Barral 2012
 
-----xxx-----
 
          * Sobre  «estado-nação portuguesa de  8 séculos...» :
   1- Portugal tem 3  línguas oficiais: português (galaico-português), mirandês, gestual portuguesa; 
   2- No período medieval/senhorial... não havia «estado» (Luís XIV? dizia: 'o estado sou eu') ou havia vários: clero, nobreza, povo/burgueses; as bandeiras eram as dos soberanos (não dos países/povos); os territórios/países eram propriedade 'privada do soberano' e  espacialmente descontínuos, ... - o estado português actual abrange a organização, serviços, bens e direitos da "Res Pública" em todo o território (e até fora dele, mas também cede 'partes' a outros estados e organizações transnacionais).
   3- Também em Portugal co-existiam várias «nações» :  sem 'nação' distinta (portugueses em geral), «nação judaica ou hebraica» (com autoridades e justiça própria), 'nação ladina' (mescla de 'português', árabe/mouro e judeu - depois 'cristão-novos', os "de sangue infecto", também com 'foro' e direitos diferentes), os forasteiros residentes, os escravos, ... - e para diversas situações os 'portugueses' faziam/fizeram parte da 'nação' ou 'língua' galega, leonesa, castelhana, ibérica, hispania, ...   Agora, em vez de "nações", em Portugal co-existem "comunidades", "cidadanias" e diversos direitos (português, europeu/U.E., internacional), sendo a "nação portuguesa" formada pelos que têm a cidadania portuguesa (de nascimento ou adquirida depois), o conjunto da sociedade ou "res pública" portuguesa.
  4- Actualmente, com fronteiras diluídas, somos cidadãos da U.E., com muitos falantes de inglês (como 2ª), com maioria de bens e programas culturais importados/forasteiros (principalmente anglo-saxónicos, até à década de 1970 éramos mais francófonos), e temos o 2º maior aglomerado português situado em Paris, ...
   5- Fenómeno interessante:   em Portugal somos fortemente críticos (e maldizentes) de tudo o que é português/nacional (com fortes razões nalguns casos...), não ligamos 'nada' à bandeira ou ao hino (excepto nos mundiais, confrontados com equipas de outros países), ... mas, no estrangeiro (especialmente na situação de migrantes), estes e outros elementos culturais dizem-nos muito, mexem com o nosso sentimento, devido às saudades, ao afastamento de parentes, amigos, língua, gastronomia, cultura em que crescemos/vivemos ... - aí, 'tudo perdoamos' aos da terrinha e dificilmente admitimos críticas vindos de outros 'nacionais'.     Isto acontece também com outros povos, principalmente entre os latinos, e especialmente entre aqueles mais mal tratados pelos seus (des)governantes ... que os empurraram para o desterro/emigração e os 'condicionaram' ou impediram de ser cidadãos de pleno direito.
 
      Declaração de interesses:
A minha Língua (...) é a minha mátria; Não gosto dos usos/abusos de Nação e de Pátria, prefiro Mátria e desejo Frátria no planeta Terra.  Ou, como dizia o honorável helénico clássico:  "não sou ateniense nem grego, mas cidadão do mundo".


Publicado por Xa2 às 07:37 de 16.01.14 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Pangloss... 2014 - a coisa está mal a 14 de Janeiro de 2014 às 18:12
PANGLOSS EM LISBOA, 2014

Todas as vezes que começo estes artigos, a minha certeza é: “Lá vou outra vez escrever o mesmo”. Olho à volta e vejo mil e uma coisas mais interessantes para escrever. Por exemplo, sobre o Candide, de Voltaire, que estou a ler agora com outros olhos.

Mas a coisa está tão mal,
que mesmo com o aviso do meu Grilo Falante para deixar o presente e falar de passarinhos e nuvenzinhas e de como é belo o nosso Portugal, eu volto ao mesmo.
O país está a “dar a volta”, e eu “perturbado” “zangado”, “ressabiado”, “ignorado”, “velho”, ou “infantil” conforme a idade do autor da classificação, não vejo os excelsos “sinais da retoma” e o êxito à vista do “fim do resgate”.

E, por isso mesmo, Cândido e o seu jardim e Pangloss e a sua métaphysico-théologo-cosmolonigologie acabam a desembocar nestes
miseráveis dias de hoje, onde as pessoas de bem não podem deixar de ficar zangadas com o exercício impante de hipocrisia que por aí passa nos discursos oficiais, nos comentários oficiais, no mundo político-mediático cheio de “responsabilidade” e “inevitabilidade” e vazio.
Nuns casos, só vazio, noutros, vazio interessado e interesseiro.
É, Pangloss estaria bem nos dias de hoje, contando-nos a “narrativa” “positiva”, “optimista”, “aberta para o futuro”, “cheia de esperança nas virtudes excepcionais do povo português”, da actual situação nacional.

Ouvindo Pangloss, ouço-os a eles:
de como vivemos no melhor dos mundos possíveis, com os “sinais positivos da economia” em cada esquina,
com o fim do resgate a prazo, e a reconquista “plena” da “nossa soberania”, com o estrangeiro, até há pouco tempo perverso e desconfiado com os PIGS, agora cheio de admiração pelas virtudes do “ajustamento” português, com o “admirável esforço dos portugueses” e a capacidade excepcional das suas empresas “para dar a volta”.
Ou seja, estamos mesmo no “fim do caminho”, a “dar a volta”. Mas a “dar a volta” a quê? “Dar a volta para onde? “Dar a volta” para quem?

É por isso que não vejo muita diferença entre o que diz Portas, Passos Coelho, e Cavaco Silva e é repetido pela voz do poder.
Acresce que o PS de Seguro não conta como oposição.
Mesmo a esquerda, ao comportar-se reactivamente como um reverso do espelho do poder, não faz outra coisa senão reforçar o discurso dominante, aceitando falar a partir dele, a partir do seu quadro interpretativo, a partir da sua forma mental.
O enorme deserto do pensamento dos nossos dias vive dessa dualidade em que os temas, os modos e os tempos são definidos pelo poder e “recusados” pela oposição, dentro da mesma linguagem e aceitando muitas vezes os mesmos limites.

O discurso do poder hoje assenta num rito de passagem. Estamos em 2014, o nosso ano da “libertação do resgate”, o nosso 1640, o ano em que a troika se vai embora.
Este é o tempo, que culmina com um rito de passagem, porque o momento lustral de recuperação da “soberania” tem data.
Por isso, acentua-se o momento da “passagem”, para festejar um resultado e anunciar uma nova aurora.
É tudo ficção, porque não há nenhuma mudança substancial a ocorrer em Maio de 2014, vamos continuar presos àquilo a que já estamos presos, seja pela troika, seja pelo direito de veto de Bruxelas aos Orçamentos, seja pelo Pacto Orçamental, mas é uma ficção útil, instrumental. Festejemos.

Para que é que serve este tempo até Maio?
Para nos dizer que até lá temos que aceitar tudo, em particular esse Orçamento e as suas sucessivas revisões, cujo conteúdo miraculosamente não entra no discurso oficial, a não ser como o “instrumento necessário” para o fim do resgate, ou seja, uma coisa neutra e menor.
Discute-se e fala-se muito de uma coisa etérea, os “sinais da retoma”, e quase nada sobre uma coisa dura e sólida, o Orçamento que aumenta e muito a austeridade para 2014.
Quando vejo alguém centrar o seu discurso nos “sinais da retoma” já sei ao que vem, e já sei aquilo de que não vai falar.

A natureza do Orçamento e o que ele nos diz sobre o que se passou nestes últimos dois anos e o que se vai passar neste ano de 2014 e no futuro são deixados em silêncio.
E silêncio porque não encaixa no tom congratulatório que tão útil vai ser para as eleições europeias e as legislativas.
Aliás, o silêncio sobre as motivações eleitorais ...


De Pangloss ... até e depois de Maio 2014. a 14 de Janeiro de 2014 às 18:21
PANGLOSS EM LISBOA, 2014
...
...
... Aliás, o silêncio sobre as motivações eleitorais que já estão presentes na política do Governo é uma das grandes debilidades da análise presa ao discurso do poder.
Passos e Portas e, de modo diferente, Cavaco pensam e muito nas eleições de 2014 e 2015, primeiro para as desvalorizar e assegurar que vão ser inócuas quanto ao “ajustamento”, ou seja,
não servem para mudar políticas, depois para favorecer os partidos mais fiáveis para esse objectivo, o PSD e o CDS, e o PS de arreata.
O discurso sobre o “compromisso” tem igualmente o objectivo de levar o PS a coonestar a interpretação governamental e presidencial do “ajustamento” e torná-lo inócuo como factor de mudança em eleições.

Depois de Maio, o discurso vai mudar.
Vai-nos ser explicado, a todo o momento, “que a austeridade” não pode acabar”.
Findos os festejos, ver-se-á se há ou não plano cautelar.
A inexistência de uma discussão séria sobre um possível plano cautelar, cujo conteúdo se ignora, é um bom exemplo de como não há verdadeiro debate democrático no nosso espaço público.
Se o plano cautelar for para um ano, como disse Passos Coelho, ele terá a natureza de uma continuidade da presença da troika por outra forma, e atirará para quem governar em 2015 decisões que este Governo pretende cuidadosamente evitar em ano eleitoral.
Se for a mais longo prazo, disfarçado ou às claras, há que exigir que vá a votos, coisa de que ninguém fala ou quer e percebe-se porquê.

Depois, tudo o que não encaixa neste tempo e nesta “narrativa” ou é meramente enunciado por obrigação, ou não tem papel na interpretação.
Aqui Portas, Coelho e Cavaco falam do mesmo modo.
Diz-se umas coisas sobre o sofrimento social, mas apresenta-se como um dano colateral inevitável.
Acima de tudo, não pode servir como elemento de uma política, apenas como constatação de um efeito.
O verdadeiro sujeito do discurso são sempre “as empresas”.

Os “mais pobres” são protegidos pela assistência do Estado e pela caridade, como argumento para atacar os rendimentos dos que não são tão pobres, aqueles que “ainda têm alguma coisa”, que
, esses sim, são os alvos da política governamental, no assalto àquilo a que se chamava “classe média”.

Claro que não se diz aos mais pobres dos pobres, cujo papel retórico é importante na legitimação da política governamental, que assim fica garantido que nunca mais sairão dessa pobreza.
E fica também garantido que muitos outros se lhes juntarão.

O reverso deste discurso é a propaganda, em que muitos órgãos de comunicação participam, por folclore da “novidade” e ignorância,
dos “sucessos empresariais” dos que “dão a volta”, e fazem compotas em casa ou móveis com lixo, ou vão fazer agricultura biológica.
Para além de nunca se voltar mais tarde, nem que seja um ano depois, para ver o “sucesso” dessas microempresas,
não se diz que pura e simplesmente, mesmo que algumas tenham sucesso, são uma gota de água na desgraça geral e acima de tudo que
não são o caminho alternativo às fábricas que fecham ou aos milhares de funcionários públicos que vão para a rua,
nem ao desemprego eufemisticamente designado como “de longa duração”.

Em “colóquios” e “congressos”, em mensagens televisivas, e nos repetidores habituais, este é o discurso do poder para 2014.
Nada de importante é enunciado, muito menos discutido, ou vai a votos, tudo está pactuado dentro do círculo do poder estabelecido.
E nós somos apenas paisagem.
Na verdade, diria Pangloss, “está demonstrado que as coisas não podiam ser de outra maneira”. “Tudo foi feito para um objectivo”:
“os narizes foram feitos para segurar os óculos, e por isso temos óculos”, “as pedras foram formadas para serem talhadas e para fazer castelos, e por isso Monsenhor tem um belo castelo”, e os “porcos foram feitos para serem comidos”, por consequência, “aqueles que dizem que tudo está bem dizem uma asneira, é preciso dizer que tudo está ainda melhor do que eles imaginam”.

Vou ver se consigo para a semana falar de outra coisa. “Cela est bien dit, mais il faut cultiver notre jardin.” Pangloss não me ajuda.

--- JPachecoPereira, 13/1/2014, Abrupto


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO