Precisamos de «PODEMOS» e actuar +, em Portugal e na U.E.

PODEMOS, pois claro !   Tomar partido aqui e agora.

    No próximo fim de semana tem lugar a Assembleia Cidadã do “Juntos PODEMOS”. Essa assembleia encerra com um plenário no Domingo para “apresentar propostas e chegar a conclusões”. Espero que uma dessas conclusões seja a constituição de uma plataforma política que concorra às próximas eleições legislativas de 2015.

    Defendo que para responder à grave crise social, económica e política em que estamos submersos é necessária a constituição desse novo projecto… Um projecto que para ser consequente e ter peso na correlação de forças necessariamente terá de se expor e submeter ao julgamento popular efectuado através de eleições.  Sendo que a sua actividade não deve estar reduzida ao “circo parlamentar”, estando intensamente orientada para os movimentos e lutas sociais. Deixo aqui o meu contributo para a discussão:

- O que temos? 

No início de 2014 escrevi o seguinte (ver final deste texto):   O aparecimento do MAS, do Livre, o Congresso Democrático das Alternativas, os encontros da Aula Magna, o manifesto 3D, a persistência da Rubra, são fenómenos que com todas as suas diferenças, mostram que existe vitalidade e energia à Esquerda. Estas movimentações demonstram que na Esquerda existe uma massa crítica, para lá dos partidos instituídos, que procura construir alternativas, quer organizacionais, quer a nível programático. Este fervilhar é altamente positivo e é condição necessária para que surja uma nova síntese, mais poderosa e alargada a médio prazo.(…)     No plano politico-partidário este é o momento de se porem cartas na mesa, de se discutirem os diferentes programas e suas nuances, de disputar influência junto das massas, criar novas propostas, divulgar ideias, mobilizar o enorme descontentamento difuso de diferentes formas. 

     Ora, neste momento, olhando para as forças à Esquerda/alternativas ao “arco da governação” (PSD+CDS+PS) o que é que temos?   O Livre que pretende coligar-se com o PS e que julga que obtendo um lugar no conselho de Ministros será capaz de fazer aquilo que o Presidente da França não conseguiu… incluindo uma reforma da União Europeia que “recupere o espírito dos pais fundadores”, em busca de um passado mítico vagamente social-democrata, que na realidade nunca existiu para além de meras proclamações propagandísticas (ler isto).   O Bloco de Esquerda que perdeu toda a sua chama e capacidade de mobilização. Um bloco em desagregação, perdido nas suas contradições (ler ponto 6 deste texto) e entregue a uma liderança com carisma zero.    Um PDR do Marinho e Pinto que na sua substância é uma espécie de Livre versão rural-popularucha. Qualquer observador atento percebe que, para lá da retórica, Marinho e Pinto é um aliado natural do PS e apoiará o próximo governo se isso for necessário ao regime.    Temos ainda o PCP. Sólido, disciplinado e muito respeitador das instituições. Admiro o percurso do PCP ao longo da sua vasta História e não me surpreende o seu percurso ascendente nos últimos anos. Mas há vários limites para aquilo que o PCP pode e quer fazer. Espero que o PCP possa vir a ser parte de uma futura alternativa, mas nunca partirá do PCP nenhuma iniciativa ou acção capaz de mudar qualitativamente a actual relação de forças na sociedade portuguesa. (uma discussão mais profunda do actual mapa político aqui).   Para lá das críticas e “alfinetadas” que acima lancei, creio que todas essas forças podem, cada uma à sua maneira, dar um contributo para uma possível alternativa progressista ao actual status quo a médio prazo. Mas existe um vasto descontentamento popular a que nenhum desses partidos dá resposta. Existe espaço para uma nova força política alternativa.

     O que precisamos?     A Assembleia do “Juntos PODEMOS” identifica três eixos centrais “programáticos”:

Citando o recente artigo do Nuno Ramos de Almeida:   Existem condições para aproveitar uma hegemonia social e transformá-la em mudança política. A maioria dos portugueses é contra a existência de uma casta política e económica que vive da corrupção, não está de acordo com uma política de austeridade que liquida a vida e a economia e só serve os especuladores, e pretende ter voz activa no seu futuro. Nestes três eixos (corrupção, economia e democracia) há uma posição maioritária das pessoas para mudar. É só preciso dar-lhe uma voz credível.  Concordo em pleno, mas acrescento que nenhum dos actuais partidos quer ou tem capacidade para ser essa voz. É preciso algo mais que as forças existentes para transformar essa hegemonia social em transformação política. É necessário um PODEMOS em Portugal.        ...   ...   ...

 

Tomar Partido Agora

É necessário actuar – não para resistir, mas para vencer. Pode ser um desafio impossível, mas a derrota é certa se ficarmos, como agora, parados. (Agora, artigo do Nuno Ramos de Almeida)

Nem mais, podemos e devemos actuar agora. No plenário final de domingo da Assembleia do Juntos PODEMOS espero que os participantes estejam à altura destas palavras e não se fiquem por apelos inconsequentes ao “universo em geral” e decidam ACTUAR tomando o futuro nas suas próprias mãos. Ficar à espera que sejam terceiros a dar voz aos anseios desta assembleia, ficar à espera de indefinidos amanhãs que cantam é a receita certa para a derrota e desmoralização. É preciso concretizar e tomar partido. É preciso um PODEMOS em Portugal.



Publicado por Xa2 às 19:29 de 15.12.14 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Quem quer, PODEMOS ! a 22 de Dezembro de 2014 às 17:24
(-por J.Labrincha, 19/12/2014)

Depois da resposta ao meu anterior artigo, decidi aceitar o desafio e fui à Assembleia Cidadã do passado fim-de-semana, organizada pelo Juntos Podemos. Na iniciativa, de onde poderia surgir a constituição de um novo partido inspirado no Podemos espanhol, confirmei a quase totalidade das minhas expectativas. Mas não todas.

O BE, apagado. O PCP, aceso, com forte presença de bloqueio, votando pelo adiamento mais longínquo possível de qualquer passo. Nada de novo. Em Espanha também o Izquierda Unida (comunistas) tentou boicotar enquanto pôde. Curioso foi ver o furioso ataque dos PCs à presença de elementos do partido MAS. Do que vi, parece-me que o último quererá ser o equivalente ao Izquierda Anticapitalista, um integrante coligado do Podemos espanhol. E sabendo que ao PCP não interessa o aparecimento de um novo partido é fácil perceber o ataque ao MAS, que parece querer o sucesso da iniciativa (também para se coligar?).

Outra ala presente foi a dos antipartidários, que acham que os partidos são entidades malignas e, por isso, nunca quererão fazer nada mais do que um movimento. O PCP soube capitaliza-los mas, ainda assim, juntos, estiveram em minoria.

Ora, eu acho que Portugal precisa de maior dinâmica de movimento social e associativo. E tenho contribuído para tal. Mas a experiência fez-me perceber que não é possível promover a mudança urgente de que necessitamos sem um partido que se candidate a eleições. O próprio movimento social e associativo está a ser atacado. A nossa liberdade, saúde, educação, subsistência, as nossas vidas e as dos nossos filhos são diariamente postas em causa!

Chegou a altura de sermos consequentes!

Temos que criar um partido novo, que não tenha medo de ser governo e que seja uma ferramenta de poder para os que não têm voz. Realisticamente, em 5 anos. Mas para que isso seja possível precisamos de ir às eleições de 2015 conseguir o máximo de votos (e quem sabe eleger alguém) que nos permita ter visibilidade e recursos. Assim, poderemos criar bases sociais – locais, regionais, nacionais e internacionais –, círculos de discussão e actuação, tal como se fez em Espanha. Isto consegue-se com um partido. Com movimentos ou associações, a minha experiência diz-me que é muito difícil.

Continuar a dizer que não podemos, que somos poucos, mal preparados e que os espanhóis são super-heróis é, a meu ver, errado e apenas beneficia a casta corrupta governante.

O Podemos tinha poucos meses quando se candidatou às Europeias. E elegeu cinco deputados. Não tinha fundamentos políticos, organizativos nem éticos definidos. As assembleias populares do 15-M desconheciam ou eram (e ainda são) muito críticas do partido, estavam em decadência e a grande maioria já nem reunia. Hoje o Podemos está em primeiro lugar nas sondagens.

Em Portugal as pessoas estão desejosas por uma alternativa. Existem milhares de grupos e associações culturais, recreativos, ambientais, de intervenção comunitária e social, cheios de activistas experientes, certamente disponíveis a juntar-se a um movimento-partido democrático e participativo. E esses trarão consigo outros tantos, milhares, milhões de participantes e eleitores.

Sendo assim, porque é que quem está a iniciar esta dinâmica e tem vontade de fundar um partido continua a pregar sermões aos “Peixes Comunistas e Antipartidários Unidos”?

Podemos, sim, olhar para fora da bolha intelectual-vanguardista-urbana que ali se reuniu e chamar mais gente ao processo, de todos os géneros, classes, etnias, formações, mas que queira seguir um rumo comum: contra a casta e não uns contra os outros. A favor dos 99% da população que sofre diariamente com a ganância dos 1%.



Eu cá estarei. Porque, do que vi, a maioria das pessoas presentes tem vontade de avançar. Façamo-lo sem medo. Com audácia. E com coragem.

Até porque as manobras de que falei só demonstram uma coisa: é a casta quem tem medo de que não tenhamos medo!

Nota: O nome JUNTOS PODEMOS, que está em discussão, parece-me ser má opção porque:
- “Juntos” - plural masculino, é contraditório com a igualdade de género que um partido assim deve defender.
- “Podemos” - não queremos ser uma filial do partido espanhol. Temos dinâmicas diferentes e, apesar da inspiração e dos bons-ventos, com soberania ...


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO