Regredir ao sub-desenvolvimento

           Aqui   (-o país do burro )

    Este que lêem é e não é sobre a Arábia Saudita, onde a Comissão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício acaba de criar mais uma proibição para as mulheres: andar de baloiço. Segundo aquele órgão, tal prática pode incitar os homens a cometerem abusos sexuais. Também é não é sobre a Hungria, onde dormir na rua passou recentemente a ser crime. Nem apenas sobre a Espanha, onde o sol foi privatizado, protestar não tardará a valer multas até 600 mil euros  -(impostos elevados àqueles que se auto abastecem de energias renováveis e multas para aqueles que não declaram a utilização de seus painéis ou outras fontes, sem pagar os impostos exigidos para ser conectado à rede elétrica.)- e o aborto clandestino está prestes a voltar a ser imposto às espanholas com menores recursos. Estas linhas são sobre o que pode acontecer a um país quando perigosos criminosos chegam ao poder e descobrem que podem dissimular os seus crimes atrás de uma máscara de moralidade que põe em causa os direitos humanos mais elementares.
    Como é também o caso do direito de qualquer criança a ter uma família. Fabíola Cardoso, 41 anos, casada, é mãe de duas dessas crianças. A sua angústia sobre o que lhes poderá acontecer depois da sua morte aumentou substancialmente há uns meses, quando lhe foi diagnosticado cancro da mama. O Estado português não reconhece quaisquer direitos à sua cônjuge, que os seus filhos reconhecem como a sua outra mãe mas que não pode protegê-los enquanto tal, a coberto da Lei. A Fabíola foi hoje ao Parlamento assistir a como uma maioria de moralistas brincava com a sua dignidade e com o direito dos seus filhos a serem adoptados pela segunda mãe.  ...
  Não, desta vez não foi na Arábia Saudita, nem na Hungria, nem na Ilha de Cornos que os moralistas brincaram com os direitos de uma minoria para desviarem as atenções dos seus negócios esconsos e das vidas que continuarão a destruir com uma austeridade à prova de referendo. Desta vez foi mesmo em Portugal. Aqui. É capaz de ser connosco.

                "Reformas estruturais necessárias", ou lá o que é

       Dinheiros públicos, negócios privados, o lado “magro” do Estado. A semana em que, no lado “gordo” do mesmo Estado, cada funcionário público vai confirmando no recibo de vencimento que aquele boato dos cortes era mesmo verdade e, o detalhe realmente importante, que o seu salário afinal também encolheu, começou com a notícia de mais um negócio no sector da Saúde na Segunda-feira, prosseguiu com a notícia das investigações a mais um negócio no sector da Educação na Terça-feira e, para não variar, continua hoje, Quarta-feira, com notícias de mais negócios do mesmo tipo, desta vez no sector da Cultura. Hoje é a vez da Casa Fernando Pessoa, a qual, lê-se aqui, adjudicou vários serviços por ajuste directo, desde o final de 2012, a uma pequena empresa que tem escritório em casa da sua directora artística, a escritora Inês Pedrosa. ... 
E em Março haverá mais para todos, mais 1% para a ADSE. ...
         O plano   (re-engenharia social ou agenda político-económica ultra/neoliberal de empobrecimento e eliminação de direitos, justiça, democracia e estado social)
  E não, não se trata de nenhuma brincadeira. O vídeo limita-se a retratar um processo que está a acontecer lentamente, fruto  de um plano servido a conta-gotas para minimizar eventuais reacções. A reengenharia social tem as suas regras.

         Um  dado  aterrador     (-V.Dias, o tempo das cerejas)

Sim, este é um dado aterrador certamente para os cidadãos que são os chamados consumidores domésticos mas também para as empresas e, como esta notícia só fala de taxas e impostos, ainda ficam de fora os exorbitantes aumentos de preços da energia e como eles também afectam a competitividade das empresas portuguesas.    ...


Publicado por Xa2 às 13:42 de 24.01.14 | link do post | comentar |

5 comentários:
De Pralixados até pela Oposição a 27 de Janeiro de 2014 às 12:57
Acordo Secreto, ou Incompetência da Oposição?

(Imagem da Internet)

No meio da propaganda desenfreada com que o Governo nos tem massacrado nos últimos dias, aparecem umas quantas noticias que, apesar de a oposição (que era pressuposto ser isso mesmo, oposição) as procurar ignorar, ou, quando muito, se referir a elas em sussurro, me parecem grandes embustes de trunfo para o PSD/CDS manterem o Povo, por mais uns bons anos, sob o jugo do castigo imposto à custa da austeridade.

Vejamos apenas 4 exemplos de situações, que a oposição em peso tratou com luvas brancas e com pinças, quando, ao invés, deveria ter tratado com relevo e impacto, desmascarando os truques do Governo:

1 – A “folga orçamental” de 530 milhões de Euros colocada no OE para 2014.
Não fora dar-se o caso da Drª Manuela Ferreira Leite estar atenta e identificar este truque, a jogada passaria “em branco” no conhecimento do cidadão comum. Mas, como a Drª Manuela colocou a boca no trombone, lá foi a oposição, muito baixinho e por entre dentes, referir o facto no plenário da AR, mas sem qualquer convicção, foi apenas para fazer número. Este ato instou a que posteriormente a Drª Manuela referisse, na TVI24, que “se estivesse na Assembleia o deputado Octávio Teixeira, a ministra não saía do hemiciclo sem explicar com detalhe a que se destinam esta avultada verba". Ainda mais a Oposição não denunciou, é que, segundo a Drª Ferreira Leite – que sabe do que fala por experiência pessoal - todos os orçamentos são elaborados com alguma folga, mas da ordem da centena de milhar e não das 5 centenas de milhar. E mais ainda a oposição também não disse, é que metade deste valor evitaria que a CES fosse ao bolso dos pensionistas dos mil Euros.

2 – Numa semana em que o Governo anuncia com estrondo que o deficit para 2013, “negociado” com a Troika em 5,5% do PIB, ficou afinal em 4,6%, a oposição come e cala ignorando até os argumentos do Dr. Bagão Felix, e do Dr. Peres Metelo que em duas penadas desmontaram, um na TVI, outro na TSF mais esta falácia para enganar cidadão votante.

3- Mas admitindo até que os senhores deputados da oposição, têm outros afazeres que não os “trabalhos de casa” para o patrão que lhes paga (todos nós),
bastava investirem uns parcos minutos e irem ao site do IGCP (http://www.igcp.pt/) e validarem que com todo este estrondoso sucesso à nossa volta a dívida está em 130% do PIB (era de 90% quando fomos “encostados à parede” para pedir ajuda) e em valores absolutos próximo dos 211 mil milhões de Euros.

4- Mas mais os senhores deputados da Oposição não fazem, ou não querem fazer, porque se quisessem iam ao INE, (http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_main) - também são poucos minutos que gastam – e comprovavam que a população ativa com trabalho baixou de quase 5 milhões em 2011 para 4 milhões em 2013. E não exigem ao Governo que explique como é que o desemprego diminuiu?

Mas que raio de oposição é que temos?
Só podemos, enquanto cidadãos atentos, concluir uma de duas coisas, ou a Oposição celebrou um qualquer acordo secreto com o Governo, ou é simplesmente incompetente.

---por Corvo Negro , 24/1/2014, http://pralixados.blogspot.pt/


De .PS s derrotados pela Finança. a 27 de Janeiro de 2014 às 09:15

Um novo rumo sem ilusões

[a capitulação de Hollande:... "Meu verdadeiro adversário, é a finança", dizia ele...]

A recente conferência de imprensa de François Hollande deu a machadada final nas ilusões dos que ainda alimentavam a ideia de um possível braço-de-ferro entre a França e a Alemanha para travar aquilo que Passos Coelho designa "nova normalidade" - o progressivo desmantelamento do Estado social, qualquer que seja o partido eleito. Perante a pressão política dos interesses económicos e financeiros globais, e seus aliados internos, Hollande declarou a sua convicta adesão à "austeridade expansionista". Como ele próprio em tempos tinha lembrado, "foi François Mitterrand - com Pierre Bérégovoy - que desregulamentou a economia francesa e a abriu amplamente a todas as formas de concorrência. [...] Deixemos, portanto, de vestir roupagens ideológicas que não enganam ninguém" (Serge Halimi, "Le Monde diplomatique", Janeiro de 2014).

Como é do conhecimento comum, a "austeridade expansionista" é uma teoria errada, mas isso pouco importa porque o capital global e a UE continuam a adoptá-la, como sempre fizeram desde que se impôs a liberalização dos movimentos de capitais especulativos. Importa lembrar que no mandato de François Mitterrand, eleito em 1981 com o apoio das esquerdas, o relançamento da economia vinha associado a uma ambiciosa política industrial apoiada por um importante sector empresarial do Estado. Contudo, num ambiente internacional recessivo, o modesto crescimento da procura interna acabou por fazer aumentar os défices público e externo. Estando a França amarrada ao sistema monetário europeu, os capitais especulativos não perderam tempo a dar uma lição ao novo governo socialista. O ataque ao franco obrigou a uma intervenção de larga escala para segurar a cotação da moeda, com a consequente redução das reservas em divisas. Naquele quadro institucional, a política dos socialistas era insustentável. Por isso, no dia 23 de Março de 1983, à noite, Mitterrand tinha pela frente uma escolha com enormes implicações para o futuro da Europa: manter a política económica que tinha sido legitimada em eleições, o que implicava abandonar o SME, contando com a política cambial e o financiamento interno, incluindo o do Banco de França ou, aderir à "desinflação competitiva" (rigor monetário, orçamental e salarial), na expectativa de que uma futura moeda única, eliminando a especulação cambial e reduzindo o poder da Alemanha, viesse a permitir o crescimento com emprego numa Europa social.

Mitterrand preferiu a segunda opção, a conselho de Jacques Delors e contra a opinião de Jean-Pierre Chevènement. Não foi uma escolha inconsequente, já que, ainda antes da derrota de 1986, os socialistas franceses avançaram para a liberalização dos mercados financeiros. De seguida, o Acto Único Europeu concedeu a liberdade de circulação aos capitais, permitindo-lhes a especulação com a dívida dos estados. Como lembra Liêm Hoang-Ngoc, professor de Economia e deputado socialista francês no Parlamento Europeu, a interpretação liberal dos critérios de Maastricht "generalizou-se na década de 90 entre os 13 governos social-democratas e depois entre os conservadores que lhes sucederam, todos felicitados pelos governadores monetaristas dos bancos centrais e pelos comissários que não paravam de impor "reformas estruturais" liberais no que toca à protecção social e aos serviços públicos através de múltiplas directivas" (Refermons la parenthèse libérale, p. 77).

Revisitar a história da substituição do socialismo democrático pelo social-liberalismo europeísta é importante para percebermos o que hoje se está a passar. De facto, Holande não capitulou frente à finança e ao ordoliberalismo, apenas deu continuidade à história do seu partido e da sua família política europeia nas últimas décadas. Em Portugal, também o PS será coerente com a sua identidade. Talvez para eliminar quaisquer dúvidas, afirma em "Um Novo Rumo para Portugal" a fidelidade a "uma Europa política, social e económica com uma dimensão federal" e a necessidade de construir uma alternativa política, mas "Sem demagogias. Sem ilusões".
(O meu artigo no jornal i)
--- Jorge Bateira, 24/1/2014 http://ladroesdebicicletas.blogspot.pt/


De Europa salva Bancos e arruina Estado Soc a 27 de Janeiro de 2014 às 16:33

Europa gastou um décimo da sua riqueza para salvar bancos

Bancos receberam 1,3 biliões de euros de "auxílio" estatal não-escrito desde que a crise começou

Quanto vale a noção de que os bancos são "demasiado grandes para falir"? Essa garantia, que os mercados avaliam desde que a crise financeira rebentou, em Wall Street, funciona como um aval dos Estados. E vale muito dinheiro. O eurodeputado belga dos Verdes, Philippe Lamberts, coordenou um relatório sobre o valor real dessa ajuda, escondida, ao sector financeiro.
O estudo conclui que as ajudas "implícitas" valem o dobro das que são públicas. 1,3 biliões de euros, em quatro anos. ...(o New York Times e o El País), que recebeu o relatório antecipadamente. ... as principais conclusões e na quinta-feira, na edição impressa, saiba como Lamberts pensa combater esta "DISTORÇÂO dos mercados que cria INCENTIVOS para a ESPECULAÇÃO".

Vinte vezes mais do que o empréstimo da Troika

Desde que a crise financeira começou, com a falência do banco norte-americano de investimentos, Lehman Brothers, em setembro de 2008, a Europa transferiu enormes verbas para "resgatar" os seus bancos. Segundo dados da Comissão Europeia, presidida por Durão Barroso,
foram atribuídos auxílios à banca no valor de 634 mil milhões de euros (oito vezes mais do que o valor do empréstimo da troika a Portugal).
Essas ajudas, tornadas públicas, assumiram três formas:
ajudas à liquidez, empréstimos para a recapitalização e compra de activos "tóxicos".
Houve, ainda, a disponibilização de 492,2 mil milhões de euros em "garantias" à banca, mas esse valor não constitui uma verba que tenha sido, de facto, usada. Era mais uma salvaguarda.
Com todo este arsenal de milhares de milhões de euros, a Europa (Comissão, BCE e Estados Membros) quiseram passar uma ideia: Não deixariam que os seus bancos falissem.

Essa foi, de resto, a razão invocada em Portugal para a nacionalização do BPN (que já custou aos contribuintes um valor próximo dos seis mil milhões de euros).
Salvar os bancos em dificuldades impediria que uma falência contagiasse todo o sector financeiro e, por arrasto, destruísse a própria economia.
Foi assim um pouco por toda a Europa, com o caso mais paradigmático a ocorrer na Irlanda, onde o Estado resgatou toda a banca, com uma "garantia integral sem limites" que
arrastou o país para o programa da troika com um défice orçamental de 32%.

Esta "muralha" que os Estados europeus construíram para salvar a banca tem um preço. Elevado.
Segundo o eurodeputado belga Philippe Lamberts, ela custou 1,330.41 mil milhões de euros. Ou seja, 1,3 biliões de euros.
Para se ter uma noção da ordem de grandeza deste número diga-se que representa 10% de toda a riqueza produzida na Europa.
Representa quase 20 vezes mais que o empréstimo da troika a Portugal.
Esta é a principal conclusão do relatório "Subsídios implícitos no sector bancário da União Europeia" hoje publicado em Bruxelas.

Bancos de países ricos ganham mais

E como se calcula este valor? Lamberts contou com a ajuda do analista financeiro Alexander Kloeck, que analisou detalhadamente as reacções dos mercados financeiros e, nomeadamente, o custo do dinheiro a que os bancos se financiaram desde 2008.
Reparou que a notação (rating) dos bancos europeus, ao contrário dos Estados, conseguiu resistir melhor à crise.
Isso significou que "o custo do dinheiro baixou". Especialmente para os grandes bancos dos países com rating elevado.
"Quanto mais baixo é o risco soberano do país, mais alto é o subsídio implícito para os bancos desse país", revela Kloeck.
Ou seja, um grande banco alemão recebe mais do que um grande banco português, ou grego, ou espanhol.
Isso significa que grande parte deste valor de "subsídios implícitos" do Estado à banca se concentrou, segundo Lamberts, em três países europeus: "Alemanha, França e Reino Unido."

Tudo isto cria "distorções nos mercados", alerta Lamberts. Desde logo, entre o sector financeiro e outros sectores da economia, que sem esta garantia Estatal implícita não conseguem obter financiamento nos mercados a preços tão baixos.
Depois, entre Estados, dentro da União. E entre os próprios bancos.
Com os grandes a receberam muito mais do que os pequenos. Lamberts afirma, no relatório, que "os números demonstram ...


De Alta Finança ROUBA cidadãos. a 27 de Janeiro de 2014 às 16:37

Europa salva Bancos e arruina Estado Social

Europa gastou um décimo da sua riqueza para salvar bancos
...
...
... Lamberts afirma, no relatório, que "os números demonstram claramente que sem estes subsídios as grandes instituições bancárias na União Europeia estariam a declarar perdas substanciais." Mas com este apoio estatal os grandes bancos europeus declararam lucros de 16,2 mil milhões, em 2012.

Dinheiro livre para especular

Perante esta evidência, Lamberts questiona, :
"Porque devem os contribuintes pagar o crédito dos bancos.
O preço a que os bancos estão a financiar-se é fictício. E para que tem sido usado esse dinheiro?
Para estimular o consumo ou, ainda pior, para especular..."

Segundo o último Relatório de Estabilidade Financeira, de Novembro de 2013, do Banco de Portugal
"uma parte significativa das carteiras de títulos das instituições financeiras é composta por activos nacionais, designadamente de dívida soberana, que continua a proporcionar níveis de rendibilidade relativamente altos."

Estarão os Estados a financiar directamente os bancos para que estes inflacionem os juros das dívidas públicas,
provocando dificuldades no financiamento dos Estados, sobretudo dos mais fracos
Essa parece ser a conclusão, também ela implícita, deste relatório.

Ler mais: http://visao.sapo.pt/europa-gastou-um-decimo-da-sua-riqueza-para-salvar-bancos=f766758#ixzz2rcKj5FpR


De Desobed.UE, soberan. econ-soc, protec. a 28 de Janeiro de 2014 às 18:33
Como é que se diz depois queixem-se em francês?
(27/1/2014, Ladrões de B., João Rodrigues)


Um espectro percorre a Europa austeritária, mas, hoje, desgraçadamente, é o do crescimento das heterogéneas forças de extrema-direita nas próximas eleições europeias em muitos países. O caso da francesa Frente Nacional (FN), que continua a aparecer à frente nas sondagens para as europeias, é o que tenho acompanhado com mais atenção. Destaco o seu enraizamento popular – metade da classe operária declara votar FN e deteta-se uma forte relação entre desemprego e implantação a nível regional – e destaco a viragem programática operada por Marine Le Pen no campo da economia política: do populismo neoliberal do pai, anti-impostos e anti-regulação, de resto já em mudança desde os anos noventa, passou para uma plataforma que, em certa medida, se apropriou de diagnósticos e propostas elaboradas sobretudo por intelectuais críticos à esquerda, da desindustrialização à desglobalização, passando pelo apontar o dedo ao elefante na loja de porcelana chamado euro.

Com ironia feroz, Frédéric Lordon chama a atenção para a forma como este processo de parasitagem deixa certos sectores da esquerda com complexos, podendo levar, por um medo absurdo de associações espúrias, a um total vazio programático neste campo.
...
...
... enquanto a esquerda não enfrentar os três tabus, diagnosticados por Aurélien Bernier, que foi quem, tanto quanto sei, cunhou a ideia de desobediência, que ajudámos a trazer para o debate nacional –

Europa, Estado-Nação e globalização, ou seja,

-- desobediência a sério,
-- recuperação da soberania no campo socioeconómico e
-- um certo proteccionismo –, ...


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO