De Fr.: Não cumpre Tratado Estabil. Orçamen a 17 de Março de 2015 às 11:36
Um murro na mesa


A França resolveu dar um murro na mesa:
não vai cumprir as regras do Tratado de Estabilidade Orçamental,
nomeadamente as metas do défice.
Ninguém reagiu, nem falou em punições

Marilu e Passos esconderam-se debaixo da mesa?


(- por Carlos Barbosa de Oliveira ,12/3/2015, http://cronicasdorochedo.blogspot.pt/ )

---- Parece que há uns membros da UE e Eurozona que são mais iguais do que outros ...
ou ainda têm um restinho de consciência e tomates...


De 'Milagre' NeoLiberal a 17 de Março de 2015 às 12:02

Jyrki Katainen: "Um verdadeiro Milagre"

Entrou-me pela casa dentro, com a ajuda da RTP, um tal JYRKI KATAINEN, com ar de embaixador dos "mercados"
mas que afinal é o vice-presidente da Comissão Europeia, líder do Partido da Coligação Nacional (partido conservador NEOLIBERAL) e ex-1º Ministro da Finlândia.

Este cavalheiro, um acólito de Ângela Merkel, veio garantir a um país atónito, que a política do Governo, nestes três anos, representa um VERDADEIRO MILAGRE.
Está em visita ao 1ºM PPC e recomendou-lhe, ali à nossa frente, SEM VERGONHA, que prossiga a sua política de "mudanças estruturais".
Mudanças estruturais? Está a referir-se a quê?
À dívida que passou de 90% do PIB para 130%,
ao desemprego que subiu para o dobro,
aos cortes de salários da administração pública e dos reformados,
aos cortes na Saúde, na Educação, na Segurança Social,
à maior vaga de emigrantes desde os anos 60 e agora com o predomínio de licenciados e quadros técnicos?

Ou estará a referir-se à privatização de empresas estratégicas da economia nacional?
O mais certo é o GRANDE MILAGRE que refere ter consistido em libertar os BANCOS alemães e franceses que arcavam com a maior parte da insegura dívida soberana portuguesa.

Esse Sr. KATAINEN está a tomar-nos por parvos?
Está a falar de "milagre" a um país socialmente devastado, a uma população condenada à pobreza?!
Ou estará a referir-se aos 840 multimilionários portugueses que aumentaram as suas fortunas
de 90 para 100 mil milhões de dólares em 2012, um dos anos de maior empobrecimento dos "outros portugueses" ? ( "Relatório de Ultra Riqueza no Mundo 2013" do banco suíço UBS)


(# posted by Raimundo Pedro Narciso, PuxaPalavra, 17/3/2015)


De Vampiros e Torturadores a 17 de Março de 2015 às 12:28
Maria Luís diz que o Governo tem a "determinação que se exige" para continuar a implementar as reformas necessárias.

Apesar de reconhecer que, nos últimos três anos, Portugal "fez um milagre" ao estabilizar a economia
e que pagou "um preço muito elevado" com o programa de 'ajustamento',
o vice-presidente da Comissão Europeia disse que Bruxelas espera que o Governo adopte reformas estruturais "AMBICIOSAS". (para quem ?! prós Vampiros e Torturadores !!)
Só assim (?!), defende Jyrki Katainen, é possível responder às fraquezas da economia.


De Abjecto Esmagar Pessoas. a 18 de Março de 2015 às 11:20
Quando a banca esmaga os seus trabalhadores e o Estado assina a sua execução

(17/3/2015, por Lúcia Gomes, http://manifesto74.blogspot.pt/2015/03/quando-banca-esmaga-os-seus.html#more )


"Já não aguento mais, não consigo. Tornei-me numa pessoa execrável, nem me reconheço. Acordo a meio da noite a chorar, tenho ataques de pânico, não durmo sem comprimidos! Nem sei como o meu marido me atura assim. Há dois anos. Acordo, levanto-me da cama e estatelo-me no chão.

Todos os dias entro ali, sorrio. De cada vez que o telefone toca acho que vai ser nesse momento. De cada vez que o meu director olha para mim, acho que me vai despedir. De cada vez que chama um de nós acho que vai ser despedido.

Não aguento. Estou sempre a pensar que me vão fazer alguma.

----- Por 832 euros por mês estou nisto há dois anos. Sem aumentos há 7.

Perdi tanta coisa. Há um ano perdi um filho. Tenho 44 anos e estou reduzida a isto. Nunca mais vou conseguir engravidar. Perdi o meu filho por estar assim e cheia de medicação. Não posso continuar. Não posso. Não aguento."

Esta não foi a primeira vez que ouvi tudo isto. E não será a última, certamente. Assim é a banca:
espreme, quebra, destrói.

A banca que se divide em múltiplas empresas, todas do mesmo grupo mas todas sem ter nada a ver umas com as outras.
Que detém empresas de contratação (Como o BES detém a Multipessoal mas os trabalhadores do BES contratados pela Multipessoal são trabalhadores da Multipessoal e não do BES)
para não contratar trabalhadores com direitos.
Que paga salários de 700 euros a licenciados.
Que despede, despede, despede,
sempre com «acordos de reestruturação» com o alto patrocínio do Governo
que lhes dá as quotas para que seja a Segurança Social a pagar os subsídios de desemprego enquanto milhares vão para as ruas.

Rescinde, pagamos mais do que diz a lei. Rescinde, o Governo vai dar-nos as quotas.

A determinada altura nem se sabe quem é o administrador da banca e quem é o ministro, o despedimento, afinal, tem o aval dos dois.

E é assim que se vai passando, enquanto seres humanos já nem se reconhecem,
a lei molda-se ao sistema para o beneficiar, os ministros assinam todas as portarias necessárias e vamos assistindo a isto.
«Não posso continuar. Não posso. Não aguento».

Que haja depois disto uma resistência maior do que a que C. já teve. Porque o seu acto último de resistência foi ficar sozinha na empresa que tem o mesmo nome do banco mas que não é banco.
Resistiu. E pode estar de cabeça erguida quando olhar para trás. Num futuro que esperamos que seja diferente, porque contaremos com ela para o construir.
------

... num esforço mais uma vez para esconder a miséria desta sociedade podre e sem remissão.

E apresenta-nos a sua " realidade ", feita dos lugares-comuns próprios de quem acha que a realidade é a sua e que acha que tem o direito de negar aos outros a sua dignidade de vida. Ofende desta forma a condiçao humana , mercê da sua apologia da miséria do quotidiano, da exploração desenfreada, que defende e quer preservar..

E faz silêncio sobre os que se apropriam da riqueza gerada pelos que trabalham.

A destruição do sistema de segurança social passa pelo primeiro-ministro na sua actividade como "trabalhador" .É um dos que foge à lei

E o silencio continua sobre a realidade das PPP e dos Swaps e dos juros duma dívida que afinal é deles e do saque à riqueza nacional de que as privatizações são um modelo

A realidade para o sacana de serviço é assumir a condição da imutabilidade dum mundo em que os exploradores e a exploraçao se perpetuam É retirar a humanidade da equaçao da condiçao humana.
É defender a concentraçao do capital em cada vez menor nº de mãos, que 85 pessoas detenham tanto como a metade mais pobre do planeta, dirá também que a concentração da riqueza deve ser imutável

Eis a luta de classes
este é o mesmo discurso que os esclavagistas tinham sobre a sua realidade factual e as suas inevitabiidades.
e defende os seus, os gestores do BES, o funcionamento do capital,o silencio que faz pairar sobre a trampa do funcionamento dos mercados vive paredes meias com o apelo à submissão da realidade .

Os NeoLiberais só oferecem Desemprego e fome, Miséria e falta de acesso à saúde, Velhice desprotegida, Sub-Vida, Saque e o "seu direito"!


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres