13 comentários:
De Fr.: Não cumpre Tratado Estabil. Orçamen a 17 de Março de 2015 às 11:36
Um murro na mesa


A França resolveu dar um murro na mesa:
não vai cumprir as regras do Tratado de Estabilidade Orçamental,
nomeadamente as metas do défice.
Ninguém reagiu, nem falou em punições

Marilu e Passos esconderam-se debaixo da mesa?


(- por Carlos Barbosa de Oliveira ,12/3/2015, http://cronicasdorochedo.blogspot.pt/ )

---- Parece que há uns membros da UE e Eurozona que são mais iguais do que outros ...
ou ainda têm um restinho de consciência e tomates...


De 'Milagre' NeoLiberal a 17 de Março de 2015 às 12:02

Jyrki Katainen: "Um verdadeiro Milagre"

Entrou-me pela casa dentro, com a ajuda da RTP, um tal JYRKI KATAINEN, com ar de embaixador dos "mercados"
mas que afinal é o vice-presidente da Comissão Europeia, líder do Partido da Coligação Nacional (partido conservador NEOLIBERAL) e ex-1º Ministro da Finlândia.

Este cavalheiro, um acólito de Ângela Merkel, veio garantir a um país atónito, que a política do Governo, nestes três anos, representa um VERDADEIRO MILAGRE.
Está em visita ao 1ºM PPC e recomendou-lhe, ali à nossa frente, SEM VERGONHA, que prossiga a sua política de "mudanças estruturais".
Mudanças estruturais? Está a referir-se a quê?
À dívida que passou de 90% do PIB para 130%,
ao desemprego que subiu para o dobro,
aos cortes de salários da administração pública e dos reformados,
aos cortes na Saúde, na Educação, na Segurança Social,
à maior vaga de emigrantes desde os anos 60 e agora com o predomínio de licenciados e quadros técnicos?

Ou estará a referir-se à privatização de empresas estratégicas da economia nacional?
O mais certo é o GRANDE MILAGRE que refere ter consistido em libertar os BANCOS alemães e franceses que arcavam com a maior parte da insegura dívida soberana portuguesa.

Esse Sr. KATAINEN está a tomar-nos por parvos?
Está a falar de "milagre" a um país socialmente devastado, a uma população condenada à pobreza?!
Ou estará a referir-se aos 840 multimilionários portugueses que aumentaram as suas fortunas
de 90 para 100 mil milhões de dólares em 2012, um dos anos de maior empobrecimento dos "outros portugueses" ? ( "Relatório de Ultra Riqueza no Mundo 2013" do banco suíço UBS)


(# posted by Raimundo Pedro Narciso, PuxaPalavra, 17/3/2015)


De Vampiros e Torturadores a 17 de Março de 2015 às 12:28
Maria Luís diz que o Governo tem a "determinação que se exige" para continuar a implementar as reformas necessárias.

Apesar de reconhecer que, nos últimos três anos, Portugal "fez um milagre" ao estabilizar a economia
e que pagou "um preço muito elevado" com o programa de 'ajustamento',
o vice-presidente da Comissão Europeia disse que Bruxelas espera que o Governo adopte reformas estruturais "AMBICIOSAS". (para quem ?! prós Vampiros e Torturadores !!)
Só assim (?!), defende Jyrki Katainen, é possível responder às fraquezas da economia.


De Abjecto Esmagar Pessoas. a 18 de Março de 2015 às 11:20
Quando a banca esmaga os seus trabalhadores e o Estado assina a sua execução

(17/3/2015, por Lúcia Gomes, http://manifesto74.blogspot.pt/2015/03/quando-banca-esmaga-os-seus.html#more )


"Já não aguento mais, não consigo. Tornei-me numa pessoa execrável, nem me reconheço. Acordo a meio da noite a chorar, tenho ataques de pânico, não durmo sem comprimidos! Nem sei como o meu marido me atura assim. Há dois anos. Acordo, levanto-me da cama e estatelo-me no chão.

Todos os dias entro ali, sorrio. De cada vez que o telefone toca acho que vai ser nesse momento. De cada vez que o meu director olha para mim, acho que me vai despedir. De cada vez que chama um de nós acho que vai ser despedido.

Não aguento. Estou sempre a pensar que me vão fazer alguma.

----- Por 832 euros por mês estou nisto há dois anos. Sem aumentos há 7.

Perdi tanta coisa. Há um ano perdi um filho. Tenho 44 anos e estou reduzida a isto. Nunca mais vou conseguir engravidar. Perdi o meu filho por estar assim e cheia de medicação. Não posso continuar. Não posso. Não aguento."

Esta não foi a primeira vez que ouvi tudo isto. E não será a última, certamente. Assim é a banca:
espreme, quebra, destrói.

A banca que se divide em múltiplas empresas, todas do mesmo grupo mas todas sem ter nada a ver umas com as outras.
Que detém empresas de contratação (Como o BES detém a Multipessoal mas os trabalhadores do BES contratados pela Multipessoal são trabalhadores da Multipessoal e não do BES)
para não contratar trabalhadores com direitos.
Que paga salários de 700 euros a licenciados.
Que despede, despede, despede,
sempre com «acordos de reestruturação» com o alto patrocínio do Governo
que lhes dá as quotas para que seja a Segurança Social a pagar os subsídios de desemprego enquanto milhares vão para as ruas.

Rescinde, pagamos mais do que diz a lei. Rescinde, o Governo vai dar-nos as quotas.

A determinada altura nem se sabe quem é o administrador da banca e quem é o ministro, o despedimento, afinal, tem o aval dos dois.

E é assim que se vai passando, enquanto seres humanos já nem se reconhecem,
a lei molda-se ao sistema para o beneficiar, os ministros assinam todas as portarias necessárias e vamos assistindo a isto.
«Não posso continuar. Não posso. Não aguento».

Que haja depois disto uma resistência maior do que a que C. já teve. Porque o seu acto último de resistência foi ficar sozinha na empresa que tem o mesmo nome do banco mas que não é banco.
Resistiu. E pode estar de cabeça erguida quando olhar para trás. Num futuro que esperamos que seja diferente, porque contaremos com ela para o construir.
------

... num esforço mais uma vez para esconder a miséria desta sociedade podre e sem remissão.

E apresenta-nos a sua " realidade ", feita dos lugares-comuns próprios de quem acha que a realidade é a sua e que acha que tem o direito de negar aos outros a sua dignidade de vida. Ofende desta forma a condiçao humana , mercê da sua apologia da miséria do quotidiano, da exploração desenfreada, que defende e quer preservar..

E faz silêncio sobre os que se apropriam da riqueza gerada pelos que trabalham.

A destruição do sistema de segurança social passa pelo primeiro-ministro na sua actividade como "trabalhador" .É um dos que foge à lei

E o silencio continua sobre a realidade das PPP e dos Swaps e dos juros duma dívida que afinal é deles e do saque à riqueza nacional de que as privatizações são um modelo

A realidade para o sacana de serviço é assumir a condição da imutabilidade dum mundo em que os exploradores e a exploraçao se perpetuam É retirar a humanidade da equaçao da condiçao humana.
É defender a concentraçao do capital em cada vez menor nº de mãos, que 85 pessoas detenham tanto como a metade mais pobre do planeta, dirá também que a concentração da riqueza deve ser imutável

Eis a luta de classes
este é o mesmo discurso que os esclavagistas tinham sobre a sua realidade factual e as suas inevitabiidades.
e defende os seus, os gestores do BES, o funcionamento do capital,o silencio que faz pairar sobre a trampa do funcionamento dos mercados vive paredes meias com o apelo à submissão da realidade .

Os NeoLiberais só oferecem Desemprego e fome, Miséria e falta de acesso à saúde, Velhice desprotegida, Sub-Vida, Saque e o "seu direito"!


De Economia e discurso NeoLiberal... a 18 de Março de 2015 às 15:24
------ Um blog de alucinados armado em jornal *

( por josé simões, derTerrorist )


Para quem "trabalhadores" são "colaboradores",
"corrigir pensões e salários" significa "cortar pensões e salários",
"requalificação" de funcionários públicos é mete-los numa prateleira para cortar parte do vencimento,
"ajustamento" é para ler "corte"
e onde se lê "corte" deve ler-se esbulho, roubo, confisco,
"reforma do Estado" é acabar com funções e valências do Estado social,
um "despedimento" é uma "dispensa de serviços"
e uma "reestruturação" é um "despedimento colectivo" ou a "dispensa" de muitos "colaboradores".
(* http://observador.pt/opiniao/saudades-do-tempo-em-que-eramos-livres-e-nao-sabiamos/ :«politicamento (in)correcto»?)

------ E tem sol e tem mulheres bonitas e tem cavalos e tem aviões para vender

"Portugal oferece, como sabem, uma localização competitiva para os investimentos.
Tem uma mão-de-obra e quadros altamente qualificados e flexíveis num mercado concorrencial.
Dispõe de infra-estruturas físicas e tecnológicas de qualidade – estradas, aeroportos e portos marítimos"


------ Da série "Reformas Estruturais" [que são um "estado d’ alma" *]

E aliviar o peso do Estado na economia.
«O número de desempregados que conseguiu arranjar trabalho com a ajuda do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) atingiu níveis inéditos em 2014,
mas mais de metade dessas colocações foi feita através dos programas de apoio à contratação financiados por dinheiros públicos».


E o homem velho que continua a não querer nada com o homem novo que o liberalismo que aliviou a economia do peso do Estado quer criar.
«Portugal registou a maior queda da taxa de emprego entre os Estados-membros da União Europeia no último trimestre de 2014, com uma descida de 1,4% face ao trimestre anterior».

É o mercado a funcionar, estúpido.


De Neoliberal agiotismo transnacional a 18 de Março de 2015 às 10:31
Me irrita

Irão desculpar-me, mas ver aquele aborto gordo do FMI falar de Portugal como se fosse o dono de tudo isto, irrita-me especialmente.

Um barda-merda qualquer de quem não fixei, não sei, nem quero saber o nome, um estrangeiro
representante de uma qualquer porcaria que em nome do agiotismo internacional se dá ao direito de ter voz num qualquer canal
português e que fala de Portugal
como se fosse um baldio sem dono e sem soberania,
enoja-me, revolta-me, dá-me vontade de o defenestrar com uma bengala enfiada pelo rabo acima.

Ouvir um borra-botas, que no país dele deve ser pouco mais do que um lacaio lambe-cús
(bem dito MEC por expressões tão portuguesas), falar da nossa Nação como se fosse uma cavacolândia
submissa à laia de um guincho de láparo.

E o homem nem sequer se chama Ricardo.

Fónix!
LNT [0.150/2015] 16/3/2015


De TV: dislates sem contraditório. a 18 de Março de 2015 às 12:34
Olhos nos olhos: a cegueira e o general

[Medina Carreira_caricatura de Fernando Campos (o sítio dos desenhos)]

O programa (TVI-24) não merece ser visto senão para verificar a que níveis políticos a direita pode descer. Há anos que o sr. Medina Carreira repete sem contraditório os maiores dislates.
Dizia então que era necessário cortar na despesa do Estado 10 000 M€. Foram cortados: o país está no descalabro, na via do subdesenvolvimento.
Repete que é preciso cortar outros 10 000, entenda-se em tudo o que são prestações sociais.

Considera desonestos ou ignorantes os que discordam. Já me ocupei deste senhor mostrando das suas lucubrações (1)
Não vale a pena, ninguém é capaz ou não tem coragem (o homem torna-se agressivo se contrariado) de lhe explicar no programa a diferença entre PIB e RN.
Veja-se por exemplo “A União Europeia e o Euro serviram para enriquecer a Alemanha” de Eugénio Rosa. ( http://ocastendo.blogs.sapo.pt/a-uniao-europeia-e-o-euro-serviram-para-1851613 )

Ninguém é capaz de lhe explicar que Portugal é um contribuinte líquido do exterior, principalmente da UE.
Só no período 2000/2011, foram transferidos para o estrangeiro rendimentos que totalizaram 165.190 milhões €, e foram recebidos do estrangeiro rendimentos que somaram 99.104 milhões €, ou seja uma diferença de 5 500 € ano.
A quase totalidade dos rendimentos transferidos para o estrangeiro no período 2000/2012 não pagaram qualquer imposto em Portugal, o que poderia dar cerca de 3 200 M€ ano.
O país perdeu e perde com estas políticas cerca de 8 500 M€ ano.

Ninguém tem coragem de lhe dizer que sem prestações sociais 45% da população estaria na pobreza e talvez 90% das famílias sem capacidade de assegurar adequada educação e saúde.
A quebra do poder de compra e a incapacidade de pagar dívidas destruiriam a economia, como está a acontecer .
É este o país que a direita defende, o seu lema é “tudo pela finança, nada contra a finança.”

Juros, PPP, rendas energéticas custam mais de 15% da despesa pública.
O Estado sem estes parasitas seria largamente excedentário, além do que podia obter controlando as transferências de capitais e outra política fiscal.

Pois bem, no dia 2 de março, o sr. MC afirmou que devia fazer-se a seguinte pergunta aos portugueses:
“se queriam soberania e não ter de comer ou não ter soberania e ter de comer”. Note-se que em Portugal ao mesmo tempo que perde a soberania aumenta a fome.

Que a política de direita almeja tornar-se uma colónia para que alguns mantenham os seus privilégios só é segredo para os incautos.
A questão é que a afirmação foi feita perante o general Loureiro dos Santos, que ouviu e calou. Desonrou o juramento que fez como militar.
Para o confirmar recordo as palavras do Presidente da Associação dos Oficiais das Forças Armadas, numa recente intervenção pública:
“Os militares juraram cumprir a Constituição. Terão a luta das Forças Armadas os partidos e governos contra a Constituição. Os militares são apartidários mas não apolíticos. A soberania nacional é sagrada para os militares”.

Compreendo que com pessoas no limite da insanidade mental no que toca a opiniões políticas, seja perigoso contraria-las, mas isso não desculpa o general.
Calou-se, nem sequer foi capaz de emitir a sua opinião como cidadão, como português.
E quem cala consente, quando pode e deve falar.
Imagine-se isto dito nos EUA ou no Reino Unido que não têm dívidas públicas assim tão diferentes das nossas…

1 - «As contas do sr. Medina Carreira» e «A falácia dos “cortes na despesa"»

http://resistir.info/v_carvalho/contas_m_carreira.html

http://resistir.info/portugal/falacia_dos_cortes.html
-------

Há várias formas de fazer CONTAS e todas elas certas em termos matemáticos.
Mas a matemática e a econometria sua derivada
NADA têm que ver com a ética, a economia política sim e é esta que abordamos ao fazer contas.


Comentar post