NÃO SE INCOMODEM, ACOMODEM-SE

A situação de crise que vamos vivendo teve a virtude de ter trazido à ribalta do nosso vocabulário corrente um termo verbal da maior importância e muito pouco usual anteriormente.

As exigências colocadas pelo PSD para viabilizar o Orçamento de Estado de 2011 e a que o Ministro das Finanças se viu obrigado a arranjar maneira de ACOMODAR, tiveram, pelo menos, a virtude de trazer um enriquecimento verbal da língua portuguesa, de uso diário.

Acomodar, segundo o dicionário universal da língua portuguesa -Porto Editora significa:

Que outro termo mais adequado poderiam ter arranjado? Nenhum, está claro.

Acomodar, como se pode ver, tem um enorme alcance, grande abrangência e muita flexibilidade. Tudo o que os políticos dos nossos dias mais necessitam.

Foi tudo isso que o governo de José Sócrates, tendo como homem do leme da navegação à vista o Ministro Teixeira, com mais ou menos dificuldades, conseguiu acomodar a maioria das exigências colocadas pelos Sociais Democratas, tendo como “moeda” de troca deixar passar o Orçamento proposto pelo PS com o qual nos irá des)governar no próximo ano, além de permitir o fecho das contas do descalabro governativo de 2010 onde o fundo de pensões da PT desapareceu antes de ter entrado. Coisitas de BPN`s e SLN,s e outras.

Do mesmo modo, e por igual via, também, Passos de Coelho conseguiu acomodar os seus pares às ziguezagueantes propostas apresentadas pelo governo socialista. É que, tanto nos dias presentes como nos de futuro que se avizinham, a situação não estará para brincadeira e as alternativas no horizonte são nenhumas.

Acomodaram-se, com a iniciativa de última hora da bancada socialista onde os deputados se acotovelam uns aos outros ou mesmo o próprio líder, as exigências colocadas pela CGD onde muitos dos excelsos quadros saídos de cargos governativos hibernam esperando novos dias soalheiros.

Acomodaram-se os Hospitais e outras empresas públicas, onde se não consegue vislumbrar quaisquer vestígios de redução de custos e gastos por vezes supérfluos de mordomias desnecessárias onde até se chegam a fazer contratos de modo a permitirem que sejam recebidos dois ordenados.

Acomodaram-se assessores nas autarquias depois de terem recebido, junto do fundo de desemprego, a totalidade dos subsídios a que, hipoteticamente, teriam direito de modo a criarem os seus próprios projectos empresariais.

Acomodaram-se muitos secretários de Estado e outros governantes na aprovação de projectos e compras públicas, junto de empreiteiros e fornecedores.

Acomoda-se a população com os aumentos de impostas e taxas mais diversas aplicadas nas facturas da água, do gás e electricidade como ainda da redução dos rendimentos ou com a perda dos salários fazendo exercício cada vez maior na gestão caseira. Quem já não tenha dinheiro para frequentar o ginásio entretenha-se a acomodar o aperto do cinto que eu sinto que melhores dias demorarão a chegar, pelo menos para a maioria da população portuguesa.

As crises, como sempre, são más para a maioria, mas sempre houve quem com elas enriquece-se.

Não se incomodem, acomodem-se. Vivemos tempos tais que até anda muita gente a tentar acomodar-se em torno de um cadáver chamado Sá Carneiro, sem respeito pelo rigor e coerência do que foi a pessoa no seu percursos político, quer na ala liberal do velho regime como no pouco tempo de democracia em que viveu.

Tentam ressuscitar o homen, ainda que saibam só ser possível metaforicamente, e com ele a velha AD realizada em 1979. Só que os tempos como as pessoas são muito diferentes, sobretudo nos seus acomodares...



Publicado por Zé Pessoa às 00:21 de 09.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO