Segunda-feira, 20.07.09

Os partidos da oposição sentem-se desarmados, não têm programas credíveis e apostam no dizer mal, mas sabem que aí a sua credibilidade não aumenta muito. Daí estarem há muito a recorrer aos diversos sectores organizados em que têm influência para que o oposicionismo venha de outros lados aparentemente não partidários.

Os comunistas têm utilizado os sindicatos para uma verdadeira guerra de guerrilhas apontada principalmente ao Estado e a qualquer reforma ou melhoria do mesmo. O PSD recorre às organizações patronais onde tem alguns dos seus homens de mão e agora ao Automóvel Clube de Portugal (ACP), cujo presidente, Barbosa, tornou-se num opositor ordinário e estúpido do PS.

Em resposta ao êxito que foi trazer uma fábrica de baterias de iões de lítio para automóveis eléctricos e ao anúncio de um subsídio para reduzir o preço das referidas viaturas, o tal de Barbosa teve uma posição altamente ordinária, dizendo que Sócrates estava a brincar e aquilo tudo era uma demagogia eleitoral como se a Nissan-Renault estivesse interessada em brincadeiras ou demagogias.

Já na questão do Terreiro do Paço, o Barbosa confundiu tudo e pretendeu que o facto de o pedido de uma providência cautelar dar entrada num tribunal é já uma concretização judicial da mesma providência e qualquer obra da CML na zona deveria ser suspensa. O tal de Barbosa foi eleito presidente do ACP, mas não presidente da CML e ninguém sabe o que lhe passou pela cabeça.

Barbosa pretende agora que o Estado suspenda durante dois anos ou mais o Imposto Automóvel. O homem esquece que o Instituto de Seguros de Portugal declarou há não muito tempo que há em Portugal 5,8 milhões de seguros válidos de viaturas ligeiras, o que é uma das taxas mais elevadas da Europa. Os portugueses endividaram-se para comprar casa e carro. Deixem-nos pagar as dívidas, muitas das quais vieram de fora, e continue-se com os impostos como estão que não impediram que os portugueses tenham por mil habitantes 20% mais automóveis que os espanhóis.

As 3,8 milhões de famílias portuguesas possuem 5,8 milhões de viaturas e 6,15 milhões de unidades habitacionais independentes. Não podem ter mais. Apesar da crise, os carros em segunda mão vendem-se a preços bastante baixos e as vendas de viaturas novas sofreram uma quebra salutar de uns 25% este ano, o que é importante porque os carros são importados. De resto, acontece em toda a Europa e nos EUA.

Barbosa quer proteger os lucros dos importadores quando o mercado está saturado com imposto ou sem imposto e Portugal não é suficientemente rico para atirar para a sucata uns milhões de automóveis ainda em excelente estado de conservação como acontece com o meu que tem seis anos e anda como se fosse novo. Além disso, está a tornar-se num braço ou filial política do PSD da Manuela Ferreira Leite. Vou mesmo deixar de ser sócio.

As famílias portuguesas são muito poupadas; no final do ano passado deviam à banca 114 mil milhões de euros, mas os seus activos estavam calculados em 675 mil milhões de euros, portanto em cerca de seis vezes mais. Há, contudo, famílias em dificuldades e vários programas para apoio na prestação ou renda da casa; houve o aumento do abono de família, o complemento de reforma para idosos, o RMI, etc.


MARCADORES: , ,

Publicado por DD às 22:31 | link do post | comentar

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS