Desgoverno, selvajaria social e sindicalismo (pseudo ou avençado)

        Crime,  digo  eu     (-por V.Dias, 1/7/2014, tempo das cerejas2)

Balanço muito incompleto de uma guerra impiedosa
Este resumo que hoje vem na primeira página do DN fala por si e dispensa mais comentários porque são 14 linhas explosivas sobre a selvajaria social de um governo e da sua política, pelo que tudo mais é acessório.   Mas não possa deixar de registar e lamentar que o jornal que tem o mérito de fazer esta síntese e de a levar para a primeira página remeta o seu desenvolvimento para uma secção chamada «BOLSA».  Eu sei que, vinda de mim, esta observação é perfeitamente falar para o boneco porque já há muitos anos critiquei que reivindicações ou lutas dos trabalhadores fossem tratados em jornais na secção «Negócios» e ninguém emendou a mão criando uma secção «Trabalho».
---------

Alternativa ... ( PS / UGT )...  é isto  ?!!      (-por J.Simões, derTerrorist)

 

      João Proença, ex-secretário-geral da UGT, da UGT da assinatura do Código do Trabalho, no Secretariado Nacional de António José Seguro, de António José Seguro do apoio do PS à "reforma do IRC", de António José Seguro apoiado por Carlos Silva, secretário-geral da UGT, da UGT em negociação com o Governo para o fim da contratação colectiva.

     João Proença que ainda antes de sair se mostrou muuuuuito indignado por o Governo não cumprir o assinado com a UGT e até ameaçou denunciar o acordo. Aguardemos.

    Carlos Silva que está muuuuuito preocupado com a criação de emprego mas, como é homenzinho responsável e prenhe de "sentido de Estado", vai dar o aval da UGT à liquidação da contratação colectiva, esse entrave que impede os patrões de criar emprego e de contratar ao desbarato. Ao desbarato e a preços justos e regalias sociais inimagináveis para o comum dos portugueses, habituados que estão a viver em regime de exploração socialista desde 1974.

     Só [ainda] não sabemos se Carlos Silva depois de pedir autorização a Ricardo Salgado para avançar para a liderança da UGT repetiu a façanha antes de apoiar António José Seguro nas primárias do Partido Socialista.

 --------

No país da amiguismo e do empurrãozinho na carreira e dos medíocres no estrelato porque pertencem à família



Publicado por Xa2 às 07:42 de 02.07.14 | link do post | comentar |

APOIOS SOCIAIS, ENTRE AS NECESSIDADES E O FACILITISMO SUBSIDIÁRIO

A falta de portas lacadas em branco...

Já por diversas vezes e pelas mais diferentes razões aqui, no LUMINÁRIA, se escreveu sobre os pertinentes, necessários e justos apoios sociais a muitas famílias e desvalidos de capacidades económicas próprias.

Há anos que as populações da freguesia de Carnide e arredores esperam pela construção do necessário e digno Centro de Saúde. Há vários anos (desde o mandato de João Soares) que a autarquia lisboeta determinou os respectivos terrenos para essa construção. São diversas as tentativas de realojamento das famílias (avos, pais, filhos e netos) circenses e outros “artistas” que se acumulam junto da Casa do Artista.

Os argumentos para a escusa da mudança são os mais variados e, por vezes, inusitados chegando ao ponto de servir como desculpa, de não aceitação do apartamento proposto, o facto de as portas interiores não estarem lacadas de branco.

Uma coisa são as necessidades e a satisfação das mesmas, outra bem diferente é o regabofe e os oportunismos que por aí grassam abusivamente e sem qualquer controlo.

Entre as demagogias do CDS e os excessos do Bloco é urgente, é necessário, encontrar um meio-termo entre os apoios e os respectivos controlos dos dinheiros/bens publicos com a, concomitante, responsabilização de quem tais apoios recebe.

Há demasiada gente a receber casas entregues pelas autarquias, como recentemente foi do conhecimento público, circunstância muitas das vezes agravada pelo facto das parcas rendas não serem pagas, o património desrespeitado e destruído, além dos vícios criados que se perpetuam nas famílias e sociedade.

Já por aí se afirmou que é necessário fazer um rigoroso controlo sobre a composição e o modo de vida das famílias que recebem apoios das diversas entidades e qualquer que seja a sua natureza. Não pode continuar a ser possível entregar casas a quem delas não tenha necessidade ou a quem as não cuide ou dar alimentos a quem os espalhe pela rua. Permitir tais situações, os putativos apoios, tornam-se em má formação tanto de adultos como de crianças.



Publicado por Zé Pessoa às 00:08 de 26.07.10 | link do post | comentar | ver comentários (8) |

Novos paradigmas de apoios sociais precisam-se

Um desafio que o novo governo, em cooperação com as autarquias e outros organismos, deve enfrentar é o reequacionamento de certos apoios sociais.

O reenquadramento do próprio papel das Instituições privadas de solidariedade social e, concomitante, a coordenação do trabalho por cada uma delas desenvolvido urge e necessário, por forma a não se sobreporem apoios que acabam por ser desaproveitados se não, mesmo, a cair no lixo.

Debater se é Rendimento Mínimo ou de Inserção não é o fundamental, não é o nome que mais importa. O que interessa é o conteúdo e a forma quer quanto aos valores em causa como, sobretudo, quanto ao método de atribuição.

O princípio de uma boa gestão de dinheiros públicos nunca deverá ser só fundamentado no apoio social através da atribuição de subsídios mas sim através da criação de postos de trabalho e da prestação de serviços à comunidade quer através das autarquias como de movimento associativo credibilizado para promover actividades quer de acompanhamento a idosos a jovens e a crianças nomeadamente através de actividades culturais de lazer e troca de experiencias entre gerações. Os recentes números de fraude divulgados pelos serviços do Ministério do Trabalho e Solidariedade Social vêm dar razão a algumas críticas que por aí abundam.

Algumas críticas por parte de certas figuras de direita, que quando são governo não aplicam o que na oposição afirmam, não deixam de ter fundamento no essencial da questão. É facto que, culturalmente, na sociedade portuguesa, tem sido empurrada muita gente, com capacidade para o trabalho, para o ócio. As pessoas em situação de desemprego e a receber subsidio do mesmo, já reclamam, entre dentes e com os mais próximos, quando são chamadas a fazer formação. Não sendo menos verdade que muita da formação dada é fraca, imprecisa e ineficaz, quase a só justificar a remuneração dos formadores e pouco mais.

Não vale a pena enterrar a cabeça na área como avestruzes, é necessário alterar a filosofia de apoios a desempregados e a quem não tem formação nem competências suficientes para enfrentar desafios novos, mas o que se passa em muitos bairros sociais constituem paradigmas que urge alterar por forma a tornar as pessoas autónomas social e economicamente, produzindo para elas próprias os rendimentos de que necessitam ainda que os organismos estatais ou de solidariedade lhes tenham de proporcionar o modo e os meios dessa aquisição.

Subsídios, sem qualquer esforço ou contrapartida de responsabilidade produtiva, só a idosos e doentes, só a situações de comprovado infortúnio a que a sociedade, no respeito pelo contrato social para com o Estado democrático e solidário, tem por obrigação proporcionar o necessário a uma vida digna.


MARCADORES: ,

Publicado por Zé Pessoa às 00:05 de 14.10.09 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO