O estranho caso do candidato Nobre

O estranho caso do candidato Nobre não é tão estranho como isso. Ele é afinal a ilustração do velho ditado popular de que mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo.

Quem se limite a colher as aparências, verá na entrada de Fernando Nobre numa lista do PSD uma traição. E se fizer uma recolha atenta de declarações anteriores do azougado clínico encontrará amplo material para ilustrar a grande distância que existe entre o que repetidamente disse e o que agora fez. Mas quem conseguir desembaraçar-se da cortina de ilusionismo político de que o candidato se envolve, poderá ver com nitidez que tudo o que rodeia este caso é afinal bem mais simples.

De facto, hoje é evidente qual é o lugar ideológico-político do escudeiro do candidato miguelista ao inexistente trono de Portugal. É o que corresponde à sua opção monárquica e ao seu apoio a Durão Barroso e a António Capucho. Os apoios a Mário Soares, ao Bloco de Esquerda e a António Costa não passaram de manobras destinadas a dar uma maior aparência de realidade ao embuste que Fernando Nobre viria a urdir, lançando uma candidatura presidencial que fingiu ser uma componente discreta, moderada e aberta da esquerda, quando afinal era uma auxiliar disfarçada da direita, dirigida, no essencial, a facilitar a vida a Cavaco e a confundir as coisas no seio das esquerdas.

E terá sido o relativo êxito dessa operação de ilusionismo presidencial que terá levado o PSD a tentar explorar o mesmo equívoco. E para dar verosimilhança à ocultação da matriz direitista de Nobre, achou que podia instrumentalizar um alto cargo do Estado democrático para ficcionar a importância de Nobre, ao mesmo tempo que dava a aparência de realidade ao seu alegado suprapartidarismo. Mas como acontece com os ilusionistas que repetem o mesmo truque, as aparências apagaram-se perante a realidade, nesta segunda tentativa, ou nesta tentação de insistir na realidade de uma ficção vinda de trás.

E Nobre foi afinal reduzido à quilo que realmente é : uma personalidade política e ideologicamente de direita que concebeu o embuste de se fazer passar por um candidato presidencial contidamente de esquerda. Embora fosse um verdadeiro seguro político de Cavaco, era sempre apresentado como um dos potenciais causadores de uma ida de Cavaco à segunda volta.

A força das coisas mostra agora que tinham razão todos aqueles que chamaram a atenção para a presença, nas camadas menos aparentes do discurso político de Nobre, de muitas marcas identificadores do conservadorismo ideológico e do reaccionarismo político. De facto, Nobre é um político bem impregnado pelos dogmas e tiques da direita clássica, com uma maquilhagem oportunista de esquerda, propositadamente feita para enganar os eleitores. Por isso, ele não representa nenhuma abertura à esquerda praticada pelo PSD, mas apenas uma tentativa patética de insistir num embuste que deu eleitoralmente algum resultado nas eleições presidenciais.

Tal como aconteceu antes, há quem tente branquear a ostensiva rasteirice desta manobra política que envolve Nobre e Passos Coelho, invocando o currículo humanista do médico sem fronteiras. O mérito e o valor social do seu envolvimento em causas solidárias não está em causa, como o não está o de milhões de pessoas que em todo o mundo se ocupam desse tipo de tarefas. Mas o mundo não está dividido em anjos que seriam esses e demónios que seriam os outros; no mundo, mais prosaicamente, vivem pessoas com virtudes e defeitos, sendo certo que fica longe da excelência ética qualquer tentativa, subtil ou não, para fazer render em termos de prestígio que se usará (por exemplo, na política) o trabalho solidário realizado. Ora Nobre só não é um verdadeiro perito nessa utilização, porque vai longe demais na sofreguidão de tornar visível o seu envolvimento em missões solidárias. Não é um hábito decente.

O envolvimento da Presidência da Assembleia da República na tentativa de o PSD prolongar o embuste de Nobre, mostra a completa a ausência de sentido de Estado das personagens que urdiram essa farsa e a fraca qualidade do seu civismo. É aliás irónico e revelador que o seráfico Nobre se tenha envolvido num enredo tão sórdido. A imensa maioria dos políticos inscritos nos partidos, que ele tanto abomina, não teriam estômago para ir tão longe.

Rui Namorado [O Grande Zoo]



Publicado por JL às 00:07 de 17.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Viram por ai o Anibal?


Publicado por JL às 00:01 de 17.04.11 | link do post | comentar |

Desaparecido


Publicado por JL às 12:38 de 15.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Sugestão

Uma sugestão ao Senhor Presidente da República e aos que reclamam um seu maior protagonismo.

Acho espantoso como tanta gente ainda reclama do Presidente da República uma maior intervenção para um necessário entendimento partidário que permita negociar a "ajuda externa" a uma só voz.

Eu, que sou parlamentarista convicto e defendo um governo de coligação desde o momento em que o PS não conseguiu maioria absoluta nas últimas eleições legislativas, parece-me bem melhor que Cavaco Silva se abstenha de qualquer intervenção e o necessário entendimento seja conseguido com recurso exclusivo ao diálogo interpartidário.

É que se formos bem a ver, sempre que o actual Presidente da República decide deixar episodicamente o seu "anonimato" e assumir algum protagonismo, é certo e sabido que nada de muito positivo se pode esperar. Querem provas?

Pois foi o que aconteceu com o Estatuto dos Açores (onde até conseguiu desbaratar alguma razão que lhe assistia), o triste caso das "escutas", a audiência aos representantes da oposição madeirense numa sala de hotel, as críticas a Mª de Lurdes Rodrigues e Correia de Campos, os discursos de vitória e de posse, as "fantasias" (ou serão rapsódias?) húngaras e assim sucessivamente. Difícil, difícil mesmo é descobrir quando a sua intervenção se terá saldado por um qualquer sucesso e não por um fracasso rotundo.

Por isso mesmo, e bem vistas as coisas, é melhor que o senhor Presidente se deixe ficar lá quietinho, no "rimanço" do lar, e não se arrisque ainda a contribuir mais para a asneira que já por aí vai que chegue. Olhe, tire férias e apareça lá para Julho para dar posse ao novo governo! Mas em silêncio! Entretanto nós, os cidadãos, iremos passando lá pela sua página do Facebook ou pelo "site" da Presidência para sabermos se continua a gozar de boa saúde. Vale?

JC [O Gato Maltês]



Publicado por JL às 00:08 de 15.04.11 | link do post | comentar |

Em troca de quê?

Uma testemunha revelou em tribunal que o ex-presidente do BPN vendeu, em 2001, a Cavaco Silva e à sua filha 250 mil acções da Sociedade Lusa de Negócios, a um euro cada, quando antes as adquiriu a 2,10 euros cada à offshore Merfield.


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 22:16 de 13.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

A ser verdade...

A ser verdade o que se lê aqui, restam três conclusões:

1. O silêncio do Sr. Silva, presidente de uma facção de portugueses, mostra ou falta de capacidade para "ler" a evolução económica do país ou tacticismo em desfavor (mais uma vez) do Governo. Entre ser-se incompetente e traidor dos interesses do país, venha o diabo e escolha;

2. Passos Coelho, ao contrário do que passou na comunicação social e do que o próprio afirmou, foi afinal contactado antes da apresentação do PEC IV, mas recusou qualquer diálogo. Ou seja, a acusação de que este governo não fez os possíveis para negociar o PEC cai por terra. E confirma-se o desejo de PPC e do actual PSD em derrubar, o quanto antes, com ou sem rasteiras, o governo para ir ao pote; e

3. Há muita gente que insiste, mesmo à beira da falência, em colocar os interesses próprios à frente dos interesses nacionais e colectivos. E esta gente sempre ficou na História pela negativa. Mas, graças às suas limitações, não compreendem este facto histórico.

Ricardo Sardo [Legalices]



Publicado por JL às 14:56 de 09.04.11 | link do post | comentar |

Preocupa-me o silêncio de Cavaco

A crise política começou e Cavaco não disse nada.

O Sócrates ameaçou demitir-se e Cavaco nada disse.

O Sócrates demitiu-se mesmo e Cavaco continua sem nada dizer.

O governo fez um pedido de ajuda financeira à União Europeia e Cavaco não diz nada.

Pergunto, não será melhor alguém passar lá em casa a ver se está tudo bem?

Nos dias de hoje todo o cuidado é pouco com idosos sozinhos em casa.


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 23:11 de 06.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Alerta! Cavaco é um perigo!

Afastem-se! Com as tremuras não acerta no alvo!


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 12:06 de 05.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

NINGUÉM O LEVOU A SÉRIO

Para quem tinha como um dado adquirido, que o homem era um mentiroso compulsivo, ficou com a criança nos braços.

Sócrates, é certo, nem sempre falou a verdade (como todo e qualquer cidadão que se preze) e muitas vezes se enganou (ao contrário de certa pessoa que um dia afirmou que “eu nunca me engano e raramente tenho duvidas”) enganando, também com isso, o povo, em nome de quem governava. Por isso, quase, ninguém o levou a sério quando afirmou que o chumbo do PEC IV, (o apresentado ou outro qualquer, como afirmou estar disposto a negociar) significaria a sua demissão de 1º Ministro.

O PS poderá sofrer com ele e muito, mas o país sofre com todos inclusive com a incoerência (atentas as suas próprias palavras) da posição de Aníbal Cavaco Silva que não conseguiu colocar acima de todas as quezílias e querelas partidárias e pessoais os “soberanos interesses de Portugal”. Damos uma imagem interna e internacionalmente que o país não necessitava nem merecia.

Agora aí está o resultado, tanto mais que o Presidente da Republica, também, não esteve à altura de ter sido capaz de ultrapassar as suas próprias “comezinhas” questiúnculas pessoais e ter exigido que, no âmbito da Assembleia da Republica, se tivesse encontrado uma saída para a crise, sabendo-se que tal inépcia nos atiraria para o lixo do mercado financeiro internacional e, até como sociedade.

O Presidente deveria ter sido capaz (não fora ter tido uma atitude em causa própria, pelo menos da fama, disso, não se livra por mais justificações que venha a argumentar) de, no próprio dia em que viu recusada a proposta do, famigerado, PEC IV, declarado publicamente que a sua exigência e que o país teria acolhido de bom grado era a de que os partidos no âmbito da Assembleia se entendessem na constituição de um governo alagado e capaz de responder aos desafios do momento.

 

P.S. (1)

A Islândia, que depois da crise da banca rota a que teve de fazer face (que tal como por cá teve contornos criminosos), levou o respectivo governo local a anunciar aumentos de impostos, cortes sociais, cortes salariais, forte agravamento da inflação, enfim a receita do costume imposta pelo FMI.

Só que o povo não gostou e não se limitou a lamuriar mas concentrou-se, ininterruptamente, em frente ao seu parlamento até obrigarem à queda de um governo conservador e foram às urnas votar, chumbando estrondosamente a política que era a de salvar bancos falidos e corruptos à custa de quem trabalha.

Das respectivas eleições saio uma coligação entre a Aliança Social-Democrata e o Movimento Esquerda Verde, chefiada por uma mulher, Johanna Sigurdardottir, a actual chefe do governo, foi equilibrando as finanças do país e saiu da recessão.

O povo, pela pressão e exercício de cidadania, impôs um estilo de governança diferente e os responsáveis internos pelas dívidas foram responsabilizados, abriu-se “caça” aos suspeitos de fraude e falsificação de documentos, que sacrificaram a Islândia e o próprio procurador-geral, fugitivo, já foi convencido a regressar ao país, a população sente que está a fazer-se justiça e a falar-se verdade.

A actual coligação islandesa criou uma assembleia de 25 cidadãos sem filiação partidária que foram eleitos entre 500 advogados, estudantes, jornalistas, agricultores, representantes sindicais, entre outros.

As contas de toda a estrutura dos Estado, seja local ou central, são tornadas públicas, bem como toda a area de negocios e contratos.

Esta genuína revolução pacífica está sendo omitida, quase completamente desaparecida dos órgãos de comunicação social e, os habituais comentadores de serviço, não lhe têm dado o merecido relevo. Ironias e estranhas coincidências a contrastarem com o atribuído às agências de rating e ao FMI.

P.S. (2)

O jornal “Público” noticiou, no dia 3 do corrente, que o líder do PCP disse esperar que as eleições legislativas permitam um governo patriótico de esquerda, e que o partido está disponível para fazer alianças com o BE, depois das eleições, desde que este clarifique os seus objectivos.

Uma verdadeira coligação à islandesa, só falta saber qual é o programa e se o PS (de Sócrates) também estará disponível para tal desafio.



Publicado por Zé Pessoa às 00:04 de 05.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (338) |

Tempos (ainda mais) difíceis

O tempo que vivemos não é seguramente dos mais brilhantes da nossa História. Nem tanto pelas dificuldades, que são enormes mas não inéditas. As atitudes que vamos observando em quem tem responsabilidades é que nos fazem descrer da possibilidade de rapidamente unirmos esforços para vencer a crise.

Vejamos: tudo começou em 2009 com a vitória do PS e de Sócrates sem maioria absoluta. Toda a Oposição viu aí a primeira oportunidade de vergar o primeiro-ministro, e a verdade é que alguma arrogância dos tempos da maioria absoluta terá contribuído para um sentimento muito generalizado de que faltava humildade ao primeiro-ministro. O próprio Cavaco Silva - e com ele muitos barões do PSD - viram aí a ocasião de retribuir o sufoco em que tinham vivido nos últimos anos, estando ainda fresco na memória a forma como Manuela Ferreira Leite tinha sido sucessivamente cilindrada.

Cavaco Silva deveria ter nessa altura iniciado a sua tarefa de conciliador, de agregador, deveria ter tentado que se formasse uma maioria que garantisse vida longa ao Governo. Não o fez. Sócrates disse-se aberto a alianças, mas não foi nem convincente nem disponível para abdicar de algumas das suas propostas. Teve o que se sabe. A Oposição, em alianças negativas, foi destruindo diplomas, impondo políticas. Ainda agora, o Governo acabado de se demitir, as alianças negativas mataram a avaliação dos professores e revogaram medidas do Executivo para os medicamentos. Mas o Governo foi, como se costuma dizer, passando entre os pingos de chuva, sabendo que dificilmente seria destronado por aliança do PSD com a Esquerda do PCP e do Bloco. Veio a crise. Com ela, o bom senso de Passos Coelho, entretanto chegado à liderança do PSD. Um PEC e mais outro e mais outro. Até que, depois do violento discurso de posse de Cavaco Silva e perante o desdém de Sócrates que agiu como se não precisasse de apoio parlamentar nem devesse informar o presidente, o PSD cortou o apoio e lá vamos nós para eleições, provavelmente no momento menos adequado. Aqui ao lado, os espanhóis vão no quinto PEC, num crescendo de austeridade.

Vamos para eleições no preciso momento em que as agências de rating vão tornando o crédito a Portugal cada vez mais oneroso. Sócrates apostou tudo na rejeição do FMI. Apostou em que a Europa se chegaria à frente antes que o FMI fosse necessário. Mas a Europa foi esticando a corda e quando parecia que talvez pudesse dar razão a Sócrates, a Finlândia - um dos elos fortes da solução europeia - vai inesperadamente para eleições. As contas do primeiro-ministro caem pela base. Erro de cálculo, claríssimo.

Agora, com Governo de gestão, Sócrates diz que não pode chamar o FMI - até aqui o Governo não queria - Passos Coelho diz que sim e Cavaco diz que sim também, acrescentando - pela primeira vez - que as agências de rating exageram na pressão que fazem. Mas já exageram há muito. Interessou pouco dizê-lo noutras alturas, como certamente também já poucos ouviram, perante a correcção do défice - a Europa dizer que Portugal não mentiu nas contas, porque já todos entraram na fase das acusações.

Não é preciso dizer quem é o mexilhão desta história. Mas é preciso dizer que com os três principais protagonistas portugueses acontece só isto: Cavaco não gosta de Sócrates e ainda não confia (ou melhor, ainda desconfia) em Passos Coelho. Sócrates tem para com Cavaco sentimentos recíprocos aos do presidente para com ele e com Passos disputa o mesmo lugar, o que desde logo os afasta. Entre Passos e Cavaco há um fosso geracional, há um passado de separação, restando o respeito devido a uma linha comum e, acima de tudo, a oportunidade política. É pouco. Entre os três não haverá muito a fazer. Da cena política, restam dois dirigentes de Esquerda: um, fiel ao seu eleitorado e fazendo um caminho previsível mas certeiro na defesa dos seus; o outro, menos previsível, mas em sentido único, o sentido do protesto, nunca o sentido do contributo para que algo se construa. Resta, mais à direita, Paulo Portas, por ora na expectativa de saber se o PSD vai precisar dos seus votos ou não, mas coerentemente pronto para agravar a factura por cada dia que passa sem o PSD se aproximar.

E é assim que, a um mês e pouco das eleições estamos como em 2009, à parte uma situação económica sem paralelo: ou um partido, ou uma coligação tem maioria absoluta ou amargaremos ainda mais a nossa sorte. Os líderes em presença serão incapazes de aproximações e o presidente continua sem margem para intervir. Ou alguém dá um passo durante a campanha eleitoral ou o pior está para vir.

José Leite Pereira [Jornal de Notícias]



Publicado por JL às 13:58 de 04.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Ele anda a ouvir coisas...

Já todos sabemos que o país se encontra mergulhado numa profunda crise...

défice, PECS, desemprego/precários, juros, combustíveis, SCTUS, crise política, FMI/FEEF, …

Agora só faltava isto...

O homem enlouqueceu!

Era só o que nos faltava...


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 11:33 de 03.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

MÁRIO SOARES

Entre a angústia e a ingenuidade

Naturalmente que uma velha raposa da politica como, obrigatoriamente, se terá de reconhecer a Mário Soares é muita ousadia estar a atribuir-lhe o epíteto de ingénuo.

Contudo e, admitindo memo que o tenha feito conscientemente, não deixou de ser oportuna a sua, pública, angustia manifestada no artigo que acaba de fazer publicar, na sua habitual crónica no DN e que aqui se poderá ler. Fê-lo tendo em conta a gravíssima situação, de deficit público e recessão económica, em que o país se encontra e que o bom senso deveria levar os partidos (chamados pelo Presidente) a formar um governo de coligação multipartidária sem necessidade do recurso antecipado a eleições. Infelizmente e para nosso mal não será lido nem escutado com a assertividade que as circunstancias o exigem.

Ingénuo porque parece ignorar, ou não ter percebido, a real intenção (os factos demonstram-no) das referidas declarações produzidas por Cavaco Silva, no discurso da sua posse, quando se comprometeu a “exercer uma magistratura de influência activa.” Essa e outras declarações do mesmo discurso foram, elas próprias, o exercício da influência activa visto que as mesmas, partir desse momento, impulsionaram Pedro Passos Coelho e o PSD para desenvolver toda a actividade seguinte e que irá continuar. Cavaco foi tão-somente o impulsionador dessa actividade, os multiplicadores passaram a ser, a partir daí, toda a oposição com o PSD ao leme.

Cavaco Silva nunca esteve tão activo como está actualmente, ainda que se não oiça, se não veja e se não sinta. Ele anda por aí, vai estar na queda do governo, vai estar na marcação das eleições, vai estar na escolha do próximo governo e até de alguns ministeriáveis.

Como diz o poeta, só que desta vez é o corpo e, também, o povo é que paga.



Publicado por Zé Pessoa às 14:02 de 22.03.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

O Presidente do Conselho regressou?

 “Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais ao futuro do país com a mesma coragem, o mesmo desprendimento e a mesma determinação com que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar”, afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva.

Dizer que quem foi alistado para a guerra de África o fez com 'desprendimento' , 'determinação' e 'coragem' e que essa guerra foi, por analogia, 'uma missão ou causa essencial ao futuro do país' ultrapassa tudo o que devíamos estar dispostos a ouvir de um presidente da república em democracia.

Não está obviamente em causa discutir o sentido de homenagear quem combateu e morreu numa guerra estúpida e criminosa, ainda que com a noção de que muito de pavoroso se fez em nome da ditosa pátria bem-amada, mas pedir aos jovens de hoje que sigam o exemplo dos que foram obrigados a combater, a matar e a morrer numa guerra sem sentido ecoa, sem distância, o 'para Angola e em força' do Presidente do Conselho no Terreiro do Paço.

Isto é inaceitável e insulta a memória de todos os mortos e estropiados desta guerra. Nada, mesmo nada do que até hoje ouvi a Cavaco chega perto desta enormidade. Este homem não está, definitivamente, à altura do cargo que ocupa.

f. [Jugular]

 

Cavaco está mesmo doente. Treme. Está senil. Diz baboseiras. Fala daquilo que desconhece porque não soube o que foi passar pelo teatro de guerra no Ultramar. Ultraja não só a memórias das pessoas cujos familiares morreram naquela guerra injusta como aqueles que ainda hoje muito sofrem pelas situações horrorosas que por lá passaram e pelos problemas motores que ficaram para o resto das suas vidas.

Fui para o Ultramar forçado/obrigado, borrado/com medo e com uma única preocupação: regressar são e salvo, tudo fazer para salvar a minha pele. Esta era a minha determinação.

Recordo um dos actos dominicais, o içar da bandeira nacional portuguesa com toda a companhia perfilada. Uma cerimónia de um enorme simbolismo e respeito. Sabíamos que naquela terra a bandeira nacional era a única coisa que nos ligava à Pátria (Portugal).



Publicado por JL às 22:56 de 15.03.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

É precisa uma pedrada no charco

...

Está, pois, na hora, de obrigar cada um a assumir as suas responsabilidades. Não vale a pena conversar com o PSD, porque o PSD não existe. Existe Passos Coelho, que quer qualquer coisa que evite a descida de Rui Rio à capital, e cujo principal exercício político é disfarçar. Disfarçar as políticas que quer tentar, resumidas no “salve-se quem puder”. Existe Rui Rio e os que querem um PSD “credível” para tomar conta da intendência, mas que ainda não acabaram de ultimar o plano de assalto ao palácio de inverno. E existe o chefe da oposição, que reside oficialmente em Belém.

Assim sendo, Sócrates, como PM e SG do PS, deve ir a Belém e dizer a Cavaco Silva: “o senhor Presidente acha que os portugueses não podem fazer mais sacrifícios; os seus aliados nas instituições europeias passam os dias a exigir-me que peça mais sacrifícios aos portugueses; os seus aliados nos partidos portugueses concordam consigo que isto vai lá sem mais sacrifícios – e eu não estou a ver como; o senhor Presidente teve a sua manifestação da maioria silenciosa, que ajudou a convocar no seu discurso de tomada de posse, na sua habitual abrangência política alimentada pela crítica sem alternativa, porque a alternativa é onde a porca torce o rabo; portanto, senhor Presidente, eu vou-me embora, o PS vai para a oposição, que já se esforçou o suficiente, e o senhor Presidente assuma as consequências do seu activismo e arranje uma solução”.

É preciso saber sair a tempo. Sócrates não quer deixar a sua obra por mãos alheias, compreendo – mas o julgamento de Sócrates não terá lugar agora, mas daqui a dez anos, quando as estatísticas mostrarem o que mudou radicalmente por consequência da sua governação. E o grande sobressalto de que o país precisa é ser confrontado com as responsabilidades próprias dos cobardes que falam para não serem entendidos. O chefe de orquestra, que está em Belém, que trate do concerto. Única objecção razoável: o país não suporta uma crise política. A minha resposta: crise ou mudança, como lhe queiram chamar, terá sempre de acontecer antes de o país voltar a entrar nos eixos; assim sendo, que não tarde. O país precisa de uma pedrada no charco do faz de conta. Sócrates pode ser o autor de mais esse serviço ao país, habituado como está a fazer os lances decisivos.

Ler o artigo na íntegra

Porfírio Silva [Machina Speculatrix]



Publicado por JL às 22:58 de 13.03.11 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

Um Presidente mísero

Já tínhamos tido o "sisudo", o "bonacheirão" e o "piegas".

Depois dos discursos na noite eleitoral, passamos a ter o "rancoroso".



Publicado por JL às 14:41 de 25.01.11 | link do post | comentar |

Eu também compro

MARCADORES: ,

Publicado por JL às 00:05 de 25.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Os Silvas de malas aviadas para Belem

MARCADORES: ,

Publicado por JL às 11:03 de 24.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

Não enfie o barrete


Publicado por JL às 21:47 de 21.01.11 | link do post | comentar |

Leitura obrigatória

Tabus de Cavaco


MARCADORES:

Publicado por JL às 21:30 de 21.01.11 | link do post | comentar |

O homem não está bem…

Cavaco diz que prolongar campanha mais três semanas reduz crédito e aumenta taxa de juro.



Publicado por JL às 22:18 de 20.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Todos


Publicado por JL às 19:57 de 20.01.11 | link do post | comentar |

Porque não voto Cavaco

O exercício da política é demasiado nobre para que resulte da coincidência da rodagem de um carro, especialmente quando anteriormente se percorre de táxi as distritais e concelhias do partido, promovendo a candidatura.

É demasiado nobre, para que sistematicamente se tenha dúvida nas decisões polémicas, especialmente quando “nunca se engana e raramente tem duvidas”.

É demasiado nobre para que se negue a relação com amigos que sistematicamente aparecem associados a escândalos e verdadeiros roubos do bem público.

Não consigo votar em quem já foi dispensado, corrido apupado e descredibilizado pelo povo.

Não poderia votar num português que não me inspire confiança. Que me revele o pior do estilo egoísta, invejoso, malicioso e sobranceiro do lado negro do estilo tuga. O mais respeitado do bairro, só porque dizem que é boa pessoa, só porque dizem que é sério e sabe-se lá quem é e do que é capaz.

Especialmente, porque quero querer na vida real, no que vejo e no que sinto. Cavaco é um mito, construído sobre o desaparecimento de outros. Aproveitou-se do desaparecimento de Sá Carneiro e especialmente estuda e adapta o que um povo valoriza quando elege Salazar como o melhor português. Cada passo, cada expressão, cada opinião, são de acordo com o interesse do momento.

Acredito no político genuíno e sincero. Cavaco é calculista, sabe que todos os burros comem palha, só é preciso saber dar-lha. Não responde, não considera, não tem opinião.

Trata-se de eleger um português e convém que o meu voto represente identidade, compromisso e cumplicidade. Não é o caso.

Nenhuma consciência é extremista. Logo não poderia votar num extremista. Especialmente quando disfarçado.

Recebido por email, de um leitor anónimo deste Blog



Publicado por JL às 00:14 de 20.01.11 | link do post | comentar |

Um mundo em rede

Cavaco Silva não mudou substancialmente nada desde que apareceu na política portuguesa. As pessoas é que se vão esquecendo dos pormenores. No plano político, Cavaco Silva é, fundamentalmente, o homem que, acabado de chegar à presidência do PSD, tentou travar a assinatura do tratado de adesão de Portugal à CEE, porque queria ser ele a "ficar na fotografia" de uma glória que não lhe cabia; é o primeiro-ministro que presidiu ao esbanjamento dos fundos comunitários após a adesão de Portugal à "Europa"; o político que usou o dinheiro público para comprar maiorias eleitorais concedendo (em momento "oportuno") à função pública regalias insustentadas no estado da nação; o calculista que pensa primeiro em si, depois em si, depois em si, e só em último lugar pensa nos outros se já não se lembrar de nada em que lhe convenha pensar primeiro em si - o que o faz reincidir na traição aos seus companheiros políticos, apesar de se aproveitar bem dos seus amigos de negócios. Em Portugal (e por esse mundo fora), tudo isso dá votos.

No plano pessoal, para não entrar em conversas desagradáveis - são sempre desagradáveis as conversas sobre tipos que se fazem de santos para melhor explorarem a boa vontade dos outros - basta lembrar este episódio (contado no Random Precision) para compreender quem é o verdadeiro Cavaco Silva. E a sua rede.

Porfírio Silva [Machina Speculatrix]



Publicado por JL às 19:14 de 19.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Nunca mais acaba…

Acredito que Cavaco Silva esteja ansioso pelo fim da campanha, é que não deve ser fácil andar tantos dias a falar verdade ao povo. Tanta verdade também cansa.



Publicado por JL às 00:01 de 18.01.11 | link do post | comentar |

Que Cavaco é este?

Quem segue de perto a campanha para as presidenciais já percebeu que Cavaco Silva endureceu o discurso.

Quase todas as intervenções da última semana incluíram recados ao Governo. Ele foi a admissão de que a eventual vinda do FMI representa um falhanço do Governo; ele foi o reconhecimento de que pode haver crise política grave; ele foram referências a má governação; ele foram críticas aos cortes cegos na Educação e apoios sociais; ele foram críticas ao corte de salários na Função Pública.

O que significa esta mudança? É o Presidente a falar para a sua base tradicional de apoio, que se sente traída por não ter sido mais interventivo no primeiro mandato? É o Presidente a sinalizar que, se reeleito, não vai ser tão tolerante com o Governo? É o Presidente a introduzir outros temas na campanha, tentando sacudir a colagem ao BPN? Talvez seja um pouco de tudo: Cavaco precisa de recuperar a iniciativa e mostrar que tem uma agenda que responde às preocupações de um largo espectro do eleitorado. Até para evitar uma segunda volta… Mas isso é uma coisa; não largar o pé do Governo é outra. Os eleitores não são estúpidos e podem perguntar: mas se não está de acordo porque não falou mais cedo?

Acresce que ao exagerar na crítica Cavaco pode ser acusado de querer dar o poder ao PSD, juntando maioria presidencial e parlamentar. Um tema já glosado por Manuel Alegre, que associou a coincidência entre maioria presidencial e parlamentar a riscos para a Democracia. Uma estupidez (afinal Jorge Sampaio e PS já coincidiram no Poder)? Sem dúvida. Só que sociologicamente mais de 50% do eleitorado português continua a ser de Esquerda.

Camilo Lourenço [Jornal de Negócios]



Publicado por JL às 15:46 de 17.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

não se meta onde não é chamado

(clicar na imagem)



Publicado por JL às 00:29 de 17.01.11 | link do post | comentar |

Na Coelha...bons vizinhos

MARCADORES: , , ,

Publicado por JL às 00:22 de 16.01.11 | link do post | comentar |

A amizade é muito bonita…

Naqueles longínquos anos 80 o Prof. Aníbal Cavaco Silva era docente na Universidade Nova de Lisboa. Mas o prestígio académico e político que entretanto granjeara (recorde-se que havia já sido ministro das Finanças do 1º Governo da A.D.) cedo levaram a que fosse igualmente convidado para dar aulas na Universidade Católica.

Ora, embora esta acumulação de funções muito certamente nunca lhe tivesse suscitado dúvidas ou sequer provocado quaisquer enganos, o que é facto é que, pelos vistos, ela se revelou excessivamente onerosa para o Prof. Cavaco Silva.

Como é natural, as faltas às aulas – obviamente às aulas da Universidade Nova – começaram a suceder-se a um ritmo cada vez mais intolerável para os órgãos directivos da Universidade.

A tal ponto que não restou outra alternativa ao Reitor da Universidade Nova, na ocasião o Prof. Alfredo de Sousa, que não instaurar ao Prof. Aníbal Cavaco Silva um processo disciplinar conducente ao seu despedimento por acumulação de faltas injustificadas.

Instruído o processo disciplinar na Universidade Nova, foi o mesmo devidamente encaminhado para o Ministério da Educação a quem, como é bom de ver, competia uma decisão definitiva sobre o assunto.

Na ocasião era ministro da Educação o Prof. João de Deus Pinheiro. Ora, o que é facto é que o processo disciplinar instaurado ao Prof. Aníbal Cavaco Silva, e que conduziria provavelmente ao seu despedimento do cargo de docente da Universidade Nova, foi andando aos tropeções, de serviço em serviço e de corredor em corredor, pelos confins do Ministério da Educação.

Até que, ninguém sabe bem como nem porquê… desapareceu sem deixar rasto… E até ao dia de hoje nunca mais apareceu.

Dos intervenientes desta história, com um final comprovadamente tão feliz, sabe-se que entretanto o Prof. Cavaco Silva foi nomeado Primeiro-ministro E sabe-se também que o Prof. João de Deus Pinheiro veio mais tarde a ser nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros de um dos Governos do Prof. Cavaco Silva, sem que tivesse constituído impedimento a tal nomeação o seu anterior desempenho, tido geralmente como medíocre, à frente do Ministério da Educação.

Do mesmo modo, o seu desempenho como ministro dos Negócios Estrangeiros, pejado de erros e sucessivas “gaffes”, a tal ponto de ser ultrapassado em competência e protagonismo por um dos seus jovens secretários de Estado, de nome José Manuel Durão Barroso, não constituiu impedimento para que o Primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva viesse mais tarde a guindar João de Deus Pinheiro para o cargo de Comissário Europeu.

De qualquer modo, e como é bom de ver, também não foi o desempenho do Prof. João de Deus Pinheiro como Comissário Europeu, sempre pejado de incidentes e críticas, e de quem se dizia que andava por Bruxelas a jogar golfe e pouco mais, que impediu mais tarde o Primeiro-ministro Cavaco Silva de o reconduzir no cargo.

A amizade é, de facto, uma coisa muito bonita…

Recebido por email



Publicado por JL às 20:35 de 14.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

O (im)poluto Cavaco Silva

Esta campanha presidencial tem servido - ao menos - para desmantelar o mito de seriedade de Cavaco Silva. Tudo o que se vai sabendo sobre ele (até o facto de dizer que não priva com a sogra por se ter casado em segundas núpcias, como que para atestar uma irrepreensibilidade moral) mostra que Cavaco sempre foi o que disse não ser.

E Cavaco continua a não dar explicações:

  1. Não explica como é que ele e a filha conseguiram o "negócio da China" do preço de compra de acções da SLN, um dos negócios que contribuíram para que nós todos estejamos a atirar dinheiro para a fogueira do BPN (já só faltava descobrir-se que nem sequer tinham pago nada pelas acções compradas...);
  2. Não explica como é que desapareceu o seu processo disciplinar por faltar às aulas que deveria leccionar na Universidade Nova (e porque as dava ao mesmo tempo na Universidade Católica) e se isso explica a protecção dada a João de Deus Pinheiro;
  3. Não explica (não se lembra) como é que adquiriu a sua casita de férias no Algarve, num empreendimento originalmente de dinamarqueses que (a acreditar no que vem na Visão), foram levados a desfazer-se do negócio em troca da promessa de não serem accionados criminalmente por dívidas fiscais (isto pouco depois de Oliveira e Costa ter saído dos Assuntos Fiscais), empreendimento povoado pelo BPN e empresas afins, off-shores, vendas as filhos...

Ora, se já se sabe isto com uma imprensa suave, que mais se saberia com uma imprensa menos "respeitadora"?...

Nuno Santos Silva [Arcádia]



Publicado por JL às 19:07 de 14.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

A aldeia do cavaquistão

Na Aldeia da Coelha, Cavaco Silva tem por vizinhos Oliveira Costa e Fernando Fantasia, homens-fortes da SLN.

Um loteamento que nasceu à sombra de muitas empresas e off-shores.

A escritura do lote do Presidente da República não se encontra no Registo Predial de Albufeira. O próprio não se recorda em que cartório a assinou. Um dos promotores da urbanização, velho amigo e colaborador de Cavaco, diz que a propriedade foi adquirida "através de uma permuta com um construtor civil".

[Visão]

 



Publicado por JL às 15:52 de 13.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

O farsante

Cavaco Silva tornou-se num factor de instabilidade e de dúvida” e líder da oposição, digo eu.



Publicado por JL às 23:09 de 12.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (5) |

"EU ERA UM MÍSERO PROFESSOR, MINHA SENHORA" !?

Esta frase que escapa da boca de Cavaco Silva numa entrevista a uma jornalista amiga diz tudo sobre o pensamento político de Cavaco Silva, o seu carácter e o desprezo que nutre por uma importante classe profissional.

Era um mísero professor catedrático que se baldava às aulas na Universidade Nova enquanto as dava na Católica, beneficiando assim de dois ordenados enquanto alguns alunos ficavam sem aulas e prejudicavam a sua licenciatura.

Era um mísero professor catedrático de economia que nada sabia de aplicações de poupanças e desse negócio sabia tanto como um qualquer trolha.

Era um mísero professor que além de vencimento de topo na carreira dos professores ainda acumulava com pensões do governo e do Banco de Portugal.

É um mísero político que tem dos professores uma visão ofensiva para toda a classe e que não hesita em ofender milhares de portugueses só para se armar em ignorante num domínio em que não pode invocar ignorância.

É um mísero político que depois de exercer os mais altos cargos durante mais de quinze anos diz que não é político para não carregar com o estigma de uma classe de políticos corruptos, muitos dos quais foram invenção dele.

É um mísero professor que tem uma luxuosa casa de férias no Algarve.

É um mísero professor que não tem a mais pequena consideração pelos professores deste país, não hesitando em promovê-los a ignorantes para invocar ignorância economia, ele que foi doutorado em York, professor universitário, técnico do Banco de Portugal, primeiro-ministro e Presidente da República.

É um mísero professor que nem tem consideração pela sua profissão e condição de professor doutorado, imagine-se em que conta deverá ter todos os outros portugueses.

É um mísero político que para conquistar a Presidência da República exibe os seus conhecimentos de economia e na hora de esconder a forma como obteve dinheiro fácil disfarça-se de mísero professor que nada sabe de acções.

Resta-nos esperar que os portugueses não escolham um mísero Presidente da República.

[O Jumento]



Publicado por JL às 14:19 de 12.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (13) |

Graffiti


Publicado por JL às 09:47 de 11.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA

A sua dimensão jurídica e a posição de Cavaco Silva face ao estado actual da justiça em Portugal

A Constituição da República, dentro da sua vasta abrangência numa dimensão, eminentemente, antropológica, consagra uma dimensão securitária e garantistica que visa o equilíbrio, dento dos direitos e deveres fundamentais (na sua Parte I) um conjunto de princípios universais, artigos 12º a 22º e os Direitos Liberdades e garantias pessoais de cada cidadão, independentemente da sua idade, credo, ideologia ou condição económica e social, artigos 24º a 47º.

Assim, sem prejuízo dos limites à tutela dos bens jurídicos quando e nas circunstancias de conflitos de direitos de grau idêntico, a liberdade e a segurança de cada um, em particular e de todos, em geral, andam de mão dada, conforme disposto no próprio artigo 27º da lei maxime que rege a nossa conduta individual, social e colectiva.

Muito naturalmente, essa dimensão securitária/garantistica fica por cumprir sempre que outras dimensões, com esta conectada, se não cumpram, como sejam o caso da boa governação e/ou da função judicial com a, concomitante, realização da justiça.

Aos governos, no âmbito da organização do Estado, compete-lhe criar condições e reunir meios para o bom funcionamento dos tribunais. Se os governos não derem (como tudo indica que não vêem dando) cumprimento ao que dispõem os artigos 198º a 201º, independentemente de tais disposições poderem vir a ser melhoradas e clarificadas em ordem a tornar mais clara a responsabilização, pela actual e futura ineficácia da justiça, a governos e a tribunais que na sua função jurisdicional, conforme disposto no artigo 202º lhe compete administrar a justiça em nome do povo.

Certamente que os cidadãos, a sociedade e o Estado sentir-se-iam mais seguros se a tais dimensões (securitária/garantistica e judicial) fosse, atempadamente, dado cumprimento.

Uma revisão constitucional, que seria a sétima, só fará sentido se for feita em ordem a tornar claro a quem pedir responsabilidades, aos vários níveis, as funções legislativa, governativa, fiscalizadora e jurisdicional dos diferentes órgãos responsáveis, quando do incumprimento pela materialização dessas diversas funções do Estado. Sobre isto ainda se não vislumbram quaisquer propostas, é pena.

O que terá o candidato Cavaco Silva a dizer sobre o estado calamitoso a que chegou a justiça ou melhor a falta dela no nosso país?

Que esforço fez ele, enquanto mais alto magistrado da Nação para que o descalabro tenha chegado ao ponto a que chegou?

Que opinião tem o, ainda, Chefe de Estado sobre o facto de os detentores do poder judiciário estarem organizados em sindicato corporativo e fazerem, em exclusivo as autoavaliações e progressão na carreira?

Será que tem alguma opinião sobre tais e tão importantes matérias? Duvida-se!



Publicado por Zé Pessoa às 00:01 de 11.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

A arrogância do candidato insano

Cavaco: "Não respondo a outros candidatos, por mais loucos que eles sejam."



Publicado por JL às 21:46 de 10.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

BPN, explicações estapafúrdias

Dementes, é assim que querem tratar os Portugueses?

Queiroga, amigo pessoal do candidato Cava Silva, admitiu o que não poderia esconder e parece pretender considerar-nos a todos como uns dementes.

Queiroga Figueiredo, presidente SLN Valor e um dos nomes presentes na comissão de honra da recandidatura de Cavaco Silva, afirmou à «TSF» que o ainda Presidente da República terá «perdido dinheiro» quando vendeu as acções BPN, em 2003. E admitiu ainda que este tenha tido «acesso a informação que outros não tiveram».

Afirmou, também, que no ano em que Cavaco Silva comprou havia títulos a serem vendidos a 2,50 e o custo de «um euro quem tem de explicar é quem as vendeu». «Eu também comprei a um euro», acrescenta.

«O valor de 2,40 cêntimos, para aquilo que era praticado na altura é um valor até abaixo do que era a maioria das compras. Nesse ano, a média foi 2,80 no ano antes 2,77 e no ano seguinte, 2,85», recorda Queiroga Figueiredo.

Mesmo assim, Queiroga Figueiredo fala em «valores normais»: «Como estou a dizer, numa altura de crise não acontece, mas numa situação normal, numa entidade que estava quase no inicio é natural que haja uma valorização e até foram vendidas acções por valores superiores a esses».

As perguntas que se impõem e que o BPN/SLN devem responder são:



Publicado por Zé Pessoa às 00:09 de 10.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (5) |

O candidato a chefe de um Estado em que não confia

Numa acção de campanha, Cavaco Silva foi abordado por uma mulher que lhe disse não ter dinheiro para dar de comer ao filho. Resposta pronta de Cavaco: Olhe, vá a uma instituição de solidariedade que não seja do Estado.” E depois acrescentou: É o que eu estava a dizer. São essas instituições que, perante situações de pobreza e de privação, pessoas sem alimentação, estão neste momento a ajudar o nosso país. Instituições da Igreja, outras que são misericórdias, grupos de voluntariado, são esses que estão ainda a reduzir este nível de pobreza que alguns querem esconder, mas eu nunca esconderei. Erguerei sempre a minha voz.”

Se não confia no Estado, como pode este homem candidatar-se ao mais alto cargo do Estado?

João Magalhães [Câmara Corporativa]



Publicado por JL às 18:47 de 08.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (8) |

Isto anda tudo ligado

Surpreendidos com a revelação de que Cavaco, afinal, é tão honesto como Dias Loureiro e Oliveira e Costa, peixes e pássaros em todo o mundo estão a suicidar-se...

Nuno Santos Silva [Arcádia]



Publicado por JL às 18:38 de 08.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Presidenciais 2011: o meu autocolante


Publicado por JL às 19:36 de 06.01.11 | link do post | comentar |

Da honestidade...


Publicado por JL às 00:05 de 03.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

SOBRE O BPN/SLN

BPN: as perguntas a que Cavaco deve responder

Com o ataque que lançou à administração do BPN, Cavaco trouxe para a campanha um tema do qual provavelmente escaparia, se tivesse ficado calado, e com o qual vai ter de lidar com alguma dificuldade.

Certamente, que Cavaco ao fazê-lo conta com o apoio de uma parte muito representativa dos media, nada interessados no aprofundamento do assunto e muito prontos a espalhar, urbe et orbi, que, quanto mais se falar do assunto, mais o candidato se vitimiza para do facto tirar vantagem, tentando, assim, por antecipação, criar uma generalizada inibição que faça sentir-se incómodo aquele que o aborda.

A verdade é que há aspectos a esclarecer. Em Novembro de 2008, Cavaco, preocupado com aquilo a que chamou uma onda de boatos sobre as suas ligações ao BPN, publicou na página oficial da Presidência da República um comunicado no qual "punha a nu" o seu património e declarava formalmente que “nunca comprou ou vendeu nada ao BPN ou a qualquer das suas empresas”.

Não se julgava Cavaco tão exímio em subtilezas jurídicas. De facto, ninguém até hoje logrou provar a falsidade de tal afirmação.

Todavia, o Expresso passado algum tempo descobriu que Cavaco, em 2001, comprou à Sociedade Lusa de Negócios (SLN), detentora a 100% do capital do banco, 105 387 acções do BPN, por um euro, tendo-as vendido, em 2003, por 2,4 euros.

Como se compreende que tendo pretendido Cavaco pôr cobro àquilo a que chamou uma campanha de boatos não tenha referido este negócio? Dir-se-á que não vinha a propósito por já ter (à época) ocorrido há 8 anos.

Mas se o comunicado era para “limpar a testada”, e isso depreende-se da enunciação de factos que não vinham ao caso – como o acima citado, mais dois do mesmo género, uma sobre o exercício de funções no banco, outra sobre a percepção de remunerações – como se explica que um facto tão relevante tenha sido omitido?

Só há uma explicação: Cavaco não queria tornar público o lucro da transacção. Ele, que é especialista nestas coisas de economia, sabia que um lucro tão significativo, num tão curto espaço de tempo, levantaria múltiplas objecções, não apenas por a SNL não estar cotada em bolsa, mas principalmente por ser dominada por quem era.

A tal subtileza jurídica de que Cavaco se socorreu não favorece muito quem tanto preza a verdade substancial...

Outra questão que não pode deixar de ser posta a Cavaco tem a ver o facto de, em virtude das suas últimas declarações, se ter justificadamente criado uma suspeita de parcialidade no tratamento do mesmo assunto. De facto, como se explica que Cavaco, quanto mais não fosse na defesa do erário público, nunca tenha verberado nem condenado a “gestão” dos seus amigos políticos no BPN, mas tenha sido tão lesto a criticar a administração em funções, que não passa de uma verdadeira administração da massa falida.

Finalmente, quando Cavaco diz que teve muitas dúvidas na promulgação da lei de nacionalização do BPN – que, aliás, promulgou em tempo recorde, como há época se vangloriou –, tais dúvidas advinham-lhe de já estar a antecipar o que iria acontecer ao erário público, por o BPN ser um banco sem salvação possível, ou, pelo contrário, porque supunha que deveria ter sido seguido outro caminho? E, nesse caso, qual? Deixar falir o banco? Emprestar-lhe dinheiro? Enfim, é um assunto que Cavaco também tem que esclarecer.

Aliás, compreende-se mal que, tendo Cavaco tantos amigos no Banco, não tenha junto deles obtido uma segunda opinião que pudesse, fundadamente, apresentar ao governo.

Se fez isso em tantas outras ocasiões, porque não o fez também desta?

JM Correia Pinto [Politeia]



Publicado por JL às 00:36 de 02.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

A Presidência da República e o “Dia da Raça” em Viana do Castelo

Esclarecimento de Defensor Moura:

Depois do debate com Cavaco Silva, um jornal diário de Lisboa solicitou-me uma entrevista para esclarecimento de algumas das afirmações feitas, a que eu acedi imediatamente porque, o escasso tempo concedido aos candidatos na TV é insuficiente para a cabal explanação dos temas abordados.

Infelizmente, hoje, verifico que, certamente por falta de espaço, as minhas afirmações foram muito reduzidas por aquele jornal e, por isso, decidi publicitar o meu resumo da citada entrevista:

Disse que Cavaco Silva não é isento nem leal, favoreceu amigos e correligionários e tolerou e beneficiou com negócios considerados ilícitos pela justiça, além de lhe faltar cultura política para se identificar com eventos relevantes da história recente do país, tendo eu afirmado que esses atributos são importantes na avaliação dos candidatos ao cargo de Presidente da República.

Informei ainda o referido jornal que, no Dia de Portugal de 2008, recusei a comenda de Grande Oficial da Ordem de Mérito, que o Presidente da República me quis atribuir, não só por considerar que o trabalho em Viana do Castelo tinha sido realizado por uma vasta equipa e não apenas por mim mas, também, por não aceitar ser distinguido por quem tinha tido uma série de atitudes pouco edificantes durante a preparação do evento.

No debate televisivo, fiz referência a vários factos ocorridos durante a preparação do Dia de Portugal em Viana do Castelo em 2008 que, na minha opinião, demonstram claramente que Cavaco Silva não tem perfil para ser PR e que só naquele momento, “olhos nos olhos” com o agora recandidato, senti o dever cívico de os revelar para que os portugueses o conheçam melhor, ultrapassando o poderoso aparelho de propaganda que lhe construiu a imagem de isenção e seriedade que “só em duas vidas” os outros portugueses poderiam alcançar.

A falta de isenção de Cavaco Silva foi revelada quando recusou o convite (mostrado ao jornalista) que lhe fiz para realizar o Dia de Portugal em Viana do Castelo em 2009, para encerrar as comemorações dos 750 anos do Município, antecipando-o para 2008.

Na altura o PR alegou que, sendo 2009 ano de eleições autárquicas não queria beneficiar nenhum município e, por isso, as comemorações seriam realizadas em Lisboa, com carácter mais nacional.

Afinal, em 2009 as comemorações realizaram-se num município liderado pelo PSD.



Publicado por JL às 22:24 de 30.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

A mentira

Há algum tempo atrás numa qualquer universidade americana fez-se um estudo onde nas conclusões se diziam cobras e lagartos sobre a utilização de computadores por crianças, um daqueles estudos que dão sempre nas vistas porque vão contra a corrente. Ninguém perguntou quem eram os estudiosos, ninguém leu o estudo ou interessou-se por o ler, limitaram-se a usar a mensagem das agências de notícias e correram a sacrificar o Magalhães. Até o Carrilho, acabadinho de chegar de Paris e a dar os primeiros passos nas entrevistas ao Crespo não arranjou melhor do que usar o dito estudo e desfazer no Magalhães e, de caminho, nas Novas Oportunidades.

Mas quando a OCDE publicou o PISA onde se apresentavam conclusões brilhantes sobre a evolução do ensino em Portugal foram todos ler o estudo, analisar as suas premissas, avaliar a forma como foram elaboradas as amostras, questionar as conclusões. Isto é, em relação a um estudo feito sabe-se lá por quem bastou a conclusão divulgada por um tablóide, mas o estudo da OCDE já mereceu todo o tipo de suspeitas.

Poderia dar dezenas de exemplos da falta de honestidade intelectual com que muito boa gente deste país, gente que não faz a ponta de um corno e vive à custa do Pinto Balsemão e doutros barões da comunicação social ou do empresariado que tentam a todo o custos melhorar os resultados das suas empresas à custa do Orçamento de Estado.

Nestes dias o INE divulgou indicadores que apontam para uma redução significativa do abandono escolar que entre 2003 e 2009 caiu 10%. Alguém comentou? Ainda não, mas não me admiraria nada que alguém se lembrasse de inventar uma alteração de critérios estatísticos ou, pior ainda, que o ensino é tão mau que é indiferente se as crianças vão para a escola ou coser sapatos em casa.

O descaramento e a falta de honestidade dominam cada vez mais o debate político inquinando as conclusões e impossibilitando os portugueses de discutirem os seus problemas. Ainda, no debate com Manuel Alegre, o candidato Cavaco Silva deu um bom exemplo de falta da falta de honestidade intelectual que domina o país. Sempre que não tinha resposta para as perguntas de Manuel Alegre ou da entrevistadora o actual presidente mandava ler o que estava no site oficial da Presidência da Repúblicas. Quando questionado sobre o negócio estranho com as acções do BPN teve mesmo o descaramento de mandar ler a sua declaração de rendimentos, quando esse mesmo negócio foi anterior à tomada de posse e só se Cavaco fosse mesmo parvo é que se esqueceria de manter acções tão inconvenientes.

É evidente que o site da Presidência não explica nem os negócios de acções feitos debaixo da mesa com Oliveira e Costa e muito menos a forma como foi montada a operação de intoxicação da opinião pública com as falas escutas a Belém. No site não está a verdade dos factos, estão as explicações que convinha a Cavaco dar. Um exemplo, está no site da presidência a declaração de Cavaco às televisões afirmando a inocência de Dias Loureiro? Estão no site da presidência as actas das conversas de Fernando Lima com os jornalistas do Público ou mesmo com Cavaco Silva?

É grave que o país discuta os problemas com base em argumentos falsos e desonestos, é demasiado grave que o país escolha um presidente com base em mentiras.

[O Jumento]



Publicado por JL às 19:57 de 30.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

O flagelo neoliberal

O flagelo Neoliberal consiste num conjunto de políticos enfeudados ao grande poder económico e financeiro, que empobrecem milhões de europeus e também gente de outros continentes.

… se puser diante da televisão ou ler os jornais, notará que é constante a lavagem ao cérebro, e que a mentira repetida já se tornou numa verdade consentida. Falam sempre os mesmos, escrevem sempre os mesmos, por isso temos uma perspectiva da crise e da sua resolução através somente das opiniões dos Corifeus enviados pelo sistema, uma visão diferente não tem lá lugar.

Estamos entregues aos latifundiários da comunicação social, [...]

[…] uma afirmação do Senhor Presidente da República, dizendo que os restaurantes deveriam dar as sobras da comida aos pobres. Vamos brincar à caridade? Ou vamos lutar contra as causas da pobreza? Governem para dar os recursos económicos aos mais pobres, sem os quais é impossível manter uma vida digna. Ouçam os pedidos de justiça dos mais humildes, e não as exigências da oligarquia económica e financeira, escutem os que votam, e não os que só têm dinheiro.

Lembrei-me, ao ouvir esta frase de Cavaco Silva, dos finais dos anos cinquenta e princípios dos de sessenta aqui na então vila do Sabugal. Nos dias de mercado, os pobres vindos de algumas terras do Concelho, vinham bater às portas das casas ricas para que lhes matassem a fome. Isso era quase sempre à hora do almoço. Então os donos das casas diziam às criadas para lhes darem fatias grandes de pão centeio. Assim era feito, os pobres de mãos postas e a gemer pai nossos e ave marias, agradeciam essa caridade para com eles. Este era o Portugal, logicamente também o Concelho, rural, feudal e católico, ainda estamos a pagar, pelo menos nas mentalidades, esse domínio da Igreja Católica, que tem na sua doutrina, uma das principais orientações que é a caridade. Isto fez de Portugal um País social e economicamente atrasado. Parece mentira? Mas é verdade.

Pessoalmente, considero o Professor Cavaco Silva um dos guardiões da Ortodoxia Neoliberal em Portugal.

António Emídio [Capeia Arraiana]



Publicado por JL às 18:23 de 21.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

O tremeliques palavroso

Tive imensa sorte, na minha juventude, por nunca haver sido confrontado com a obrigação de assinar a declaração de «conformidade» do famigerado decreto 27003, exigido pela ditadura. Seria para mim angustioso sujeitar a honra a uma mentira, mas confesso que, se fosse obrigado, assinaria. Ninguém via heroísmo redentor nessa estóica recusa.

Por bênção dos deuses, o maldito decreto foi revogado por Marcello Caetano antes de a situação se me colocar. Dessa estou «imaculado», mas não atiro um grão de areia a quem firmou de cruz aquele papel: o cobarde não foi quem assinou, cobarde era quem obrigava a assinar.

Por isso, não liguei muito à notícia da declaração assinada de Cavaco Silva à PIDE. Só despertei da modorra, quando ouvi o candidato dizer que não se lembrava do episódio. Aí, pára: ou o cavalheiro mente desavergonhadamente, ou sofre de um Alzheimer muito adiantado a justificar um Conselho de Estado para o interditar.

Ninguém, mas ninguém mesmo, se esquece de quando foi obrigado a ir à PIDE: fica na memória para sempre. É que esta, para mais, foi uma declaração presencial, certificada na hora pelo chefe de brigada da Pide e por isso dispensada de reconhecimento notarial. Tem ele o despudor de dizer que não se lembra? Abram a ala VIP da psiquiatria, por favor!

A mentira (ou doença incurável do candidato) tornou-me mais atento. O que me chamou mais a atenção foi a anotação final, num espaço de preenchimento facultativo, a dizer que «não priva» com a segunda mulher do sogro, dando o nome completo da senhora.

Ah, isso é demais - e nada tem a ver com «tentativas de o ligar ao anterior regime», como Cavaco se lamuriou. Nada! A ligação é só à sua têmpera, à sua capacidade ou não de enfrentar situações difíceis. Toda a gente de bem que conheci, desafecta ou mesmo afecta ao salazarismo, respeitava este princípio: à polícia (e então à secreta!) só se diz o mínimo. Era questão de fidalguia, de sobranceria, de desprezo. Não era exigido a Cavaco que escrevesse o nome da segunda mulher do sogro e muito menos que declarasse que não privava com ela. Qualquer um com dois dedos de siso saberia que isso iria pôr a PIDE de sobreaviso contra a senhora - ou então queria mesmo denunciá-la. (imagem [04]-OBS)

Cavaco não seria tão reles: apenas estaria tão tremeliques que escreveu até o que não queria, coitado. E logo ele que diz que há palavras de mais na política. Lá sabe do que fala, quando falou, à PIDE, do que não devia ter falado.

A desgraça é que o tremeliques tem ainda menos cura que o Alzheimer.

Oscar Mascarenhas [Jornal de Notícias]

 

Ver imagens: [01] [02] [03] [04]


MARCADORES: , ,

Publicado por JL às 12:36 de 21.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Integradissimo salazarismo

Em 1967, o general Martiniano Homem de Figueiredo mostrou interesse na investigação de Cavaco Silva, na altura com 28 anos e já casado com a actual primeira-dama. Este pedido veio com a possibilidade de Cavaco poder ser autorizado a manusear documentação restrita na Comissão Coordenadora da Investigação para a NATO.

Cavaco Silva foi então chamado à sede da PIDE para preencher o “formulário pessoal pormenorizado”. À alínea “Sua posição e actividades políticas”, Cavaco Silva respondeu “Integrado no actual regime político”, acrescentando um reparo: “Não exerço qualquer actividade política”. Os documentos estão assinados pelo actual presidente da República.

Realmente este é o tipo de notícias que não têm um grande interesse nem se compreende porque terá o Sr. Silva omitido o facto na sua autobiografia. Vendo bem ele é do tipo de pessoa que tanto teria feito carreira política na falsa democracia em que vivemos como na bafienta ditadura do Salazar. Estava integrado na altura como está agora. Não presta agora como teria fedido então.

[wehavekaosinthegarden]



Publicado por JL às 09:10 de 15.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (9) |

As vergonhas do Sr. Silva

O Presidente da República considerou que os portugueses têm de se sentir “envergonhados” por existirem em Portugal pessoas com fome, um “flagelo” que se tem propagado pelos mais desfavorecidos de forma “envergonhada e silenciosa”.

Se há alguém se se deva sentir envergonhado por haver quem passe fome em Portugal não são os portugueses, mas sim aqueles que nos últimos anos tiveram a responsabilidade de estar à frente do estado e nada fizeram para o evitar. Pior, impuseram políticas e soluções económicas que não só não evitaram a fome e a pobreza como contribuíram para o seu aumento. Quem lutou por menos direitos, menores salários e maior precariedade no emprego é que se deve sentir envergonhado pelas culpas que tem no cartório. Eu, não é vergonha que sinto por haver quem passe fome, mas uma vontade enorme de contribuir para o fim das acusas que a criaram, ou seja correr com a corja que se tem alimentado e engordado à custo do que devia ser distribuído por todos. Certamente que o Sr. Silva não se lembra dos que passam fome quando oferece os grandes banquetes com copos de cristal e talheres de prata, nem quando mostra satisfação pela realização de grandes cimeiras, como a da NATO que custou muitos milhões a Portugal. Certamente não era no problema dos que passam fome que pensa quando abraça os Dias Loureiros deste país. Vergonha devia ter quando recebe as confederações patronais e lhes sorri quando estes afirmam que as empresas não podem pagar mais 80 cêntimos por dia a quem recebe o ordenado mínimo.

Mas, realmente há uma coisa de que nós portugueses podemos e devemos ter vergonha, é a de termos como Presidente da República uma pessoa como o Sr. Silva. Disso tenho vergonha, muita vergonha.

[wehavekaosinthegarden]



Publicado por JL às 17:55 de 13.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

A Presidencial falta de memória

 

Cavaco Silva denuncia "flagelo" da fome em Portugal.

Seria bom recordar à data da fundação do Banco Alimentar Contra a Fome quem era primeiro-ministro e já agora, quem foi o chefe de governo que quando abandonou funções tinha uma taxa de pobreza de 23%, contra os actuais 18%.

Carlos Alberto [Rotunda da Anémona]



Publicado por JL às 00:10 de 12.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

A testemunha

Muita gente em Portugal se pergunta se dois mentirosos poderão formar par para dançar o tango?

A resposta, politicamente, correcta é sim.

Naturalmente que não o dançam harmoniosamente nem sequer praticam aquele tango que terá surgido algures à volta do Rio La Plata, na Argentina. A prata aqui é outra, o “vil metal” obriga a empurrar a dança para um ringue mais consentâneo com o pugilato a exigir a presença de um arbitro que sirva de testemunha à dança tornada luta.

É por estas e outras, vis razões, que estes dançarinos acabam por merecer levar com um Cavaco nas costas para os obrigar a acertar os passos da dança, que, mesmo assim e, apesar disso, não alivia as costas do povo que recebe, justa ou injustamente, benefícios e subsídios do Estado nem, tão pouco, do povo contribuinte cada vez mais sobrecarregado com uma carga injusta, porque desigual e exagerada, de impostos e taxações.

Este baile de danças e contradanças não terminará tão cedo nem se sabe quanto custará aos portugueses, mas será uma pesada factura cuja parcela maior a pagar, como de costume, será suportada pelos que menos contribuíram para o seu agravamento.

Ainda há quem fale, à boca cheia, de democracia, justiça e cidadania!

Partidos há, ditos democráticos, em que os seus militantes são, materialmente, impedidos de concorrerem livremente a delegados aos congressos internos. Há gente que deixou de ter espelho em casa, só pode...



Publicado por Zé Pessoa às 00:05 de 28.09.10 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Cavaco, o turista conservador

Cavaco Silva é um turista psicocêntrico que desvaloriza a necessidade de conhecer o mundo.

A imagem de Aníbal Cavaco Silva sedento de aventura a subir a um coqueiro numa praia de São Tomé, há quase 20 anos, já não cola. Não haja dúvidas que hoje, Cavaco Silva é um viajante psicocêntrico. Isso explica o seu apelo aos portugueses esta semana, para irem para fora cá dentro, porque “férias passadas no estrangeiro são importações e aumentam a dívida externa portuguesa”. Cavaco é, de facto, um turista com um perfil definido: é um professor de Finanças Públicas obrigado a viajar mais do que gostaria pelas funções que ocupa, e que deseja que todo o País se divirta, como ele, com férias sossegadinhas à beira mar dentro de fronteiras, porque lá fora há perigos e o maior perigo do viajante hoje é o da balança comercial.

O investigador Stanley Plog passou a ser uma referência para a indústria turística quando, em 1974, dividiu os turistas em psicocêntricos e alocêntricos. Cavaco enquadra-se na primeira categoria: são pessoas tímidas, como o Presidente da República, pouco curiosas, sem atracção pela aventura, que preferem de viajar de carro, com a família, e raramente vão para o estrangeiro. Quando o fazem, adquirem pacotes turísticos e vão para destinos sossegados. Segundo Plog, os viajantes alocêntricos são curiosos, querem explorar o mundo, viver aventuras ou experimentar coisas novas. Não é o caso de Cavaco, que gosta de contar as suas incursões alocêntricas nos parques naturais moçambicanos como expoente da aventura de viagem, mas são recordações com 40 anos, quando lá fez o serviço militar.

As últimas férias de Cavaco Silva fora de Portugal – antes de se candidatar à Presidência da República – foram no Brasil, em 2005, com filhos e netos, num resort tranquilo, perto da praia. De resto, há décadas que a família Cavaco passa os Verões no Algarve, na célebre vivenda Marani e agora na Gaivota Azul, em Albufeira, entre um mergulho nas águas mornas da Praia da Coelha e umas braçadas na piscina de casa. Se quiser ir tomar um cafezinho a Ayamonte, tem de pedir autorização ao Parlamento para sair do território nacional.

Mário Soares acusava Cavaco Silva de não ter mundo. E um político que seja um turista psicocêntrico terá facilmente tendência em desvalorizar que os outros precisem de mundo. Os países também se desenvolvem quando as pessoas abrem os horizontes, mesmo que a dívida aumente um bocadinho.

Vítor Matos [Elevador da Bica]



Publicado por JL às 00:09 de 13.06.10 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO