Sexta-feira, 31.05.13

 

A Aula Magna e a esperança estiveram a abarrotar, a deitar por fora, a rebentar pelas costuras.

A Aula Magna esteve, absolutamente, cheia de pessoas, também elas cheias de raiva contra um governo que se não cansa de ser aquele bom aluno, totó, a empinar e sem qualquer interrogação ou questionamento ir mais além de tudo o que os professores, enviados por Berlim e Bruxelas, mandam que seja feito.

Pessoas cheias de raiva contra os usurários e esbulhadores do património nacional, esponjas do nosso suor e sangue, mandantes da troika estrangeira e da troika nacional (governo e PR).

Pessoas cheias de raiva contra um presidente da República que, de sua fraca legitimidade, teima em legitimar um governo sem nenhuma legitimidade democrática e política, porquanto já deixou de ser reconhecido pela maior parte de quem o elegeu dado o logro em que se vê ter caído e perante as circunstâncias de, por ele, ser vergonhosamente espoliado de bens e de esperanças no futuro.

Contudo, a esperança ressurgiu e renova-se com a luta contra as troikas e pela libertação de Portugal de tão exagerada e doentia austeridade.

É certo que se constatou na conferencia a existência de um “concerto” a varias vozes e “cantado” por figuras de segundo plano partidário. Os representantes partidários “cantaram”, cada um, as suas próprias letras.

Apesar disso, ficou mais claro que das diferenças e sem as anular se podem construir, a breve prazo, convergências suficientes para inovar a política governativa.

São de realçar, nomeadamente:

 - O vigor da intervenção de Mário Soares. Uma intervenção lucida e desafiadora;

 - A verdadeira Aula Magna que foi a intervenção do Magnifico Reitor da universidade, enquanto anfitrião da conferência, com uma visão de retrospetiva histórica de Portugal que urge projetar no futuro fazendo uso das potencialidades próprias e das capacidades internas existentes.

Seja qual for a evolução política e o compromisso comum das diferentes forças e sensibilidades políticas de esquerda num futuro, desejavelmente mais próximo e menos longínqua, numa convergência governativa, o tempo foi muito bem empregue e culturalmente enriquecedor.



Publicado por Zé Pessoa às 21:50 | link do post | comentar | comentários (1)

Quinta-feira, 14.03.13

Muito se tem falado e escrito sobe instalados e sobre indignados, duas realidades (quase) diametralmente opostas. Da necessidade de reinventar a democracia e transformar o sistema político atual, segundo as palavras do filósofo José Gil. É pois, necessário materializarem-se formas novas de exercer a gestão da coisa pública e de representação democrática.

Muito se tem falado e escrito, é verdade e não é menos verdade que não se foi além disso. Pouca coisa se concretizou, efetivamente. Não se verificou ação significativa de registo para lá de uma ou duas manifestações de rua com dias e tempos, de início e de términos, marcados.

Ora isso é, democraticamente, louvável é, intelectualmente, enriquecedor mas não deu resposta às questões de fundo, nem fez qualquer mudança no que urge mudar. Falta, de fato, fazer, falta mudar. Haverá vontade para isso?

Há, no tempo e no espaço (mesmo sendo escassas as possibilidades permitidas pelo sistemas) ocasião para que se faça o que tem de ser feito, quando para isso haja vontade.

Vão realizar-se, este ano, eleições para as juntas de freguesia e para os municípios (órgãos deliberativos e executivos), barafusta-se “a torto e a direito” (quer dizer à esquerda e à direita) sobre a corrupção de interesses e falta de democracia dentro dos partidos, contestam-se que os dinossauros instalados mudem de santuário, tanto se fala em reduzir os encargos do Estado, porque não formam os partidos políticos lista com base em cidadãos reformados? Ou mais cidadã e democraticamente pensando, porque não se organizam, autonomamente, os reformados para constituir grupos de vizinhos que concorram às suas respectivas freguesias e câmaras municipais?

Há possibilidades de mudanças e elas serão realizadas quando houver vontade de conjugar esforços e de fazer.

Os partidos políticos, esses, continuarão iguais a si próprios aprisionados que estão a certos grupos de interesses particulares que não mudarão nunca, apenas se readaptam talqualmente o sistema de exploração financeira que se globalizou e criou os seus próprios instrumentos de engano e controlo.



Publicado por Otsirave às 12:30 | link do post | comentar

Terça-feira, 15.01.13

Três cidadãos do Porto, a propósito da apresentação da candidatura do atual presidente da Câmara de Gaia, Filipe Menezes, à câmara vizinha, solicitaram a intervenção do senhor Provedor de Justiça no sentido da sua intervenção clarificadora da lei e pedir a intervenção do Tribunal Constitucional para a fiscalização sobre as diferentes interpretações da lei de limitação de mandatos.

A meu ver tais dúvidas são suscitadas só e apenas devido ao mau carácter dos políticos que temos. Explico:

Os dois autores do projeto (PS e PSD) já reconheceram e as respectivas atas atestam que, nas reuniões havidas, nunca esteve presente qualquer hipótese de abordagem que não fosse em relação ao cargo e ao número de mandatos exercidos. Dito de outra forma, o que esteve no espírito do legislador foi o eleito e a repetição sucessiva da eleição na mesma pessoa.

Se os políticos portugueses e os partidos que os sustentam estivessem imbuídos por um, ligeiro que fosse, espírito estadista da estirpe de um Nelson Mandela nem sequer seria necessária a publicação de qualquer legislação sobre tais matérias.

Como diz o povo “é pior confiar num político que num mentiroso. O mentiroso não nos rouba ao passo que o político, também, nos mente.”



Publicado por DC às 14:06 | link do post | comentar | comentários (2)

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS