DD de Dois Dedos de conversa

Em muitas situações, a deriva dogmática alimenta-se, paradoxalmente do que, à primeira vista, poderia parecer o seu antídoto mais eficaz: a razão.

 

O título do presente artigo bem poderia servir como uma apressada definição de dogmático. Definição que destaca, de entre os diferentes traços que convergem na figura, o de que o dogmático nunca se reconhece a si mesmo como tal. Talvez porque (interessadamente?) tende a confundir dogmatismo com fanatismo, que é a atitude característica de quem se liga às suas ideias ou princípios com tanta veemência como falta de espírito crítico, e isso faz sentir-se ao dogmático como imune a essa imputação.

O que caracteriza o dogmático não é tanto o facto de que não está disposto a debater, como a forma em que planeia o debate. Repare que digo “forma” porque no fundo, em certo sentido, poderíamos considerar que está claro: o dogmático entende que o conjunto das suas opiniões não admite contradição nem controvérsia (de facto é assim que surge definido no dicionário da Língua portuguesa da Porto Editora:” diz-se da pessoa que não admite contradição; peremptório nas suas opiniões). Sem dúvida, ao contrário do fanático, não aceita que a sua inflexibilidade seja devida a nenhuma abdicação da sua capacidade reflexiva, nem crê que a ausência de toda a dúvida deva atribuir-se á adesão a dogma algum, mas apenas que, ao contrário, tende a interpretar a própria firmeza como prova inequívoca da solidez das teses que defende.

Em que se reconhece então o dogmático? Desde logo em que, visto que não pode enclausurar as discussões com nenhum recurso do tipo: “Até aqui podíamos chegar!” “mas você, por quem me tomou?”, “nesse caso, terminamos!” (ou outras modalidades de morte súbita do debate com as quais os fanáticos de qualquer sinal obstruem a possibilidade de que sejam colocadas em questão as suas mais profundas convicções) acostumaram-se a recorrer a um tipo de estratégia, em aparência mais respeitosas com as regras do jogo da livre discussão, mas orientado a um único fim, a saber: o de desactivar as críticas.

Em alguma ocasião propus descrever o dogmático como aquele tipo que, a qualquer objecção que se coloque, responde sempre e sem qualquer vacilação “mais a meu favor”. Pretendo assinalar com esta descrição que, ainda que o próprio dogmático esteja acostumado a ignorá-lo, este procedimento em última análise poderia ser alvo de críticas dele mesmo. Popper, quem em reiteradas ocasiões, assinalou que o traço mais característico das doutrinas metafísicas (especialmente as inspiradas na doutrina hegeliana), é precisamente o facto de que são capazes de neutralizar qualquer elemento eventualmente falsificador da sua doutrina, dar-lhe a volta, fazê-lo jogar a seu favor e convertê-lo em prova da sua verdade.



Publicado por Izanagi às 09:34 de 23.12.10 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO