??

Chamar-lhe palhaçada ofenderia os artistas de espectáculos que habitualmente por aí aparecem em época natalícia, o circo.

Apelida-la de novela, como alguns políticos e comentadores já rotulam, à relação entre o governo e o maior partido da oposição seria, também, ofender os actores televisivos e o povo (inculto ou não) que tanto se apega ao aparelho mágico que leva as pessoas a confundir a realidade com a ficção, o televisor.

O que lhe poderemos chamar, assassinos da economia e carrascos do povo? É exagerado, afinal são os nossos eleitos, essas figuras pardas com assento naquele hemiciclo ao fundo da Rua de São Bento.

O que lhe chamaremos então?



Publicado por Zé Pessoa às 10:03 de 24.09.10 | link do post | comentar | ver comentários (15) |

O novo avatar do neoliberalismo luso

 

“Vivemos acima das nossas possibilidades" parece ser o novo avatar dos defensores do neoliberalismo e das teorias econó­micas monetaristas em Portugal. Quem vê, ouve e lê os arautos da direita dos interesses e dos interesses da direita descobre uma estra­nha unanimidade. Cavaco Silva ou João Salgueiro, Vítor Bento ou Daniel Bessa, Augusto Mateus ou Silva Lopes, Fernando Ulrich ou Francisco Vanzeller, Silva Lopes ou Nogueira Leite (para só citar alguns), todos, como que com um só pensamento e a uma só voz, proclamam, tonitruantes, "vivemos acima das nossas possibilidades!". Curiosamente, ou talvez não, todos (ou quase) apresen­tam algumas características comuns.
 
Desde logo o facto de assumirem (ou terem assumido) responsabilidades governativas ou de direcção do "sis­tema". Cavaco Silva, por exemplo, entre outros cargos desempenhados, foi ministro das Finanças e ainda é o primeiro-ministro mais anos (8) em funções. João Salguei­ro, ex-presidente da Associação Portuguesa de Bancos, entre outras coisas também já foi, recorde-se, técnico do Banco de Fomento, director do Departamento Central de Planeamento, vice-governador do Banco de Portugal, pre­sidente do Banco de Fomento, presidente da Caixa Geral de Depósitos, subsecretário de Estado do Planeamento (entre 1969 e 1971), ministro de Estado e das Finanças e do Plano (de 1981 a 1983). E a lista é infindável.
 
Em segundo lugar, comportam-se todos como virgens vestais. Quem os ouve e lê parece que não têm, nem tive­ram, nada a ver com o estado de coisas a que o país chegou. Só que a nossa memória não é curta. Finalmente, mas não menos importante, todos sem excepção recebem mensal­mente vencimentos equivalentes a 20,30,40,50,100 e mesmo mais salários mínimos nacionais. Mês após mês, ano após ano. E isto sem falar das alcavalas como viatura, cartões de crédito da empresa, etc, etc, etc.
 
"Vivemos acima das nossas possibilidades"? Mas quem?, pergunta-se. Os dois milhões de portugueses que vivem abaixo do limiar da pobreza (o que significa que vivem com menos de 406 euros/mês)? Os 12% dos portugueses que têm emprego mas que estão também em risco de cair numa situação de pobreza? Os 700 mil desempregados reais, mais de um terço dos quais sem direito a receber qualquer subsídio? Os 450 mil que trabalham e recebem apenas o Salário Mínimo Nacional? Os mais de 40% dos trabalhadores por conta de outrem com um rendimento inferior a 600 euros? Os 35% dos portugueses que não têm rendimentos suficientes para manter um sistema de aquecimento em casa? Os 64% que não conseguem uma semana de férias fora de casa?
 
"Vivemos acima das nossas possibilidades", os aumentos salariais não podem passar a fasquia dos 1,5%, dizem. Entretanto os lucros aumentam e o negócio da compra e venda de acções registou um crescimento em cerca de 34% no valor das 20 principais empresas cotadas em bolsa. O que significa uma concentração de 66,5 mil milhões de euros nos accionistas de apenas 20 empresas. Mas uma realidade que não deve ser dita, escrita ou divulgada nos meios de comunicação social. Tal como o facto de, segundo os dados disponíveis do INE, reportados a 2007 a taxa de rentabilidade dos capitais próprios das empresas com excepção do sector financeiro, ter sido de 10,17%. Isto significa que comparativamente ao ano anterior houveuma melhoria dessa taxa em cerca de 6,6%. Valor esse que supera em muito aquilo que foram os aumentos médios salariais do sector privado da economia. Facto que desmonta a hipócrita teoria de que é preciso primeiro criar riqueza para depois a distribuir. Estamos conversados.
 
Público

MARCADORES:

Publicado por Izanagi às 00:10 de 23.01.10 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO