UM CONTO

A dança do dinheiro, o povo e os abutres

Numa longínqua época jurássica existiu uma pacata sociedade, que embriagada por ilusões, festas e pregões da existência de paraísos terrenos foi governada por monarcas que mal se entendiam uns com os outros (em publico já se sabe) adoravam cegamente um deus comum. Um deus e senhor omnipotente a que uns chamavam de “mercado” e outros designavam por “euro”.

O monarca mor sabia que os súbditos, escravos públicos e privados, ao serviço dos usurários do senhor deus, eram umas pestinhas a fazer exigências, mais que os seus diminuídos direitos poderiam satisfazer e que seus senhores alguma vez pensaram conceder.

Os ministros de sua majestade também sabiam que, sempre que houvesse alguma agitação no reino aquelas pestes, com certeza, estariam metidas nelas, havia pois que aperta-los com o aumento dos dízimos para que, quanto mais depressa melhor se fizessem os desvios de fundos financeiros para offshore de outros impérios. Tais fugas eram “o pão escravo de cada dia” com o qual governantes, soberanos e reguladores pactuaram, conviveram e beneficiaram.

Um certo dia o ministro Zellotas, controlador da fazenda do reino, ficou sabendo que um novo PECado tinha chegado ao reino. O PECado, plano que já havia sido experimentado, em outras galáxias, com muito sucesso, na óptica dos prestamistas e resolvido outras crises militares, assim como de comércio de certos templos offshorianos foi aplicado também neste reino.

Então Zellotas pediu ao Plano troiquiano que falasse com os súbditos, escravos públicos e privados, mendigos da aposentadoria e outros marginalizados indígenas ou não. O Plano/trica concordou mas pediu para lhes falar separadamente a todas essas criaturas e a outros seres de maior respeitabilidade monetária.

Zellotas, então mandou primeiros os súbditos públicos, depois os da aposentadoria e por aí adiante, sucessivamente todos foram ao beija-mão de suas pardas eminências protectoras dos deuses. Até os banqueiros e (quase) todos aqueles que conseguiram abrir clandestinamente contas em offshore de outros impérios e galáxias.

O plano, troiquiano, embora com nenhuma estabilidade e ainda menor crescimento, sempre afirmando não existir outra solução, visto que o PECado era grande e muito pesado dado os longos anos de festividade, esbanjamento e de delapidação, do alto do seu pedestal sentou os súbditos do reino no banco dos réus, usando uma voz de trovão e de grande austeridade, perguntou-lhe:

Onde está o dinheiro?

O povo, súbdito, abrindo a boca de espanto e a medo, respondeu, num tom choroso e embargado de dúvidas que o dinheiro deveria estar no BPN, na SLN, no BCP, nas contas dos senhores das grandes empresas de obras públicas e de certos amigos de um senhor do reino dos Algarves…

O Plano, agora usando o pomposo nome de Tróica, não percebendo ou fingindo nada ter ouvido, voltou a perguntar, num tom de voz ainda mais severo, onde esta o Dinheiro?

O povo, mais uma vez e cada vez mais amedrontado, disse que o dinheiro deveria ter ido para submarinos, auto-estradas pagas varias vezes, foi gasto no financiamentos de partidos políticos e campanhas eleitorais e foi desviado por certa gente parda e envolta por determinadas amizades e compadrios corruptos para offshore.

A Tróica fazendo-se de desentendida, talvez derivado ao uso de outra gramática diferente da utilizada pelo inquirido, levantou ainda mais a voz e com o dedo em riste, bradou:

ONDE ESTÁ O DINHEIRO?

O réu, temendo pela sua própria vida, saiu do interrogatório esbaforido e a correr com quantas força podia concentrar nas pernas até parar num tasco do quarteirão seguinte de um galego foragido da guerra civil de Espanha que havia sido ganha há mais de meio século por um caudilho para tal desiderato contou com o apoio de um certo troglodita germânico e outro português.

O galego ao vê-lo tão acagaçado, nervoso e atarantado perguntou-lhe o que lhe havia sucedido: Caramba homem, que te sucedeu que estás com cara de quem viu defunto vivo!?

O fugitivo, escravo do reino, ainda atarantado e tentando recuperar o fôlego, respondeu:

Desta vez estamos, mesmo muito, lixados! O dinheiro desapareceu e acham que fomos nós!

Querem obrigar-nos a repô-lo todo, em dobro ou a triplicar, com a língua de palmo. Vão espremer-nos até ao tutano, até que a alma nos doa, sem apelo nem desagravo.

E, porque uns quiseram e outros deixaram, foi a maioria espoliada, de seus parcos rendimentos, para pagamento dos roubos feitos, durante umas tantas décadas, por uma minoria de oportunistas e corruptos especuladores que foram iludindo o povo a quem afirmavam, por todas as alminhas do purgatório, viverem em democracia. Assim vegetaram durante muitos anos, mas um dia o povo deixou de ser súbdito e ...



Publicado por Otsirave às 14:06 de 02.01.13 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Cópias e reles imitações

Eu, Zé Pessoa, que faz tempo aqui não rabisco uma palavra, sou uma cópia de mim mesmo, sou uma cópia de todos os zés, sou uma cópia de todas as pessoas. Mas tento ser uma cópia o mais fiel possível. Raramente o consigo.

Os que me lêem ou comentam, são cópias uns dos outros e, alguns, que pouco criam ou constroem, passam a vida a copiar.

Vejam, por exemplo, que o actual Presidente da República é uma cópia de um ex-Primeiro Ministro que, por sua vez, foi cópia de um ministro das finanças, o qual já havia sido cópia de um tal professor de economia, cópia de um aluno universitário vindo das berças algarvias algures de um lugar chamado Boliqueime.

O actual Primeiro-ministro é uma, quase reles, cópia de si próprio, de tão fraca qualidade que se torna irreconhecido, face ao original.

Os ministros são umas cópias, de fraca qualidade, dos seus antecessores, pese embora o facto de muitos deles terem sido "importados" numa tentativa de iludir a fraca qualidade das cópias.

O líder da oposição, um tal Seguro, é uma cópia do actual 1º ministro, ainda que tentem disfarça-lo, através de artifícios e retoques fotoshopianos.

Os deputados da Assembleia da República são cópias, uns dos outros, e os actuais cópias, desbotadas, dos que lhes antecederam, sendo que dos originais já nenhum resta.

Os líderes europeus nem cópias chegam a ser dos seus antecessores, tão medíocre é o seu papel que não vão além de reles imitações.

A própria europa é hoje uma cópia, pardacenta, de si própria, inserida num mundo que se descaracteriza face às suas históricas raízes, cuja descoloração lhe não permite vislumbrar a cor do futuro mais ou menos próximo ou longínqua.



Publicado por Zé Pessoa às 15:53 de 23.10.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO