REFLEXÕES...

«…Temos de exigir que os novos líderes nos falem sempre a verdade. De mentiras estamos fartos. Ou os políticos nos falam sempre a verdade ou não os queremos. Temos de exigir que os novos líderes afastem para longe das áreas de decisão e da vida nacional todos os oportunistas que, após todas as eleições, se colam aos vencedores para encontrarem modo de beneficiarem pessoalmente das novas situações criadas. O povo não quer mais oportunistas perto de quem governa. É necessário que os sacrifícios que vamos ter de fazer nos sejam muito bem explicados e, sobretudo, que sejam muito bem repartidos, sendo maiores para quem mais pode. É necessário que aqueles que trabalham produzam o dobro para que, assim, se criem lugares para os que têm a infelicidade de não poder trabalhar. Assim como é necessário dizer aos preguiçosos, àqueles que não trabalham porque não querem, que não há mais lugar para preguiçosos em Portugal. É necessário criar um governo de competentes e não de vaidosos. Resumindo, é necessário que a sociedade portuguesa, a começar pelos governantes, se torne mais séria, mais responsável, mais trabalhadora.…»
[Magalhães Pinto | Poliscópio]

«…Será bom ver caras sinceramente dispostas a mudar Portugal. Encher o executivo de gente que apenas lá estão como retribuição de favores ao partido ou pela campanha, seria um péssimo sinal. Decidir cada ministro em função da proveniência – e não da competência – seria outro terrível sinal. Não compreender que o espaço à esquerda do PSD também deve estar comprometido com as duras tarefas que enfrentamos, seria outro desastroso sinal…»
[Henrique Monteiro | Expresso]

«…O ponto de partida para a mudança não é animador. O País está sobreendividado, a sociedade civil não é participativa nem exigente e todas as áreas de actividade encontram-se infestadas de práticas e interesses corporativos…»
[João Luís de Sousa | Vida Económica]

 

Espero que PPC nos surpreenda pela positiva. O que for bom para o País é bom para mim.
Até porque, lembro:

«A oposição nunca ganha as eleições. Quem está no governo é que as perde»
[W. Churchill]



Publicado por [FV] às 11:23 de 16.06.11 | link do post | comentar |

Rui Vilar | Gente que conta / DN

Para o presidente do conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian, Aníbal Cavaco Silva tem legitimidade para, após as eleições, intervir nos arranjos de governação em benefício de um executivo...

 



Publicado por [FV] às 11:51 de 13.06.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

ATRÁS DE MIM VIRÁ QUEM BEM DE MIM FALARÁ

Nos últimos anos assisti a muita coisa, vi muita oposição a medidas governamentais, eu próprio me opus a algumas medidas e me senti atingido pelos meus interesses, quando um país sofre reformas isso é inevitável e se tiver de enfrentar a maior crise financeira mundial de que os vivos têm memória estão reunidas as condições para todos terem razão para protestar.

Vi muito boa gente dizer que eram eleitores arrependidos, alguns eram figurantes e outros estariam mesmo arrependidos. Mas se a direita governar vou ver muito boa gente que no passado se arrependeu por pouca coisa vir a arrepender-se novamente por muito mais.

Vi muita manifestação em defesa de serviços de saúde sem qualidade que foram encerrados porque o Estado disponibilizou serviços mais modernos. Não tenho dúvidas de que muitos desses vão ter saudade dos serviços que rejeitaram.

Vi muitos professores estarem dispostos a entregar o país a qualquer um desde que os deixassem sossegados com os seus pequenos privilégios. Vou ver muitos professores descontentes por deixarem de ter tido avaliações, mas sim porque com o apoio ao ensino privado será necessário poupar recursos no ensino público, basta aumentar uma ou duas horas de trabalho por semana dando razão ao argumento de que se queriam dedicar ao ensino ou aumentar o número de alunos por turma para quinze ou vinte mil professores se verem definitivamente livres da avaliação porque os desempregados não são avaliados.

Vi muitos polícias protestarem por tudo e mais alguma coisa, protestarem porque as suas ex-esposas deixaram de ter acesso ao sistema de saúde dos polícias e por outras aberrações. Mas vou vê-los protestar novamente quando se puser fim aos serviços remunerados que fazem concorrência desleal à custa do uso dos recursos públicos.

Na hora de defender os nossos interesses é fácil esquecer o que se fez, é por isso que o povo costuma dizer que atrás de mim virá quem bem de mim falará.

[O Jumento]



Publicado por JL às 00:33 de 04.06.11 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

Eu voto PS

Já todos perceberam que o Luminária é um espaço plural de opinião consciente.

Cada um dos seus membros tem a sua própria opinião, respeitada e considerada.

A consciência envolve um olhar crítico que não disfarça opções.

Este processo eleitoral acontecesse por demissão de responsabilidade de vários actores políticos.

O PSD e, o Presidente da Republica, consideraram que a promoção do ódio pessoal, pânico e medo para ser governo.

Infelizmente para a democracia não foram capazes de mostrar defeito que não seja transversal a todos os partidos em escolha.

O PSD quer ganhe quer perca, deverá fazer uma verdadeira introspecção e perceber que politica não é intimidação.

Passos Coelho está refém do frenesim acusatório, não apresentou uma ideia e as que apresentou desmentiu-as e manifestou impreparação.

Em democracia é um dislate pretender imiscuir-se na escolha do líder do adversário e á força chantagear e pressionar as escolhas.

Espero que o PS ganhe as eleições e se sinta preparado e obrigado a gerar consensos sem ódios, no interesse dos socialistas e demais povo português.

Com clareza declaro que prefiro José Sócrates a Passos Coelho para primeiro-ministro e o PS ao PSD para formar governo. 

Gostaria com a minha opção contribuir para um novo tempo, uma nova democracia e, que estas eleições fossem mais do que um confronto de claques.



Publicado por JL às 16:34 de 03.06.11 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

OS VERDADEIROS FACTOS DA CAMPANHA
Nos últimos dias, a "campanha" eleitoral tem sido constituida por um rol de "factos" que só servem para distrair os(as) portugueses(as) daquilo que realmente é essencial. E o que é essencial são os factos. E os factos são indesmentíveis. Não há argumentos que resistam aos arrasadores factos que este governos nos lega. E para quem não sabe, os factos que realmente interessam são os seguintes:
1) Na última década, Portugal teve o pior crescimento económico dos últimos 90 anos
2) Temos a pior dívida pública (em % do PIB) dos últimos 160 anos. A dívida pública este ano vai rondar os 100% do PIB
3) Esta dívida pública histórica não inclui as dívidas das empresas públicas (mais 25% do PIB nacional)
4) Esta dívida pública sem precedentes não inclui os 60 mil milhões de euros das PPPs (35% do PIB adicionais), que foram utilizadas pelos nosso governantes para fazer obra (auto-estradas, hospitais, etc.) enquanto se adiava o seu pagamento para os próximos governos e as gerações futuras. As escolas também foram construídas a crédito.
5) Temos a pior taxa de desemprego dos últimos 90 anos (desde que há registos). Em 2005, a taxa de desemprego era de 6,6%. Em 2011, a taxa de desemprego chegou aos 11,1% e continua a aumentar.
6) Temos 620 mil desempregados, dos quais mais de 300 mil estão desempregados há mais de 12 meses
7) Temos a maior dívida externa dos últimos 120 anos.
8) A nossa dívida externa bruta é quase 8 vezes maior do que as nossas exportações
9) Estamos no top 10 dos países mais endividados do mundo em praticamente todos os indicadores possíveis
10) A nossa dívida externa bruta em 1995 era inferior a 40% do PIB. Hoje é de 230% do PIB
11) A nossa dívida externa líquida em 1995 era de 10% do PIB. Hoje é de quase 110% do PIB
12) As dívidas das famílias são cerca de 100% do PIB e 135% do rendimento disponível
13) As dívidas das empresas são equivalente a 150% do PIB
14) Cerca de 50% de todo endividamento nacional deve-se, directa ou indirectamente, ao nosso Estado
15) Temos a segunda maior vaga de emigração dos últimos 160 anos
16) Temos a segunda maior fuga de cérebros de toda a OCDE
17) Temos a pior taxa de poupança dos últimos 50 anos
18) Nos últimos 10 anos, tivemos défices da balança corrente que rondaram entre os 8% e os 10% do PIB
19) Há 1,6 milhões de casos pendentes nos tribunais civis. Em 1995, havia 630 mil. Portugal é ainda um dos países que mais gasta com os tribunais por habitante na Europa
20) Temos a terceira pior taxa de abandono escolar de toda a OCDE (só melhor do que o México e a Turquia)
21) Temos um Estado desproporcionado para o nosso país, um Estado cujo peso já ultrapassa os 50% do PIB
22) As entidades e organismos públicos contam-se aos milhares. Há 349 Institutos Públicos, 87 Direcções Regionais, 68 Direcções-Gerais, 25 Estruturas de Missões, 100 Estruturas Atípicas, 10 Entidades Administrativas Independentes, 2 Forças de Segurança, 8 entidades e sub-entidades das Forças Armadas, 3 Entidades Empresariais regionais, 6 Gabinetes, 1 Gabinete do Primeiro Ministro, 16 Gabinetes de Ministros, 38 Gabinetes de Secretários de Estado, 15 Gabinetes dos Secretários Regionais, 2 Gabinetes do Presidente Regional, 2 Gabinetes da Vice-Presidência dos Governos Regionais, 18 Governos Civis, 2 Áreas Metropolitanas, 9 Inspecções Regionais, 16 Inspecções-Gerais, 31 Órgãos Consultivos, 350 Órgãos Independentes (tribunais e afins), 17 Secretarias-Gerais, 17 Serviços de Apoio, 2 Gabinetes dos Representantes da República nas regiões autónomas, e ainda 308 Câmaras Municipais, 4260 Juntas de Freguesias. Há ainda as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, e as Comunidades Inter-Municipais.
22) Nos últimos anos, nada foi feito para cortar neste Estado omnipresente e despesista, embora já se cortaram salários, já se subiram impostos, já se reduziram pensões e já se impuseram vários pacotes de austeridade aos portugueses. O Estado tem ficado imune à austeridade

Isto não é política. São factos. Factos que andámos a negar durante anos até chegarmos a esta lamentável situação. Ora, se tomarmos em linha de conta estes factos, interessa perguntar: como é que foi possível chegar a esta situação? O que é que aconteceu entre 1995 e 2011 para termos passado termos de "bom aluno" da UE a um exemplo que toda a gente quer evitar? O que é que ocorreu entre 1995 e 2011 para termos transformado tanto o nosso país? Quem conduziu o país quase à insolvência? Quem nada fez para contrariar o excessivo endividamento do país? Quem contribuiu de sobremaneira para o mesmo endividamento com obras públicas de rentabilidade muito duvidosa? Quem fomentou o endividamento com um despesismo atroz? Quem tentou (e tenta) encobrir a triste realidade económica do país com manobras de propaganda e com manipulações de factos? As respostas a questas questões são fáceis de dar, ou, pelo menos, deviam ser. Só não vê quem não quer mesmo ver.
Por Álvaro Santos Pereira
 


Publicado por [FV] às 14:02 de 02.06.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Gente que não sabe o que é a democracia

MARCADORES:

Publicado por [FV] às 10:38 de 27.05.11 | link do post | comentar | ver comentários (8) |

UM CANDIDATO MUITO (POUCO) NOBRE

Fernando Nobre terá por certo grandes virtudes que quase toda a gente conhece e terá tambem alguns defeitos, contudo, “quem nunca pecou que atire a primeira pedra.

Se ninguém te condenou quem sou eu para condenar-te?” e quem sou eu para avaliar tais virtudes ou defeitos. E, obviamente, tem todo o direito e legitimidade para se candidatar ainda que tenha jurado pelas alminhas (será que o homem é mesmo crente? Tenho muitas duvidas!) não faze-lo.

Só que, obviamente, com tal cartada, tudo indicia, já deu de mão beijada a vitória a Sócrates, sem que este tenha, sequer, de fazer um grande (nem pequeno) acto de contrição dos disparates cometidos pelo seu governo, muito especialmente o de se ter metido (e arrastado os portugueses) debaixo da sacanagem banqueira que nos andou a meter pelos olhos dentro cartões doirados agora a terem de ser pagos com língua de palmo e meio.

Também o Sr. Presidente Cavaco Silva não esta isento de culpas, talvez por isso agora se “esconda” atrás de um facebook a que nem todas/os as/os portugueses tem acesso.

Mas enfim, tudo isto pouco interessa, enquanto muita gente for acreditando em D. Quixotes deste calibre e natureza!


MARCADORES:

Publicado por Zé Pessoa às 08:27 de 25.05.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Para melhor entender a crise...

Há 20 pessoas em Portugal
que têm mil cargos de administração
em empresas diferentes.

O coordenador do BE, Francisco Louçã, denunciou quinta-feira dados dum relatório da CMVM que expõe que "há 20 administradores das maiores empresas portuguesas que têm mil cargos de administração", numa média de 50 empregos por cada um.

No discurso do comício de quinta-feira à noite em Elvas, Francisco Louçã referiu-se a um "relatório" de que "certamente nenhuma televisão ainda falou mas que é importantíssimo porque nos diz alguma coisa sobre o retrato do nosso país".

"Há 20 administradores das maiores empresas portuguesas que têm mil cargos de administração em empresas diferentes. Cada um deles tem, em média, 50 empregos", denunciou.

Segundo o coordenador do BE "um deles tem 62 empregos e os outros não lhe ficam muito longe", acrescentando que "o ordenado mais importante que é pago a uma destas pessoas, é o que está à frente, no topo, é de dois milhões e meio de euros".

"Os outros receberão um pouco menos. São os homens mais poderosos de Portugal", condenou.

Louçã explicou, assim, que quando se pergunta "onde é que está a dívida, que problema é que tem a economia, porque é que nos últimos anos cresceram os problemas, porque é que se fizeram construções desnecessárias, a resposta está aqui: "20 pessoas com mil cargos de administração, cruzando grupos diferentes, cruzando todo o mapa da economia".

"É um pequeno grupo de turbo-administradores que voam de empresa para empresa. Chamam a isto trabalho talvez mas certamente a isto chama-se renda", condenou.

[Lusa/sapo]

 



Publicado por [FV] às 14:17 de 21.05.11 | link do post | comentar | ver comentários (5) |

RTP | José Sócrates x Passos Coelho

 

O presidente do PSD criticou a execução do Orçamento para 2011 dizendo que a redução da despesa está a ser feita pela metade, o que levou o primeiro-ministro e secretário-geral do PS a acusá-lo de maledicência.

"A execução orçamental que foi hoje divulgada e que, pelos vistos, gera a satisfação ao senhor engenheiro Sócrates, gera a maior preocupação para quem pode vir a ser Governo a partir de Junho", porque a despesa primária "está a descer pela metade", disse o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, num debate com o secretário-geral do PS, na RTP.

Segundo Passos Coelho, "os objectivos fixados para este ano de 5,9 por cento para o défice já não são atingíveis se o resultado da execução orçamental que foi hoje divulgada for projectado para o resto do ano", o que significa que "o engenheiro Sócrates não conseguiu deixar arrefecer o que assinou com a União Europeia e já não está a cumprir".

José Sócrates confrontou Passos Coelho com posições que defendeu sobre a economia portuguesa em 2009 e sobre a saúde, enquanto o líder do PSD exigiu que o secretário-geral do PS discutisse as suas responsabilidades enquanto primeiro-ministro.

A primeira metade do debate entre os líderes do PS e do PSD, na RTP, foi caracterizado por uma autêntico braço de ferro em torno de quem comandava os temas a colocar à discussão.

Sócrates começou por apresentar um relatório assinado por Passos Coelho enquanto administrador da Fomentinvest (de 2010, em relação à situação económica de 2009) em que este último assumiu a dimensão internacional da crise financeira portuguesa e, mais à frente, citou diversas posições do presidente do PSD sobre saúde, acusando-o de pretender "destruir" o Serviço Nacional de Saúde.

[visão]



Publicado por [FV] às 08:51 de 21.05.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

ESCOLHAS ELEITORAIS

Mais uma vez, a montanha pariu um rato, ainda que louvável a iniciativa, independentemente de quem a tenha tomado e de onde tenha ela partido, isso é uma questão secundária. Lamenta-se é que sejam curtas as pernas para tamanhas passadas por isso são invisíveis quaisquer frutos.

O facto de Bloco de Esquerda (BE) e Partido Comunista Português (PCP) se reunirem constitui, só por si, uma assinalável novidade que ninguém acreditava, ainda há muito pouco tempo, contudo o que daí decorreu, pelo menos por agora, foi um completo vazio.

Por isso continuamos a ver e ouvir mais do mesmo, não é garantido que tanto em separado como conjuntamente (terão que evoluir nesse sentido e disso dar mostras), tanto um como o outro, evidenciarem comportamentos e apetências capacitantes que garantam, ao eleitorado, a certeza do não desperdício de votos enquanto compromisso de uma inovadora acção governativa.

Nem o argumentário, tão pouco as práticas ou programas eleitorais desse desiderato de acção governativa dão, evidentes, mostras, por enquanto.

Enquanto assim for, tanto votantes como eleitos, não se posicionam alem do limiar da contestação, da reivindicação de direitos, muitas das vezes sem qualquer compromisso de responsabilização ou obrigação dela, fora do sempre putativo contrato social que deverá, continuadamente e em cada momento, ser estabelecido entre governantes e governados, entre o cidadão individual e colectivamente tutelados pelas obrigações do Estado, que, em conjunto, consubstanciamos num todo colectivo.

Assim e enquanto deste modo formos vivenciando as nossas reclamações e lamurias, não sendo um completo vazio, não vamos alem de podermos escolher entre os disparates e erros governativos cometidos pelos socialistas de José Sócrates, detentores de ligeiros princípios sociais e os ímpetos de uma agenda ultraliberal preconizada pelo PSD de Passos Coelho que tem atrás de si toda uma legião de oportunistas para se apropriarem de sectores de actividade, ainda detidos pelo Estado e potenciadores de fabulosos lucros num mercado desregulado e a seu jeito.

Eu, cidadão que ideológica e culturalmente de esquerda me confesso, não tenho, as mínimas, dúvidas da escolha.

Sou crítico e, crítico continuarei, seja qual for o resultado das eleições do próximo dia 5 de Junho, sem olvidar que nelas tenho a obrigação de separar o trigo do joio e o essencial do acessório. Nos tempos que correm é o mínimo que teremos de exigir a nós próprios.



Publicado por Zé Pessoa às 08:35 de 20.05.11 | link do post | comentar | ver comentários (8) |

GOVERNO E (DES)GOVERNOS

 

 

E os políticos que nos governam e os que pretendem vir a governar-nos,

continuam numa «campanha de brincar» onde a única certeza

é que o futuro dos portugueses está hipotecado!



Publicado por [FV] às 11:25 de 13.05.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

TV | José Sócrates x Paulo Portas

José Sócrates diz que ganhou o debate televisivo de ontem frente ao líder do CDS-PP.
Paulo Portas recusa implicitamente integrar Governo PS.

 

 


O secretário-geral do PS, José Sócrates, considerou ter ganho o debate televisivo com o líder do CDS, enquanto Portas voltou a acusar o primeiro-ministro.
"Ganhei este debate e vou ganhar as eleições", disse José Sócrates, em declarações aos jornalistas no final do debate transmitido pela TVI.

O líder do CDS, Paulo Portas, recusou implicitamente integrar um Governo de coligação com o PS ao afirmar que "é coerente" e que não deve entregar-se a gestão do empréstimo financeiro a José Sócrates.

"Sou coerente quando disse uma palavra [a José Sócrates, no Parlamento], saia. Eu não entendo que se devam colocar 78 mil milhões que são a última oportunidade que nós temos para pôr o Estado e as contas em dia e para permitir o crescimento económico (...) que se deva colocar a gerir esse dinheiro quem apenas soube gastar mais, desperdiçar mais, endividar mais, ou seja, José Sócrates", afirmou Paulo Portas, após questionado se fará Governo com o PS caso PSD e CDS não reúnam maioria nas eleições de 5 de Junho.

Questionado sobre que entendimentos admite, no debate na TVI, o secretário-geral socialista, José Sócrates respondeu que a atitude do PS "é de abertura e diálogo".

Sapo



Publicado por [FV] às 10:14 de 10.05.11 | link do post | comentar |

Os significados destas eleições

As sondagens publicadas na última semana revelam várias novidades: por um lado uma ligeira subida do PS, aproximando-se do PSD; uma continuação da descida do Bloco de Esquerda, e pequena subida do CDS-PP.

Esta evolução reflecte de forma particularmente precisa os resultados da luta que se tem travado entre os vários protagonistas políticos nas últimas semanas.

Antes de mais, é um claro sinal da resiliência do formato do nosso sistema partidário, "malgré tout". Na luta entre os grandes partidos (PS e PSD) vs os pequenos (CDS, BE e PCP) os grandes continuam a dominar. Apesar de haver a convicção generalizada de que o sistema político, com todos os seus defeitos, foi construído pelo PS e PSD, os portugueses recusam abandonar estes partidos em massa por opções irrealistas (PCP e BE) ou populistas (alguns novos partidos). Isto, não deixa de ser revelador de um extraordinário bom senso. Que é também marcado por alguma esperança no futuro, patente na sondagem do Expresso publicada na última semana, em que uma maioria de portugueses considera que a vinda da "troika" para Portugal vai ser positiva para o país.



Publicado por JL às 00:15 de 29.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (5) |

Anda por aí um homem singular…

As cerimónias do 25 de Abril, em Belém, decorreram sob a bandeira da necessidade de encontrar “soluções convergentes” entre as forças políticas e da busca de um clima de unidade.

Pedro Passos Coelho esteve presente nesta cerimónia e ouviu os apelos.

Uma vez acabada a cerimónia surge a primeira atoarda: interpretou os apelos de Belém como um incitamento a uma nova “União Nacional”. Leu mal a História e daí decorre uma interpretação enviesada sobre o anterior regime, o que se reflecte na avaliação estapafúrdia que faz. O que não é propriamente um cartão de apresentação para um homem com as suas ambições políticas.

Hoje, suponho que para emendar a mão, iniciou uma nova fase de abertura aos partidos. Não será nenhuma novidade. O PSD sabe - como de resto o País - que a presente intervenção externa exige compromissos interpartidários pré-eleitorais. Compromissos que se estendem aos integrantes do chamado “arco do poder”, já que o PCP e o BE se puseram de fora, melhor, não subscrevem o pedido de auxílio em curso.

Mas para não ficar mal na fotografia, condiciona esse entendimento com os outros partidos. Para que ele exista será condição sine qua non a exclusão de José Sócrates. Um político que tem no interior do PS a sua legitimidade refrescada pelo último Congresso. Esta intromissão ao interior de um partido adversário nas próximas eleições é, para ser comedido, singular.

Mas põe mais condições. Para que essa concertação funcione é necessário o País escolher a “mudança”. Isto é, para o putativo dirigente, o eleitorado deverá transformar o PSD no partido maioritário. Uma condicionante ainda mais vasta. Só faltou dizer o que deve ser feito se tal não acontecer. Na verdade, os votos não estão contados. Todavia, é possível adiantar a postura do PSD. Se não for o PSD a liderar o actual dirigente regressa a penates. E aí temos um grave problema. Como é usual no PSD o líder seguinte “renasce das cinzas” e passa por cima do que a anterior direcção acordou.

Ficamos, a verificar-se este cenário, a um passo do total descrédito perante a UE. Um descrédito amanhado por um homem que se julga com “algum crédito para gastar”.

"Invulgar" este homem e esta estratégia. Existe outro nome para estes malabarismos tácticos: chantagem eleitoral!

e-pá! [Ponte Europa]



Publicado por JL às 10:06 de 28.04.11 | link do post | comentar |

SÓCRATES E PASSOS, LAMENTÁVEIS E VELHOS

Estamos entalados entre dois casmurros e prensados entre o nosso, irresponsabilizado, desígnio e uma troika sem princípios sociais e a só olhar para os números.

Depois de Sócrates ter anuído, em entrevista à TVI, num entendimento pós eleitoral com o PSD, Passos Coelho veio publicamente afirmar que não está interessado nesse entendimento com Sócrates à frente do PS.

Passos Coelho, ao tomar tal atitude reactiva, vem demonstrar que se está borrifando para os soberanos (?) interesses do país e para o bem-estar dos portugueses. Demonstra que só o move pretender ser Primeiro-ministro e não os verdadeiros e necessários interesses do Estado, do país e de quem cá tem de viver. Muitos há que já vão fugindo.

Passos Coelho, ao dizer não a entendimento com o hipócrita e desonesto argumento de o não fazer com "quem meteu o país na crise", deveria ser coerente e não o fazer igualmente com os seus próprios companheiros de jornada dado que o descalabro consumista, despesista e desviador de recursos vem dos tempos de Cavaco Silva. Já esqueceu o que se passou com a construção do Centro Cultura de Belém?

Já olvidaram o chorrilho de apoios financeiros, mal desbaratados, para abate de navios, para deixar de produzir bens agrícolas, para dar cabo de quase todo o processo produtivo incluindo as escolas técnicas e outros?

"Tenho dito que o PSD está aberto a acordos com outros partidos depois das eleições, mas primeiro o país que diga que mudança quer. Aqueles que nos puseram na crise não têm condições para nos tirar", acrescentou o líder social-democrata.

A tomar tais palavras a rigor ninguém deveria votar no PS como também não no PSD que de resto e a olhar ao que a espasmos tem vindo a lume Deus nos livre que venha a ser governo. Como o PSD ao leme da governação seria mais um virar na senda neoliberal ou mesmo ultra-liberal que vem assolando esta velha Europa, coisa de que tanto EUA, Japão, Mercosul e outras regiões procuram fugir.

O líder do PSD frisou ainda que "o país precisa de conhecer a mudança, precisa de quem tenha crédito para gastar daqui para a frente". Tem razão, só que tal desiderato não será consigo nem com seus comparsas que, conforme já referido, nada de novidades aportam, nem com uma roupagem tão pouco enobrecida como foi a triste jogada da caça ao voto eleitoral das recentes eleições presidenciais.

Lamentável, simplesmente lamentável e velho.

Até o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, cuja autonomia parece mais consentânea com a função e diferente da forma de actuar do seu antecessor, veio afirmar, conforme aqui se pode ler, que a actual crise orçamental é "reveladora de uma persistente falha do regime financeiro da administração pública" e defendeu que "a inscrição na Constituição de uma regra sobre saldos orçamentais pode ajudar a criar um círculo virtuoso de qualidade institucional do ponto de vista da disciplina orçamental e do crescimento".

Perante o desgoverno, demonstrado pelos vários partidos, e incapacidades fiscalizadoras das respectivas comissões e da própria Assembleia da República, será o mimo que se pode exigir.

O homem afirma que é "reveladora de uma persistente falha..." portanto que não é recente ou seja é vinda de há largos anos, vem dos tempos de outros senhores que agora se pretendem "vender" ao povo com outras roupagens e por novos preços, naturalmente muito mais exigentes e mais caros.

O povo, por vezes parece, efectivamente, andar distraído mas, também, por vezes, acorda.



Publicado por Zé Pessoa às 00:05 de 28.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

Dois passos atrás sem passos à frente...

As sondagens publicadas nos últimos dias dão conta que tudo está no fio da navalha, quer quanto à escolha do primeiro-ministro, quer quanto a maiorias parlamentares.

A seis semanas das eleições, ninguém arrisca dizer quem sairá vencedor do confronto eleitoral de 5 de Junho - se José Sócrates ou Passos Coelho. As sondagens publicadas nos últimos dias dão conta que tudo está no fio da navalha, quer quanto à escolha do primeiro- -ministro, quer quanto a maiorias parlamentares. Este quadro, a manter-se, indicia sérias dificuldades na formação de um governo sustentado por uma maioria parlamentar, com os perigos que daí advêm, particularmente quando paira no ar um cheiro a bancarrota. Mas não deixa de ser, também, um cenário arrasador para o PSD e, sobretudo, para o seu líder.

 Parece estranho que José Sócrates, com o desgaste natural de mais de seis anos no poder e no meio de uma profunda crise internacional, se mantenha em condições de ser eleito de novo primeiro-ministro. Mas é notória a desconfiança dos portugueses em relação às capacidades de Passos Coelho para o substituir. Sobretudo neste período de grandes dificuldades. Essa desconfiança começou no Verão passado, com a proposta de revisão constitucional. Passos Coelho mostrou que as suas "convicções" navegam à vista, ao sabor de sondagens. Meteu os pés pelas mãos, sem saber o que queria ou se o sabia não queria dizer.

Os dois exemplos mais significativos foram a "justa causa" nos despedimentos e o fim dos serviços de saúde "tendencialmente gratuitos". Mesmo se lhe assistisse razão na proposta inicial, as sucessivas alterações moldaram-lhe o perfil político. Contudo, foi a partir de 12 de Março que esse perfil se consolidou. O momento e os motivos do derrube do governo e as erráticas e contraditórias propostas avulso que tem apresentado ditaram a imagem de imaturidade política. A escolha de Fernando Nobre para Lisboa e o imbróglio da "oferta" da presidência da Assembleia da República foram a cereja em cima do bolo.

 Mesmo para quem tem razões de queixa do governo e de José Sócrates - e razões de queixa sobejam - é incompreensível a rejeição do PEC IV, numa estranha sintonia com a extrema-esquerda, exactamente no momento em que o primeiro-ministro tinha alcançado um pré-acordo com os parceiros europeus, para uma saída "airosa" da degradada situação financeira e económica em que nos encontramos.

Essa incompreensão aumentou quando, dias depois, o líder do PSD, ao contrário do que sustentara antes, desenvolveu, em versão inglesa, a tese segundo a qual o PEC IV não ia "suficientemente longe" nas medidas de austeridade a adoptar.

Esta reviravolta levantou a interrogação sobre os verdadeiros motivos da rejeição do PEC IV. E quando começaram as recusas públicas de figuras cimeiras do PSD em aceitar o convite de Passos Coelho para integrar as listas de deputados, caso de Manuela Ferreira Leite, Marques Mendes, António Capucho ou Luís Filipe Menezes; ou as críticas implacáveis de José Pacheco Pereira ou Morais Sarmento, entre outros, percebeu-se que os motivos que estiveram na origem do derrube do governo podem estar mais relacionados com a instabilidade interna da sua liderança do que com a situação do país.

A acelerada degradação da situação financeira após a demissão do primeiro-ministro e o pedido de "ajuda externa", percebido como consequência da crise política, evidenciaram ainda mais quão inoportuna foi a abertura desta crise política.

Por tudo isto, não é estranho que José Sócrates esteja, ainda, neste momento, em condições de ser eleito, pela terceira vez consecutiva, primeiro-ministro.

Tomás Vasques [i]



Publicado por JL às 10:23 de 27.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

OS “CABECILHAS” DO CENTRÃO NAS LEGISLATIVAS

A necessidade de mesclarem a imagem, entre a novidade e o encaixe de figuras do aparelho partidário, leva a uma mudança de pedras no xadrez da política que “obriga” a uma variação entre o pára-quedismo e a marcenaria.

Como alguns alcoviteiros vinham agoirando (não era preciso ser-se bruxo) o PSD já começou a perder terreno o qua não admira, tantas são as calinadas.

Algumas dessas figuras são uns verdadeiros pára-quedistas, como seja o caso de Paulo Campos, no PS, que sendo de Oliveira do Hospital salta de Coimbra, de cuja federação faz parte, para concorrer na Guarda. Até que não é um salto muito desconforme.

O mesmo, com maior ou menor evidencia, sucede com todos os outros partidos, cujas listas são pintadas com as cores do cinzentismo de muitas, pardas, figuras, numa mistura mal disfarçada, entre a promíscua irresponsabilidade dos interesses pessoais e os lobbys acomodados à “porca de muitas tetas” que Bordalo Pinheiro bem caracterizou.



Publicado por DC às 09:37 de 21.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (9) |

Haverá mesmo 33% de malucos em Portugal?

No dia em que José Sócrates lançava finalmente a toalha ao chão e pedia que o FMI viesse salvar a pátria da bancarrota, uma sondagem da Universidade Católica atribuía 33% de intenções de voto ao PS nas próximas eleições.

Esta sondagem vem na linha de outras que colocam os socialistas na casa dos trinta por cento, um resultado de tal modo espantoso que cada vez que vejo estes números nos jornais tenho vontade de me beliscar para ter a certeza de que estou acordado. Como é possível que alguém com o cérebro irrigado ainda ponha a hipótese de votar em José Sócrates no próximo dia 5 de Junho?

Dir-me-á, caro leitor – e estou certo de que esta é a pergunta que assombra metade dos portugueses –, que ninguém tem a certeza de que Pedro Passos Coelho venha a ser melhor primeiro-ministro do que Sócrates. É verdade. Ninguém pode ter a certeza. Sem dúvida que eu preferia que o PSD tivesse outro líder. Sem dúvida que Passos e a sua ‘entourage’ estão longe de entusiasmar quem quer que seja. Sem dúvida que os erros cometidos nas últimas semanas não auguram nada de bom. Mas pense comigo, caro leitor. Imagine que vai construir uma casa nova e só tem dois empreiteiros disponíveis: um deles é construtor há muitos anos, e deixou desabar todas as casas onde pôs as mãos; o outro tem pinta de poder ser tão mau quanto ele, mas nunca construiu casa alguma. A qual deles entregaria você a obra?

Admitir que 33% de portugueses possam vir a ilibar com o seu voto o comportamento do primeiro-ministro nos últimos seis anos é inconcebível para mim. Só pode ser gente que se encontrasse Sócrates numa viela escura a esfaquear uma velhinha viria defender publicamente que ele estava a promover a acupunctura entre a terceira idade.
Caro leitor: votar no PS, ainda vá. Mas votar em Sócrates? Votar em Sócrates não tem perdão.

 

Por João Miguel Tavares, cronista indelicado [CM]



Publicado por [FV] às 11:52 de 08.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (5) |

Petição "Por uma campanha eleitoral sem custos para as finanças públicas"

P  E  T  I  Ç  Ã  O     P  Ú  B  L  I  C  A

Portugal vive um tempo de enorme crise financeira, económica, social e política. Vão realizar-se eleições legislativas em 5 de Junho de 2011. A lei prevê a atribuição de financiamento público, no valor de 9 milhões de Euros, para as despesas de campanha dos partidos políticos.
Atendendo:
a) À terrível situação económica e financeira do País que exige que se use com total bom senso os escassos recursos disponíveis
b) Ao exemplo que os partidos e os políticos devem dar de austeridade e de poupança de dinheiros públicos
c) À existência de recursos gratuitos (tempos de antena na rádio e na televisão, cobertura noticiosa, comunicação internet,..) que pode ser utilizados para fazer chegar aos eleitores a sua mensagem política.

Pede-se aos partidos políticos concorrentes às eleições legislativas de 2011 que abdiquem voluntariamente da utilização de qualquer financiamento público para os custos da campanha eleitoral, aderindo assim à campanha “Custo Zero”.


Assinar a Petição Por Uma Campanha Sem Custos Para as Finanças PÚblicas

A Petição Por uma campanha eleitoral sem custos para as finanças públicas,
para Partidos políticos portugueses foi criada e escrita pela comunidade Movimento Esperança Portugal.
Esta petição encontra-se alojada na internet no site Petição Publica
que disponibiliza um serviço público gratuito para petições online.
Caso tenha alguma questão para o autor da Petição poderá enviar através desta página: Contactar Autor

Ver actuais signatários



Publicado por [FV] às 17:38 de 06.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO