O GASPAR BATEU COM A PORTA

 

Nada vai mudar

Pouco importa

Que o Gaspar

Tenha batido com a porta

 

Com este governo à deriva

E a fazer-nos a vida negra

Há muito quem diga

Que já nenhuma mudança pega

 

A Albuquerque, Luísa

Que nos Swaps anda metida

Já outra política não visa

Que esta política fratricida

 

Os salteadores do poder

Reclamam já eleições

O povo não sabe quem escolher

Entre esta corja de aldrabões

 

Ninguém vislumbra

Uma linha anticorrupção

Nesta política de penumbra

Que faz doer o coração

 

Que diferença faz

Um PS de Seguro

Que parece não ser capaz

De nos mostrar uma linha de futuro

 

Já basta de sofrimento

Tanta amargura do povinho

Eu já não aguento

Uma esquerda sem caminho

 

Entendam-se lá, por uma vez

As esquerdas em Portugal

Para corrigir as asneiras que alguém fez

E que nem todos pagam por igual

Só assim valera a pena uma campanha eleitoral!



Publicado por Zurc às 12:27 de 02.07.13 | link do post | comentar |

Partidos: Líderes precisam-se

Embora o campeonato futebolístico já tenha sido iniciado a verdade é que politicamente e mesmo depois da realização, amedrontada e incipiente, do comício do Pontal (que até foi em outro local) por parte do PSD/Algarve tudo indicia que os líderes, sobretudo dos dois grandes (os maiores) partidos, continuam em defeso banhistico.

Tanto para José Segura cansado/exausto devido ao esforço dispendido  nos périplos eleitorais, por secções, federações e concelhos, já repetidamente e por iguais causas percorridos, como para Passos Coelho, derreado pelo peso de consciência (será isso, ainda possível?) a propósito dos sacrifícios impostos aos sacrificados do costume, continuam a banhos balneários, numas quaisquer termas de águas temperadas ou mornas mais ou menos sulfurosas, que lhes permitam superar um inverno que se avizinha cheiro de amargos calafrios.

O PSD entretido na distribuição de jobs, mais ou menos inventados, de modo a satisfazer as clientelas costumeiras e o PS escondido entre as nuvens, carregadas de poeira acinzentada, e a deriva ideológica, tornaram-se quase inexistentes, no que ao debate político diz respeito, tanto interna como socialmente e na perspectiva dialéctica de busca de soluções económicas, qualquer que sejam os sectores de actividade que se possam imaginar.

Em tais circunstâncias, não há que admirar, ouvem-se cada vez mais vozes a argumentar que com partidos moribundos a democracia fica doente e o regime abeira-se de abismos. Já ninguém, salvo os de pouco juizo, arrisca qualquer prognóstico para os dias futuros. Passamos a viver um dia de cada vez até que esta instabilidade de uma sociedade, globalmente à rasca, se estabilize, minimamente.  



Publicado por DC às 16:20 de 22.08.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Se assim for, este será o meu candidato
Francisco Assis quer eleições do PS abertas aos cidadãos

Eleições para secretario geral do Partido Socialista e, não só...

Conforme hoje os jornais “Publico” e DN dão conta, o candidato à liderança dos socialistas Francisco Assis quer que o PS seja o primeiro partido em Portugal a escolher os candidatos a primeiro-ministro, deputados e autarcas em eleições primárias abertas à sociedade.

Francisco Assis referiu que este ponto de “ruptura na orgânica de funcionamento dos partidos” faz parte da sua moção de estratégia para as eleições directas no PS, que se realizam a 22 e 23 de Julho.

Na sua moção de estratégia, que será entregue formalmente quarta-feira, Francisco Assis propõe que os socialistas portugueses tenham como paradigma de escolha de candidatos o modelo norte-americano, sobretudo o dos Democratas.

Nas eleições primárias norte-americanas, todos os cidadãos, independentemente de estarem ou não filiados, podem registar-se em cada Estado para participar na escolha dos candidatos do seu partido de simpatia, incluindo a do candidato a presidente dos Estados Unidos.

Em Portugal, a escolha de candidatos dos partidos a cargos locais ou nacionais é feita pelos órgãos partidários, que por sua vez são eleitos por militantes.

No caso do PS e do PSD, os militantes escolhem por voto directo os líderes do partido e os dirigentes distritais, sendo os restantes órgãos eleitos por delegados em congresso.

Francisco Assis propõe agora que haja primárias abertas à sociedade na escolha dos candidatos do PS a primeiro-ministro, deputados e presidentes de câmara, entre outros cargos.

“Quero criar um sistema que enfraqueça ao máximo os sindicatos de voto, que são uma doença em todos os partidos”, justificou o candidato à liderança do PS.

Interrogado se propor este sistema não lhe poderá retirar votos entre os militantes socialistas, uma vez que pretende retirar-lhes poder de influência, Assis respondeu que “quem quer ser secretário-geral tem de dizer o que pensa”.

Acentuou ainda que não quer “ganhar as eleições no PS a qualquer preço”, porque diz querer “uma mudança real”.

Outro ponto da moção que Francisco Assis entrega quarta-feira relaciona-se com a ideia de “políticas públicas activas com respeito pela lógica de funcionamento do mercado” – ponto que o candidato socialista considera “decisivo para a reconquista da confiança das classes médias”.

Em sectores como saúde, educação, segurança social e ciência, as políticas públicas são considerada “essenciais, mas não concorrentes do mercado”, nessas mesmas áreas.

A moção de estratégia de Francisco Assis teve entre os principais colaboradores Rui Pena Pires, sociólogo, João Galamba, deputado, Filipe Nunes, ex-chefe de gabinete de ex-ministro da Defesa, Augusto Santos Silva) e Manuel Pizarro, ex-secretário de Estado da Saúde.



Publicado por DC às 10:05 de 22.06.11 | link do post | comentar | ver comentários (8) |

O voto é uma arma que, também, deveria ser cortante

Os cidadãos eleitores que brevemente irão ser chamados a decidir, através do seu voto, qual é o partido vencedor próximas eleições legislativas e na sequencia dessa escolha, também determinam quem é o responsabilizado, por indigitação formal do Presidente de Republica, a formar governo.

Perante a total irresponsabilidade de todos os actuais actores (partidos, lideres partidários e presidente) que não foram capazes de ter encontrado no actual quadro parlamentar uma solução de governação para o país e tendo em conta a tão elevada situação de gravidade em que nos encontramos, quase no abismo. todos deveríamos votar em branco e massivamente.

À partida (visto que o exercício do poder desgasta) Passos Coelho parece levar vantagem para essa corrida que já se iniciou. O descontentamento social é grande, contudo, também, são muitas e igualmente grandes as dúvidas, tal como as desconfianças que o PSD e o seu líder suscitam.

José Sócrates, reconheça-se, tem muitos defeitos e algumas virtudes e, como é reconhecido até por adversários já ressuscitou, politicamente, mais de uma vez.

Os decisores, no uso da sua arma que é o voto, irão determinar (a menos que virem as costas à sua responsabilidade de cidadania) a sua escolha com base tanto nas decisões e propostas que os vários partidos entendam formular nos seus respectivos programas de governo mas, também, e não menos importante, baseando-se nos comportamentos e atitudes dos diversos protagonistas quer quanto à forma como apresentem as suas ideias bem como quanto ao tom e linguagem utilizados quando se dirijam ou se refiram a seus adversários.

O voto é uma arma que nem sempre os eleitores utilizam da melhor forma, mesmo no plano interno partidário, e as eleições internas quer do CDS como as do PS foram bem a ilustração disso (tipo Norte-coreanas).



Publicado por Zurc às 12:16 de 01.04.11 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO