Obrigado José

O escritor português e prémio Nobel de Literatura, José Saramago, morreu nesta sexta-feira (18), aos 87 anos, em sua casa, na ilha de Lanzarote, na Espanha.

O nosso  Prémio Nobel há-de continuar, sempre, presente na literatura,   na sociedade e no coração de muitos de nós.



Publicado por Zé Pessoa às 14:02 de 18.06.10 | link do post | comentar | ver comentários (5) |

Que país é este, afinal?

Que país é este, que, mal dá por si, se vê atascado num lamaçal de corrupção sem paralelo, centrada num sucateiro cujos tentáculos se entendiam por tudo quanto era sítio com influência para a progressão dos seus negócios?

Que país é este, que vê sistematicamente violado o segredo de justiça sobre matéria processual de casos ainda em fase de investigação?

Todavia quem me garante que se não fossem essas fugas de informação, os mega-processos como o “Freeport” e “Face Oculta” não acabariam por morrer na casca?

Que país é este, que se contenta com um código penal que valoriza mais a forma como são feitas as investigações sobre a criminalidade que à própria substância criminal?

Que país é este, que, se fosse inquirido sobre a credibilidade do seu sistema de justiça, a esmagadora maioria dos seus cidadãos responderia negativamente?

Que país é este, onde o primeiro-ministro frequentemente se vê envolvido em trapalhadas, como nunca aconteceu com nenhum outro governante, sem que se conheça ao certo o que nelas há de verdadeiro ou de calúnia?

Que país é este, onde o Procurador-Geral da Republica e o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça deixam cair na praça pública o seu aparente jogo de empurra de um para o outro, sobre certidões de processos “quentes” ainda em fase de investigações, permitindo que se instale a ideia que alguém aqui anda a querer sacudir a água do capote e rejeitar o ónus das decisões tomadas?

Que país é este, cujo Presidente do Supremo Tribunal de Justiça manifesta publicamente perplexidade pelo facto de o Procurador-Geral da Republica lhe enviar certidões extraídas das audições do processo “Face Oculta”, para sua análise e decisão, aos pinguinhos ou, nas suas próprias palavras, aos bochechos?

Que país é este, onde um arguido (o sucateiro) consegue ter conhecimento do acórdão (que lhe era favorável) de um tribunal superior (Relação do Porto) quatro dias antes de ser assinado pelo colectivo de juízes e proferido pelo seu relator?

Que país é este, em que uma empresa pública, as Estradas de Portugal, se permite, de acordo com a análise do Tribunal de Contas, “perdoar” às construtoras Soares da Costa e Mota-Engil nada mais nada menos que 430 milhões de euros na celebração de contratos de concessão de auto-estradas? Auto-estradas que são, de resto, um dos cavalos de batalha do primeiro-ministro para enfrentar a crise económica.

Que país é este, que vê sistematicamente derrapar de forma assustadora os custos das obras públicas, sem que daí advenham, que se saiba, quaisquer consequências punitivas?

Que país é este, que provavelmente será motivo de chacota lá fora, anda muito entretido a discutir as mazelas do tornozelo do Ronaldo?

Bom, que espécie de país é este, não sei ao certo. Só sei que será um país gravemente doente, que há muito tempo transporta dentro de si um cancro que lhe vai corroendo as entranhas e se não lhe for aplicada, quanto antes, uma terapia de choque, vai agonizando, agonizando até ao suspiro final.

Afinal, convenhamos, é o país que merecemos.

Até quando vamos assistir a todo este estado de coisas? Sim, até quando, alguém me sabe dizer?

Apostilha

Apraz-me registar que António Guterres foi classificado na 64ª posição no ranking das personalidades mundiais mais influentes.

Pelos vistos, Durão Barroso não entra nessa lista. Mas também por que carga d’água havia de constar, se o homem não passa de um serventuário dos donos do Mundo?

C. Quintino Ferreira



Publicado por JL às 00:03 de 16.11.09 | link do post | comentar |

O grande feito de António Guterres

Ninguém é profeta na sua terra, diz o ditado. A sabedoria popular portuguesa parece aplicar-se, por estes dias, a destacados membros da nossa classe política, que são mal amados na pátria enquanto recebem os mais rasgados elogios no estrangeiro.

A reflexão surge a propósito da distinção que a prestigiada revista norte-americana Forbes acaba de conceder ao ex-primeiro-ministro António Guterres. Reconhece-o como a 64.ª entre as cem personalidades mais influentes do mundo pela actividade que vem exercendo como alto-comissário para os Refugiados no âmbito das Nações Unidas.

É uma função que Guterres tem desempenhado da melhor maneira, como já foi reconhecido pelos mais exigentes analistas internacionais. Cansado do "pântano" da política portuguesa, o ex-primeiro ministro brilha hoje no estrangeiro, onde também merecem crédito o ex-primeiro-ministro Durão Barroso, que acaba de ser reconduzido como presidente da Comissão Europeia, ou o antigo presidente Jorge Sampaio, enviado especial do secretário-geral da ONU, entre outras tarefas, para a luta contra a tuberculose.

Três personalidades da vida nacional que ocupam cargos de poder e de prestígio nas mais altas instâncias internacionais, e que são elogiados lá fora e continuamente criticados cá dentro. Por um país que faz gala em depreciar os políticos, remetendo-os para os últimos patamares da consideração social. [Diário de Notícias]



Publicado por JL às 10:59 de 14.11.09 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO