Segunda-feira, 09.09.13

Em 2010 foi eleito no Brasil e com a segunda mais, expressiva, votação da história brasileira, um deputado sem nada ter prometido. Por isso, foi coerente e foi o que menos enganou os eleitores.

Em março passado deu uma entrevista a um jornal internacional inglês onde afirmou “"Você passa o dia inteiro aqui fazendo nada, apenas esperando para votar em algo enquanto as pessoas discutem e discutem".

Lamentavelmente os nossos tiriricas são os que discutem, discutem produzem legislação que ou não se aplica, ou se aplica contra quem os elegeu, ou permite que corruptos e ladrões fiquem sem julgamento.

Conclusão: somos, a léguas, muito mais enganados; custa-nos, a milhas, demasiadamente, mais caro; significa que, com ou sem consciência, tornamo-nos também tiriricas. Neste caso, tiriricas estúpidos e repetitivos. Eles, os da Assembleia, pelo menos, são espertos, comem-nos por patinhos.

Se não queremos assumir o papel de tiriricas estúpidos, nas próximas eleições, não devemos votar em ladrões nem em mentirosos saltimbancos.

Não sendo o conhecimento suficiente de que os/as candidatos/as dão garantias de honestidade de trabalho não podemos neles/as votar. Votamos nulo ou não votamos.

Por mim, na minha freguesia e no meu concelho, nenhum candidato merece o meu voto. Não voto em ladrões nem em mentirosos e voce, caro/a leitor/a?



Publicado por DC às 11:14 | link do post | comentar | comentários (2)

Sexta-feira, 28.06.13

 

 

É  um lusitano à procura de tumulo, o mais profundo possível, para que o povo português possa enterrar este governo. Nem o tumulo foi, ainda, encontrado nem o povo se decide enterrar o governo. Como diz o ditado "nem o pai morre nem a gente almoça".

Acabaremos por morrer, todos, de fome. Muitos  portugueses e populações por essa Europa e por todo o mundo já passam e morrem de fome, não por falta de recursos mas porque a riqueza está vergonhosamente distribuída.

Como diriam os do "gato fedorento" temos de importar imigrantes, sobretudo brasileiros, par virem fazer a agitação necessaria que obriguem os politicos a fazer as mudanças que urge sejam efectuados. Por lá a coisa está a dar frutos!

 



Publicado por Otsirave às 14:23 | link do post | comentar

Quinta-feira, 25.04.13

 Consensos?

  • Atingimos uma absurda taxa de desemprego;
  • Tem sido desbaratado o património nacional;
  • Temos uma taxa de IVA que obriga a fechar restaurantes e o comercio em geral como nunca antes visto;
  • Temos o maior agravamento fiscal e nos escalões do IRS de que há memoria;
  • Temos, sistemáticos, despedimentos no sector público e no privado;
  • Foi privatizada a saúde e paulatinamente destruído o Serviço Nacional de Saúde;
  • Registou-se um desvergonhado aumento nas taxas moderadoras nos centros de saúde e hospitais;
  • Foi imposto um agravamento desconforme nas propinas, o ensino nunca esteva tão caro e difícil;
  • Reduziram drasticamente as comparticipações nos medicamentos;
  • As pensões nunca foram tão de miséria como nos dias que correm devagar para quem não tem o mínimo de sobrevivência;
  • Verifica-se o aumento da criminalidade e da insegurança;
  • A vida parece cada vez ter menos valor e os nossos políticos são os primeiros a desvaloriza-la.

Quem diz que não há consensos?



Publicado por Zurc às 11:10 | link do post | comentar | comentários (1)

Domingo, 17.03.13

 

 

 

 

 

 

 

 

 TROIKA, PASSOS & GASPAR, um triunvirato de morte.

Gaspar, considerado como um dos malabaristas dos números (quase endeusado quando veio do confins do mundo, como o Papa Francisco), não acerta uma.

Todas as previsões e promessas feitas, quer pelo ministro das finanças como as repetidas pelo seu “padrinho” Passos Coelho, nenhuma foi, minimamente, acertada. Quer se refiram as previsões, espectativamente positivas, como as, nefastamente, negativas, todas foram ultrapassadas e sempre para pior. Nem sucesso nem tão pouco vislumbre de aproximação.

É mais que evidente que os homens não têm um pingo de vergonha, uma réstia de bom senso ou uma migalha de ética e de moral.

Se tivessem algum, pelo menos um, desses atributos Gaspar depois da saída da troika, após a sétima (des)avaliação teria apresentado a sua cata de demissão a Passos. Uma vez que isso não foi feito (em tempo útil) o primeiro-ministro deveria tê-lo já demitido.

Chegados a este ponto, quase sem retorno, e continuando a não ouvir as vozes das populações sejam capazes de ouvir as do vosso “correligionário” madeirense que por vezes tem laivos de lucidez credível e demitam-se os dois. Pelo menos poderia, talvez ainda, minorar as feridas deste maltratado povo português.



Publicado por Zé Pessoa às 17:40 | link do post | comentar | comentários (2)

Terça-feira, 12.03.13

 

Que a atual situação económica e social, que vivemos no país, na europa e no mundo é perigosa e periclitante, ninguém duvida, mas que também comporta sinais positivos de possíveis alternativas, é incontestável.

No caso de Portugal, a displicência e desfaçatez, chegaram a tal ponto que raia o absurdo, até os banqueiros que, supostamente, terão assinado os acordos que permitiram o “furto” do capital acumulado no fundo de pensões dos bancários, cujas responsabilidades futuras passaram para a gestão do fundo de pensões da Segurança Social e que agora todos temos de pagar através do “roubo” nas pensões de reforma, dizem-se indignados por receberem reformas de 20 mil euros por mês.

No caso de Portugal, corremos o risco de chegar à situação, não inédita, de a geração que implementou a III república ser a mesma que a destrói, tal e qual como fizeram os “revolucionários” da I.

No caso de Portugal, país habitado por uma maioria de gente de fraca (ou quase de nenhuma) memoria que elege políticos que, dizendo combater “o monstro” da divida publica se associam a gente que rouba o Estado.

No caso de Portugal, país de gente que elege políticos que anunciando existir má moeda promovem a sua circulação.

No caso de Portugal, país de gente que elegem políticos que bradando contra barões partidários os coloca no aparelho do Estado e na gestão de bancos a eles se colando para obter proventos próprios.

No caso de Portugal, país de gente que elege políticos que esbanjando as remessas de ajudas económicas provenientes de Bruxelas tornaram o país numa mera e marginal província europeia consumista de bens que chegam da Europa do Norte e da China, via autoestradas que também serviram para enganar o povo.

No caso de Portugal, país de gente escavacada no meio de um silvado onde murcharam as rosas e parece que só os espinhos crescem.

Será assim até que o povo acorde e for capaz de refundar partidos políticos e reconstruir a democracia, exercendo a cidadania plena.

 

 



Publicado por Otsirave às 12:22 | link do post | comentar | comentários (1)

Terça-feira, 05.03.13

Em 2004 foi publicado um livro que além de se constituir numa obra polemica tornou-se num best seller de vendas. “Confissões de um Assassino Económico” foi o título adoptado em português desta publicação autobiograáica de John Perkins que relata pormenores da sua atividade numa conhecida firma de consultoria.

Perkins define os assassinos económicos como sendo “profissionais altamente remunerados que lançam armadilhas de milhões de milhões de dólares aos países do Mundo. As suas ferramentas de trabalho são relatórios financeiros, manipulação de eleições, subornos, extorsões sexo e assassínio”.

Perkins confessa que, também, ele foi assassino económico trabalhando para a empresa de auditoria Chas T. Main, tendo como missão convencer os países mais pobres a aceitarem enormes empréstimos do Banco Mundial (BM) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), assegurando-se que todos os projetos nos quais se investiam esses empréstimos eram concedidos a companhias norte-americanas.

Uma vez tais países, amarrados a dívidas e a empresas que controlam as respectivas economias, o governo norte-americano podia manipula-los, com facilidade e a seu gosto, solicitando/impondo (na maior parte dos casos através de altos subornos), aos respectivos dirigentes nacionais, favores de cooperação militar e aquisição de armamento.

Quando não se conseguiam «dobrar», através destes convincentes relatórios, dada a teimosia das populações ou o esclarecido compromisso dos dirigentes para com o povo, entravam em cena os chacais da CIA com os seu métodos de infiltração e manobrado os exércitos impunham golpes militares e governos ditatoriais. Foi o que sucedeu com Jaime Roldós, no Equador, Omar Torrijos, no Panamá e Salvador Allende, no Chile.

Ao longo das décadas, as potências politicas e económica como EUA, Alemanha, China, Rússia, França Inglaterra, Goldman Sachs, foram fazendo as guerras, ditas convencionais, e impondo políticos ditadores que submeteram, suas populações, décadas a fio aos interesses das elites estrangeiras e nacionais. Há ainda significativas reminiscências dessas políticas tanto em Afica como na Asia ou Sul América. Na europa reinam as Troikas.

Essa estratégia (das ditaduras politicas) deu lugar a uma outra, muito mais sofisticada e rentável, que passa pela subversão económica, lavagem de dinheiro e fugas fiscais. Nela são usados os paraísos fiscais pomposamente designados de «offshore taxes» «offshore servisse» e taxes heaven».

Existem, em todos os países, “generosos” e “conceituados” advogados com escritórios abertos nessas descontroladas “praças financeiras” que a troco de uma percentagem nelas colocam avultadas quantias sacadas de corruptos negócios. É assim que, políticos e homens de negócios, aumentam suas fortunas ao mesmo tempo que as economias e as populações dos países vão empobrecendo. E assim será até que o povo acorde.



Publicado por Zé Pessoa às 17:55 | link do post | comentar

Quinta-feira, 28.02.13

 

A choruda reforma atribuída pelo BPN a José Oliveira e Costa é escandalosa e ofende a ética e a moral publicas.

Vejam bem a sacanagem!

Como é engenhoso o termo “ativos tóxicos”. Até parece que certos gestores de bancos, pagos principescamente com prémios de gestão, foram vítimas de um qualquer vírus estranho às suas, mirabolantes, manobras e decisões de falsear lucros e resultados.

Dá impressão que as decisões de investir em, especulativos, títulos de longo prazo e em “credit default swaps” geradores de falsos lucros, não foram feitos em beneficio dos próprios interesses.

O próprio termo “ativo tóxico” é, em si mesmo, profundamente, desonesto. Não só porque faz uma lavagem branqueadora à responsabilidade dos decisores banqueiros como no próprio termo. Um lixo nunca será um ativo e a toxidade não emergiu de um qualquer vírus, mas sim da própria essência cultural de quem, dessa forma, atuou.

Algo que é falso nunca se poderá constituir como um ativo mas sim como um, pernicioso e perigoso, passivo e a toxicidade só existe emergindo do egocentrismo egoísta do interesse próprio em ludibriar resultados económicos e contabilísticos.

Creio que uma qualquer decisão tomada com base em falsas declarações e falsos elementos informativos de avaliação deve ser considerada nula ou anulável. Desse modo a decisão tomada em atribuir a, escandalosa, reforma paga pelo BPN ou seja pelo povo português a José de Oliveira e Costa deve ser, fundamentadamente, retirada.

Tarda e é estranho que por cá não seja feito como sucedeu nos EUA em que foram levados a tribunal e condenados a prisão e ao pagamento de pesadas sanções económicas aos prevaricadores e dilapidadores de património alheio.

Ou o Ministério Publico (MP) anda distraído ou as pedras, na engrenagem dos da investigação e tribunais, devem ser muito grandes e impedidoras do funcionamento da justiça. É mais rápido apanhar e condenar um faminto que rouba uma carcaça. Pobre país que tal justiça e justiceiros tem!

 



Publicado por Zé Pessoa às 14:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.02.13
Custe o que custar nunca direi a verdade aos portugueses.


Há quem lhe chame de "mentiroso compulsivo". Na verdade o homem não acerta uma. tem feito, em tudo, o contrario do que prometeu aos portugueses.

O ultimo "desmentido", feito por Gaspar (o que significa que Passos mentiu), é sobre a afirmação "nem mais tempo nem mais dinheiro". 

Finalmente a juventude deste país começa a afirmar-se e a afirmar que não quer que Portugal continue a ser governado por mentirosos. É preciso engrossar o protesto!


Publicado por Zurc às 12:31 | link do post | comentar | comentários (2)

Domingo, 27.01.13

Já todos andávamos, mais ou menos, desconfiados.

No tempo de Sócrates, o PSD e toda a oposição afirmavam que, a política levada a cabo pelo seu governo, era uma porcaria. Agora, no tempo do Coelho, Portas, Gaspar e troica, o PS e os outros excluídos da governação dizem, repetidamente, que a política levada à prática por este governo é uma porcaria.

Uns afirmando outros desconfiando, todos íamos tendo a percepção que a política, em Portugal, se andava a tornar uma porcaria.

Se duvidas ainda alguém poderia acalentar, da tese da porcaria de política, desde ontem ficou comprovadíssima e irrefutadamente demonstrada, por um douto professor, sindicalista, que não só demonstrou que a política portuguesa se tornou uma grande porcaria como são os próprios suínos já envolvidos nela.

Não admira que da política e, grande parte, dos políticos nela envolvidos cheire tanto mal.

P.S.

Uma palavra de solidariedade para os professores portugueses. Não merecem nem esta política nem estes sindicalistas.



Publicado por Zurc às 18:34 | link do post | comentar | comentários (7)

Terça-feira, 18.12.12

Passos Coelho parece estar entalado entre a “canelada” a Cavaco e a “facada” no parceiro e tudo evidencia caminhar, a passos de lebre, para a borda de fora da governação.

Enredado na teia tecida por um zangão chamado Relvas, afinal o primeiro do governo visto ser ele a mexer todos os cordelinhos ideológico e estratégicos deste des)governo, que a todos atinge incluindo o 1º ministro cujo desgaste se evidencia em cada dia que passa. O rumo sempre no sentido de alienar ao desbarato o património nacional, que leva ao desmoronamento do país, não deixam quaisquer dúvidas do desnorte.

Descarrilaram, ainda mais abruptamente, atingindo o descaramento e a sem vergonhice ao ponto de além de (ao que já estávamos habituados) desviarem o dinheiro dos Planos de pensões das caixas privadas (Marconi, Correios, Carris, Telefones, Bancários, …) agora dizerem ser injustas as pensões. Ou seja, sacaram o dinheiro para equilibrar os Orçamentos de Estado, que foram gastando em regabofes eleitorais. Sacudiram as responsabilidades futuras dos correspondentes encargos para a Caixa Nacional de Pensões e agora chama desonestos os pensionistas, entretanto pelos governantes saqueados!

A desvergonha, desta gente, chega ao ponto de chamar ladrão ao roubado e de seria a si mesmos que delapidaram património alheio.

A conclusão a que podemos chegar é que o produto do saque foi desbaratado e a “quadrilha” já se não entende na partilha do pecúlio. O barco já mete água pela proa e os ratos querem abandonar o navio.

Pela certa, iremos ter eleições legislativas antecipadas. Como já por aqui se escreveu, a questão de fundo é que com “as banalidades” e o “vazio de propostas credíveis” do PS e da restante oposição não há alternativa que se veja. Vivemos uma pobreza democrática como nunca se viu.

Cumpre-nos, sob pena do afundanço ser ainda maior, procurar pormos de lado as lamúrias e começar a encetar um debate mais prepositivo. Seremos nós cidadãos capazes disso?



Publicado por DC às 14:51 | link do post | comentar | comentários (1)

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS