PORTUGAL

 

Uma nação com um paradigma chamado Sócrates, um pretor a Passos e sob o desígnio do empobrecimento.

Um país cujo Presidente é abstrato e que, por via disso, raramente se engana e nunca tem dúvidas.

Uma sociedade abjecta e feudalizada que aceita a existência de uma democracia baseada em partidos mortos.

Uma democracia em que a oposição faz de governo e o governo faz de oposição, igualizando-se mutuamente na exploração do povo.

Portugal, um país abaixo do relativo, é uma nação moribunda.



Publicado por Zurc às 14:01 de 28.03.13 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

A Gravata da classe média

                                      

Esta é a oferta que Passos Coelho, Paulo Portas e Victor Gaspar ofereceram aos trabalhadores em geral e à classe media em particular.

Agora, quem recebe de remuneração ou amealhou par ter uma pensão que seja acima de 1300,00 é considerado rico. Ulriche e companhia são os novos pobres.



Publicado por Zurc às 20:59 de 18.02.13 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

QUE DEMOCRAVIA É ESTA?

A ponte que agora se chama de 25 de Abril teve as seguintes características de construção:

Já repararam como é estranha a nossa democracia e profundo o engodo da governação, dita em nome do povo. Será que é “o povo quem mais ordena”?

Então o povo terá de aprender muito e depressa porque quanto mais tempo demorara mais cara lhe fica a aprendizagem.

Antigamente, tive-mos uma administração canonizada, baseada em juntas paroquiais, como não fomos capazes de nos autonomizar, responsável, e naturalmente organizados, caímos tutelados por uma santíssima trindade a que pomposamente chama-mos de Tróica.

Continuamos, assim, a apelar que os santos nos ajudem em vez de assumirmos os nossos próprios destinos. “Seja o que Deus quiser”, não é?



Publicado por DC às 17:27 de 11.12.12 | link do post | comentar |

Alternativas, onde estão?

 

 

Em tempos idos, já pouca gente se lembra, foi assim, a palavra dada era suficiente para firmar qualquer acordo ou contrato. Foram tempos em que a palavra era de honra.

Maior que a crise da justiça, melhor dito da falta dela, (que já é uma crise muito grande) é a crise da dignidade da palavra dada que deveria ser, também, legitimidade democrática (acrescida e mais valorada que o próprio voto) da governação de qualquer partido ou coligação.

Assim, a falta de respeito pelos compromissos e palavra dada (falar verdade, lembram-se?) em tempos de campanha ou pré-campanha eleitoral deveria ser suficiente para fazer cair qualquer governo. Se este se enganou e enganou o povo, de forma deliberada ou não, o facto é que foi defraudado o voto expresso nas urnas, tal governo deveria reconhecer não reunir as condições e confiança necessárias para continuar a representar quem nele votou.

De igual modo e pelas mesmas razões o sistema democrático e o regime político vigente deveriam prever mecanismos de substituição dos responsáveis que tão despudoramente faltem à verdade das suas próprias palavras e aos compromissos assumidos perante o eleitorado.

Porque não a consagração na constituição da república que num caso destes tais governantes pudessem ser substituídos pela segunda força política mais votada desde que fosse capaz de apresentar programa de governo coerente com as ideias anteriormente apresentadas?

Para maior credibilidade do sistema democrático deveria tornar-se imperativo que os deputados agissem na Assembleia da República em conformidade com os interesses dos eleitores (não é afinal em sua representação que ali estão?) e não obedecendo a disciplinas impostas pelos aparelhos partidários cujas listas integraram.

Por idênticas razões deveria ser consagrado na Constituição da República a incompatibilidade total do exercício de quaisquer funções, ainda que exercidas graciosamente, que não tivessem que ver directa e inequivocamente com a função de representante do povo.

O ser humano é um todo consubstanciado em comportamentos e ideologias, se a finança se sobrepõe à política é porque os políticos, nos seus conflitos de interesses, perdem a noção do interesse publico, que assumiram quando eleitos, substituindo-o pelos interesses privados, próprios e de grupos. Tais circunstâncias só podem ser corrigidas com a introdução de “freios e contrapesos” e instrumentos de controlo além de maior exercício da democracia directa concomitantemente com o permanente exercício responsável de cidadania por parte de cada um de nós.

Toda esta evolução negativa da democracia foi emergindo na exacta evolução em que nos deixamos vencer por velhos Adamastores e fantasmas os quais impediram de varrer das nossas cabeças e muito menos das nossas organizações atitudes caciqueiras e comportamentos sectários.

Temos medo do futuro, somos cobardes e não assumimos riscos.

O recente Congresso Democrático das Alternativas foi revelador do que acabo de referenciar; foram feitas importantes análises, chegou-se a algumas boas conclusões, existiram falhas bastantes (não se aflorou o gravíssimo problema da corrupção e funcionamento da justiça, as dificuldades das empresas e os elevados riscos de ser empresário nas actuais circunstâncias, p.e.). Tomada de medidas imediatas foi um colossal vazio. O que se segue no imediato?

Emergiram as habituais quintarolas. A maioria continua a olhar o umbigo, o próprio!

Com os alternantes, BE e PCP, a contar espingardas que grande parte das vezes pouco mais servem que dar tiros nos próprios pés e um PS a fazer equilíbrio no meio de uma ponte apodrecida não saímos deste pântano tão cedo.

Alternativas, onde estão? Quem souber que o divulgue, aqui o LUMINARIA fara eco de tão inusitada como importante novidade.

 



Publicado por Zé Pessoa às 19:46 de 08.10.12 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO