Corrupção e voyeurismo, uma mistura explosivamente destruidora

Os casos da semana: Pingo Doce e Serviços de Informação e Segurança

Afinal, não é a legislação laboral que impede os grandes grupos económicos de investir e criar empregos em Portugal, como certos políticos e comentadores da nossa praça andam, há anos a fio, a fazer crer e a tentar fazer doutrina moldando pensamentos e as cabeças mais distraídas.

Se dúvidas existissem quem ouviu, outra vez, na recente entrevista, o homem forte do grupo Pingo Doce a propósito da recente polémica que fez correr tinta, discursos e outras alegorias ao longo da última semana, pelo facto da família Soares dos Santos, ou seja, o grupo Jerónimo Martins ter, formal e juridicamente, transferido a sua residência fiscal para a Holanda através da venda da respectiva quota a si mesmo, teria ficado esclarecido.

O homem afirmou que, a razão de o ter feito, foi devido aos elevados índices de corrupção, à instabilidade legislativa, dificuldades de captação de créditos ao financiamento, e à má qualidade dos políticos.

Alexandre Soares dos Santos, decano do grupo, nunca fez qualquer referencia no seu argumentário a razões de natureza laboral e, embora tenha assumido um quase odio ao sindicalismo afirmou que tal se devia ao facto de este, na sua opinião, estar demasiadamente dependente de certas forças político-partidárias e não por razões intrínsecas de organização de defesa dos interesses dos trabalhadores que diz reconhecer como legítimos.

Como prova do que afirmou e de que não pretende retirar as actividades do grupo nem deixar de pagar os impostos a que legalmente esteja obrigado, afirmou ter criado, só em 2011, mais de mil empregos neste país.

Haja quem investigue em abono do rigor, da verdade (tão apregoada por quem tantas vezes mente) e da transparência, porque a ser verdade o que o homem afirma bastariam duas ou três centenas de empresários como este para que a taxa de desemprego baixa-se a níveis económica e socialmente quase admissíveis.

Sem busca do rigor e da verdade mínimas temos de concluir que o que existe em Portugal, em vez de políticos e jornalistas sérios, são voyeuristas corruptos.

Àh e o povo, esse eterno hipócrita, que não sabe por onde seguir nem para onde cair é tal qual o preguiçoso agricultor, a pedir ao mesmo tempo sol na eira e chuva no nabal, vivendo de subsidiodependência, condena o exagerado aumento de impostos e foge de os pagar, como dizem que o diabo foge da cruz, criticando sempre que alguém faz o que cada um faria em idêntica situação.

Já dizia o antigo pretor romano, nas breves que enviava ao seu imperador, “que estranho povo este aqui do sul da Ibéria que ... “

Durante toda a semana passada, o debate dos políticos e dos jornalistas portugueses circulou em torno de dois assuntos e nenhum foi tratado com o mínimo de dignidade nem no essencial das suas circunstâncias muito menos em ordem ao aprofundamento das reais razões merecedoras de correção.

Tais matérias acabam por se misturar uma com outra visto que a forma como foram abordadas foram iguais na sua (in)substancia.  Alem da já aqui abordada o pais distraiu-se a debater quem pertence ou deixou de pertencer a lojas maçónicas distraindo-se do fundamental que seria saber como, quem, que meios foram usados, quem beneficiou e que foi prejudicado pelo uso indevido dos meios que os portugueses custeio com os seus impostos par que o Estado disponha de adequados Serviços de Investigação e Defesa.

Os deputados revelaram-se, mais uma vez, de incapazes e de incompetentes para defender o país e dignificar o Estado muito menos capazes ainda para defender os interesses do povo.  



Publicado por DC às 10:04 de 09.01.12 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO