Sábado, 12.02.11
Referendo sobre armamento, guardado ou não em casa
Nem tudo o que a Suíça tem ou de lá emerge é positivo, veja-se o mais recente caso publicitado do desaparecimento, tudo indicia de morte, das duas crianças, presumivelmente, pelo próprio pai. Contudo em termos do exercício democrático e da participação directa, por parte dos cidadãos, é um exemplo que outros deveríamos seguir.

Como em quase todos os domingos, por uma razão ou por outra, num qualquer dos seus 26 cantões, amanhã todos são chamados a pronunciar-se em referendo, uma iniciativa popular que, neste caso, visa aumentar a fiscalização de armas de fogo no país, e que sendo votado favoravelmente passa a impedir, por exemplo, que os militares na reserva as possam manter em casa.

A iniciativa, segundo a óptica dos movimentos e partidos do centro-esquerda, serve "para a protecção face à violência das armas" exige que as armas dos reservistas suíços passem a ser guardadas num armazém militar, que seja criado um registo centralizado a nível nacional e que nenhuma arma seja entregue aos soldados que deixam o exército, excepto aos atiradores desportivos licenciados.

A consulta popular de domingo foi apresentada por uma plataforma composta por cerca de 70 entidades, entre as quais organizações ligadas à igreja e às forças de segurança, organizações de paz e direitos humanos (incluindo a Amnistia Internacional), sindicatos ou associações de luta contra o suicídio.

Na Suíça, todos os cidadãos cumprem serviço militar no activo até aos 36 ou na reserva até aos 50 anos, período durante o qual guardam as suas armas em casa. Quando terminam o serviço, e caso respeitem as condições exigidas por lei, podem ficar com as respectivas armas.

A nível político, a iniciativa popular conta com o apoio dos partidos de esquerda. Mas o governo federal helvético e a maioria de direita do Parlamento são contra a proposta, argumentando que a legislação em vigor garante protecção suficiente contra o uso indevido das armas, segundo a imprensa helvética.

Nesse sentido, lembram, por exemplo, que os soldados não guardam as munições de guerra em casa e que aos reservistas com um risco psicológico, ainda que pequeno, não lhes é permitido manter as suas armas.

Segundo as ultimas sondagens a população encontra-se dividida com 47% a defender a interdição e 45% a defender a manutenção da actual situação, entre as duas posições encontram-se 8% de indecisos e é nestes que se encontra a decisão final.

Qualquer que seja o resultado, findo o processo de consulta, ganhadores ou perdedores, todos respeitam de igual modo e perfeitamente conhecedores da lei são não só acatadores dela como do seu respectivo cumprimento são vigilantes.

Nós, por cá é o que se vê. Até quem as promulga delas desdenha. Muito temos para aprender, no que respeita ao exercício da cidadania e do respeito democrático pelas diferenças de opinião.



Publicado por Zurc às 21:34 | link do post | comentar | comentários (4)

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS