A REFUNDAÇÃO DE PORTUGAL E O GOVERNO ACTUAL

Ao que nós chegamos!

A vinda dos técnicos de um dos nossos "tutores", o FMI, para determinarem onde se vai cortar nos gastos públicos é bem ilustrativa, se alguma duvida ainda subsistisse, da incompetência e do completo desastre que tem sido e continuará a ser (se não for demitido) o actual governo.

As oposições, que não foram capazes apresentar propostas mobilizadoras da opinião pública e dos portugueses, também elas mesmo têm muitas culpas na actual situação. Por acção e por omissão, de algum modo, têm contribuído para o actual descredito popular. Poderiam, ainda que simbolicamente, abandonar por algum tempo a Assembleia e juntarem-se, enfrente dela, ao povo.

Como é que alguém, vindo de fora, que não conhece, minimamente, a realidade social e cultural dos portugueses, alguém que não conhece o terreno do próprio país é que vai dizer ao governo o que deve fazer. Vai, com certeza que vai, e nós também vamos pagar muito mais caro tais propostas. Aposto que nenhuma delas incidirá nem no combate a evasão fiscal nem na fuga dos capitais para paraísos fiscais, o que bastaria para obter varias vezes os necessários 4.000 milhões de euros

Mais uma vez vamos ser obrigados a pagar múltiplas vezes o serviço que os eleitos, para isso o foram, deveriam fazer. Pelos vistos nem os governantes, nem os funcionários do Estado, nem os deputados na Assembleia da República nem o Presidente da República fazem o que seria suposto fazerem.

Os primeiros, os governantes, não dão trabalho aos técnicos do Estado, para fazer os necessários pareceres técnicos, por lhes ser mais conveniente mandá-los elaborar a certos escritórios de advogados, depois argumentam que há funcionarizo públicos a mais. Assim amealham de um lado e do outro.

Muitos deputados trabalham para tais escritórios e para interesses inconfessados, numa vergonhosa e sem precedentes promiscuidade, em vez de desempenharem, com abnegação e exclusividade, as tarefas para que os seus eleitores os elegeram.

O Presidente, a tudo isto assiste, sem ter a coragem, necessária e suficiente, para tomar medidas de, como jurou, fazer cumprir a Constituição da República.

Será que o Presidente da República não tem a mínima noção do que deveria fazer a um governo que já deu mostras inequívocas de incompetência, que já deu provas de desgoverno, que já nos envergonhou e prejudicou vezes sem conta?

Se não tem eu permito-me, enquanto cidadão cumpridor das minhas obrigações e cioso dos meus direitos de cidadania, sugerir-lhe o que deve fazer, com a máxima urgência: DEMITA-O.



Publicado por Zé Pessoa às 13:33 de 05.11.12 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO